Alimentos orgânicos minimamente processados da agricultura familiar: Análise da viabilidade de inserção na alimentação escolar em município Catarinense / Minimumly processed organic foods from family agriculture: Analysis of the insertion feasibility in school feeding in Catarinian municipality

Fernanda Rech Rodrigues, Francisco de Assis Guedes de Vasconcelos

Abstract


Introdução: O presente artigo trata-se de um estudo de caso sobre o Programa de Alimentação Escolar (PNAE) em município catarinense. A partir de um projeto proposto pelo Laboratório de Estudos no Campo e da Reforma Agrária (LECERA) da Universidade Federal de Santa Catarina pretendeu-se possibilitar que os agricultores familiares produtores de alimentos orgânicos da região submetessem seus alimentos a processamento mínimo, a fim de ser um diferencial para possibilitar o acesso ao mercado institucional. Métodos: Trata-se de pesquisa de caráter qualitativo, na modalidade de estudo de caso com enfoque exploratório e descritivo. Um questionário aberto e semiestruturado foi elaborado e aplicado aos principais sujeitos envolvidos na gestão municipal do PNAE, sendo eles: Entidade executora, nutricionista, agricultor familiar e quatro merendeiras de diferentes escolas. Os dados foram analisados de acordo com o enfoque metodológico qualitativo da análise de conteúdo. Modelos de cardápios utilizando os alimentos orgânicos minimamente processados da agricultura familiar foram propostos. Resultados: O questionário aplicado proporcionou análise a respeito de distintas questões a serem consideradas para a inserção de alimentos orgânicos minimamente processados na alimentação escolar. Os sujeitos apontaram que há a capacidade dos alimentos orgânicos minimamente processados apresentarem maior segurança em relação aos aspectos higiênicos sanitários, além de considerar que a padronização dos cortes dos alimentos possibilitaria maior praticidade no preparo. A aparência das preparações dos vegetais, segundo eles, depende da técnica de preparo das refeições. Avaliaram ainda, que o custo para viabilizar o processamento mínimo seria elevado. Em relação à qualidade nutricional acreditam que serão mais nutritivos e seguros por diminuírem a exposição das crianças aos agrotóxicos. Conclusão: Embora o resultado da aplicação dos questionários tenha sido positivo no que tange às contribuições elencadas para a viabilização futura do projeto , há evidente necessidade de avançar nas estratégias de Educação Alimentar e Nutricional tanto nas escolas como nas famílias e comunidade em geral, para que a população conheça o modo de produção orgânica como contraponto ao atual modelo de produção e compreenda sua importância como  atores sociais na defesa da agroecologia e do Direito Humano à Alimentação Adequada.


Keywords


Alimentação Escolar; Agricultura Familiar, Alimentos Orgânicos; Alimentos minimamente processados.

References


ABRASCO. Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Rio de Janeiro / São Paulo). Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio. Dossiê ABRASCO: Um alerta sobre os impactos dos agrotóxicos na saúde. 2015. Disponível em: . Acesso em: 19 set. 2015.

AZEVEDO, E; RIGON, S.A. Sistema alimentar com base no conceito de sustentabilidade. In: Taddei JA, Lang RMF, Silva GL, Toloni MHA. Nutrição em Saúde Pública. São Paulo: Rubio; 2010. p. 543-560.

AZEVEDO, Elaine de; PELICIONI, Maria Cecília Focesi. Promoção da Saúde, Sustentabilidade e Agroecologia: uma discussão intersetorial. Saúde e Sociedade, [s.l.], v. 20, n. 3, p.715-729, set. 2011. Bimestral. FapUNIFESP (SciELO). DOI: 10.1590/s0104-12902011000300016. Disponível em: . Acesso em: 30 set. 2015.

AZEVEDO, Elaine de. Alimentação Escolar Orgânica e a Segurança Alimentar e Nutricional na perspectiva da agricultura familiar orgânica. In: AZEVEDO, Elaine de. Alimentos Orgânicos: Ampliando os conceitos de saúde humana, ambiental e social. 2. ed. Tubarão (SC): Unisul, 2006. Cap. 1. p. 116-119.

BADUE, Ana Flávia Borges. Inserção de hortaliças e frutas orgânicas na merenda escolar: as potencialidades da participação e as representações sociais de agricultores de Parelheiros, São Paulo. 2007. Dissertação (Mestrado em Serviços de Saúde Pública) - Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007. Disponível em: . Acesso em: 22 mar. 2015.

BARDIN, Laurence. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70 Lda, 1977. Disponível em: . Acesso em: 18 nov. 2014.

BRASIL. ANVISA - Agência Nacional de Vigilância Sanitária. V Encontro Nacional da Vigilância Sanitária de Alimentos: Relatório. 2009b. Disponível em: . Acesso em: 30 jul. 2015.

BRASIL. ANVISA - Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC nº 275, de 21 de outubro de 2002. Disponível em:

BRASIL. Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Princípios e Diretrizes de uma Política de Segurança Alimentar e Nutricional: Textos de Referência da II Conferência Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional. 2004. Disponível em: . Acesso em: 1 jul. 2015.

BRASIL. Ministério da Educação. Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação FNDE. Manual de orientação sobre alimentação escolar nas diferentes etapas de ensino. 2012c. Disponível em: . Acesso em: 28 set. 2015.

População Brasileira: Promovendo a Alimentação Saudável. 2008b. Disponível em: . Acesso em: 30 out. 2015.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção Básica. Guia alimentar para a população brasileira. 2014. Disponível em: https:// http://portalsaude.saude.gov.br/images/pdf/2014/novembro/05/Guia-Alimentar-para-a-pop-brasiliera-Miolo-PDF-Internet.pdf. Acesso em: 22/09/2015

BRASIL. Ministério da Saúde; Ministério da Educação. Portaria Interministerial nº 1.010, de 8 de Maio de 2006. 2006. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2015.

BRASIL. Programa Nacional de Alimentação Escolar. 2012a. Disponível em: . Acesso em: 04 nov. 2014.

BRASIL. Resolução nº 38, 16 de Julho de 2009. 2009a. Disponível em: < https://www.fnde.gov.br/fndelegis/action/UrlPublicasAction.php?acao=abrirAtoPublico&sgl_tipo=RES&num_ato=00000038&seq_ato=000&vlr_ano=2009&sgl_orgao=CD/FNDE/MEC>. Acesso em: 19 out. 2015.

BRASIL. Serviço Brasileiro de apoio às Micro e Pequenas Empresas. Hortaliças minimamente processadas: Estudo de mercado SEBRAE/ESPM. 2008a. Disponível em: . Acesso em: 01 jun. 2015.

FAO (Organização das Nações Unidas Para Alimentação e Agricultura). Organic Agriculture: ¿Qué es la agricultura orgánica?. Disponível em: . Acesso em: 8 nov. 2014.

GODOY, Arilda Schmidt. Pesquisa Qualitativa: Tipos Fundamentais. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 35, n. 3, p.20-29, jun. 1995. Bimestral. Disponível em: . Acesso em: 11 nov. 2014.

GORHAM, Gemma et al. Effectiveness of Fresh to You, a Discount Fresh Fruit and Vegetable Market in Low-Income Neighborhoods, on Children’s Fruit and Vegetable Consumption, Rhode Island, 2010–2011. Preventing Chronic Disease, [s.l.], v. 12, 15 out. 2015. Centers for Disease Control and Prevention (CDC). DOI: 10.5888/pcd12.140583. Disponível em: . Acesso em: 24 out. 2015.

LEFEVRE, Fernando et al. Discurso do sujeito coletivo, complexidade e auto-organização. 2009. Disponível em: . Acesso em: 23 out. 2015.

LIMA, Elinete Eliete de; SOUSA, Anete Araújo de. Alimentos orgânicos na produção de refeições escolares: limites e possibilidades em uma escola pública em Florianópolis. Revista de Nutrição, Campinas, v. 24, n. 2, p.263-273, abr. 2011. Disponível em: . Acesso em: 24 set. 2014.

MACHADO, Luiz Carlos Pinheiro; MACHADO FILHO, Luiz Carlos Pinheiro. A Dialética da Agroecologia: Contribuição para um mundo com alimentos sem veneno. São Paulo: Editora Expressão Popular, 2014.

MACHADO, Patrícia Maria de Oliveira et al. Caracterização do Programa Nacional de Alimentação Escolar no Estado de Santa Catarina. 2013. Disponível em: . Acesso em: 28 set. 2015.

MACHADO, Patrícia Maria de Oliveira et al. Conselhos de Alimentação Escolar em Santa Catarina, Brasil: uma análise do Discurso do Sujeito Coletivo. 2015. Disponível em: . Acesso em: 24 ago. 2015.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 23. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2004.Disponível em:. Acesso em: 11 nov. 2014.

NÚÑEZ, Sandra Ríos. Conocimiento geográfico y reconexión entre producción y consumo: el caso de la ganadería orgánica en Gales, Reino Unido. 2012. Disponível em: . Acesso em: 14 set. 2015.

SANTOS, Fernanda dos et al. Avaliação da inserção de alimentos orgânicos provenientes da agricultura familiar na alimentação escolar, em municípios dos territórios rurais do Rio Grande do Sul, Brasil. 2014. Disponível em: . Acesso em: 21 out. 2015.

SANTOS, Joana Silva; OLIVEIRA, Maria Beatriz Prior Pinto. Alimentos frescos minimamente processados embalados em atmosfera modificada. 2012. Disponível em: . Acesso em: 01 jul. 2015.

SARAIVA, Elisa B. et al. Uso de alimentos orgânicos na alimentação escolar no estado de Santa Catarina: perfil dos agricultores familiares e presidentes de cooperativas e percepção sobre os benefícios. 2011. Disponível em: . Acesso em: 30/04/2015.

SARAIVA, Elisa Braga et al. Panorama da compra de alimentos da agricultura familiar para o Programa Nacional de Alimentação Escolar. 2013. Disponível em: . Acesso em: 17 nov. 2014.

SILVERIO, Gabriela de Andrade; SOUSA, Anete Araújo de. Os alimentos orgânicos da agricultura familiar no Programa Nacional de Alimentação Escolar: Perspectivas de atores sociais de Santa Catarina, Brasil. 2014. Disponível em: . Acesso em: 10 set. 2014.

SOUSA, Anete Araújo de et al. Alimentos orgânicos e saúde humana: estudo sobre as controvérsias. Rev Panam Salud Publica, [s.l.], v. 31, n. 6, p.513-517, jun. 2012. FapUNIFESP (SciELO). DOI: 10.1590/s1020-49892012000600010. Disponível em: . Acesso em: 18 out. 2015.

SOUSA, Anete Araújo de et al. Cardápios e sustentabilidade: ensaio sobre as diretrizes do Programa Nacional de Alimentação Escolar. Revista de Nutrição, [s.l.], v. 28, n. 2, p.217-229, abr. 2015. Bimestral. FapUNIFESP (SciELO). DOI: 10.1590/1415-52732015000200010. Disponível em: . Acesso em: 28 out. 2015.

TRICHES, Rozane Marcia; SCHNEIDER, Sergio. Alimentação Escolar e Agricultura Familiar: reconectando o consumo à produção. 2010. Disponível em: . Acesso em: 18 nov. 2014.

TRIVIÑOS, Augusto N.S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas; 1987.

VEIROS, Marcela Boro; MARTINELLI, Suellen Secchi. Avaliação Qualitativa das Preparações do Cardápio Escolar - AQPC Escola. 2012. Disponível em: . Acesso em: 26 out. 2015.

WHO, World Health Organization. Estratégia Global para Alimentação, Atividade Física e Saúde da Organização Mundial de Saúde. 2002. Disponível em: . Acesso em: 03 nov. 2015.

WHO. World Health Organization. Diet, nutrition and the prevention of chronic diseases: Recommendations for preventing excess weight gain and obesity. 2003. Disponível em: . Acesso em:

out. 2015.

YIN RK. Estudo de caso: planejamento e métodos. 3. ed. Porto Alegre: Bookman; 2005.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n4-397

Refbacks

  • There are currently no refbacks.