A avaliação externa e interna e o ensino da matemática / External and internal evaluation and math teaching

Josefa Silvana da Silva

Abstract


A Avaliação Educativa é identificada a partir da avaliação interna, realizada pelo professor em sala de aula, e pela avaliação externa, sendo esta avaliando a função escolar, em larga escala, de caráter sistêmico, realizado por administrador externo à escola. Precisando assim ambas estar na pauta das discussões das escolas, para que assim cumpra com sua função para obter os resultados efetivos de melhoramento da aprendizagem. O presente artigo aborda uma temática sobre avaliação externa e interna e o ensino da matemática. Tendo como objetivo verificar como a avaliação interna e externa influenciam os métodos pedagógicos de professores de Matemática, como também debater estratégias de como os professores explanam os resultados dessas avaliações para usá-los em seu método na sala de aula de Matemática. Foi adotado como posicionamento metodológico o estudo de caso somado à natureza qualitativa e descritiva onde tomamos como objeto de estudo a Escola Municipal Gilda Bertino Gomes na Cidade de Cumaru – PE.Tendo como levantamento de dados um questionário subjetivo direcionado aos professores relacionado ao tema proposto. Onde foi Verificado que estes professores enfrentam diversas dificuldades em relação ao ensino de matemática, refletindo assim na média obtido no exame. Os professores afirmam ter conhecimento de modo superficial a estrutura dessas avaliações nacionais, porém declaram que esta influencia a opção de conteúdos de ensino e a preparação dos alunos para participação desse procedimento avaliativo.


Keywords


Avaliação externa. Avaliação interna. Ensino de matemática.Prova Brasil.

References


ALAVARSE, O. M. BLASIS, E. FALSARELLA, A. M. Avaliação e Aprendizagem: Avaliação externa: probabilidades para a atuação pedagógica e a gestão da educação. 2013. Disponível em:http://www.abong.org.br/bitstream/handlesequence1&isallowedy. Acesso em: 22 jul.2019.

ALMEIDA, F. J. Avaliação externa: odiosa ou salvadora? Rev. Nova Escola, São Paulo, ed. 338, 2009. Disponível em: http://nova.escola.org.br/formacao/avaliacao-externaaprendizagemrespo. Acesso em: 22 jul. 2019.

BARBOSA, M. E. F. A escola faz diferença? Uma busca dos resultados da escola na capacidade em matemática dos estudantes. Porto Alegre: Artmed, 2007.

BOTH, I. J. Avaliação: “voz do acordo” da aprendizagem. Curitiba: Inter Saberes, 2012.

BROTHERHOOD, R. M. Psicologia da educação. Maringá-PR: Uni Cesumar, 2014.

CHIZZOTTI, A. Pesquisa em ciências humanas e sociais. São Paulo: Cortez, 2008.

DALBEN, Â. I. L.F. A Avaliação Externa Como Ferramenta da Gestão Educacional nos Estados: relatório final. Ago.2011.

DANTE, L. R. Formulação e resolução de dificuldades de matemática: ensinamento e técnica. São Paulo: Ática, 2009.

DEAQUINO, C. T. E. Como estudar: andragogia e as competências de aprendizagem. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2007.

BRASIL. Matemática. Curitiba: SEED/DEB-PR, 2008. Disponível em: http://www.educadores.dia.pr.gov.br/arquivos/diretrizespdf. Acesso em: 08 jul. 2019.

ELALI, G. A. O espaço da escola: uma discussão sobre a afinidade escola-natureza. Estudos de Psicologia, Natal, n.º 2, vol. 8. 2003.

ESPÓSITO, Y. L. et. al. Avaliação do resultado escolar: o estilo seguido pelo estado de São Paulo. Rev. Bras. Ed., Rio de Janeiro, n. 13, p. 25-53, 2000. Disponível em: http://www.org.br/bedigital.pdf. Acesso em: 12jul. 2019.

FLEMMING, D. M.Intenções em Educação Matemática. Palhoça: UnisulVirtual, 2005. Disponível em: http://busca.unisul.br/pdf/pdf. Acesso em: 18 jul. 2019.

FRANCO, C. Princípio de Avaliação da Educação Básica: potenciais, dificuldades e desafios. Rev. Bras. Ed. Campinas, 2005. Disponível em: http://www.org.br/bedigital.pdf. Acesso em: 14 jul. 2019.

GÜNTHER, H. Psicologia: Teoria e Pesquisa. Universidade de Brasília. 2006.

INSTITUTO UNIBANCO. Como usar as avaliações externas para aperfeiçoar a aprendizagem. Folha, São Paulo, n.º 8, abr. 2016.

LIBÂNEO, J. C. Didática. 2º Ed. São Paulo: Cortez, 2013.

LUCKESI, C. Avaliação da aprendizagem escolar. São Paulo: Cortez, 2005.

MACHADO, C. Avaliação externa e gestão escolar: meditações sobre utilização dos resultados. São Paulo, 2012. Disponível em: http: /Avaliacao-externa-e-gestao-escolar-reflexoessobre-utilização-dos-resultados.Acesso em: 22jul. 2019.

MATEUS, I. B. B. Didática. Maringá-PR: Uni Cesumar, 2014.

MELO, M. F. P. C.et al. Rev. Sistema de Avaliação, SAEP, 1ª etapa. Juiz de Fora: 2013.Disponível em:http://www.saep.cadufj.net/wp-content/uplod/SAEP.pdf. Acesso em: 08 set. 2016.

MORANDI, F. Introdução à Pedagogia. São Paulo: Ática, 2008.

OLIVEIRA, L. K. M. Orientação de Preparação de itens: Matemática. Juiz de Fora: 2008. Disponível em: http://www.portalavaliacao.caedufjf.net/wp-content/uploads/2012/02/pdf. Acesso em: 21 jul. 2019.

PRESTES, M. L. M. A pesquisa e a construção do conhecimento cientifica: do planejamento aos textos, da escola à academia. São Paulo: Respel, 2005.

TEIXEIRA, E. As três metodologias: acadêmica, da ciência e da pesquisa. 6ª. Ed.Petrópolis, RJ: Vozes, 2009.

UFJF, Universidade Federal de Juiz de Fora. Centro de Políticas Públicas e Avaliação da Educação. Avaliação Externa. 2016.

VEIGA, Z. P. A. As veemências organizadas na escola. Campinas: Papiros, 2001.

WERLE, F. O. C. Sistema de avaliação da educação fundamental no Brasil: abordagem por graus de divisão em segmentos. São Leopoldo, 2010.

WIEBUSCH, E. M. Avaliação externa: uma probabilidade para o progresso da aprendizagem. Caxias do Sul, 2012.

YOKOTA, P. As dificuldades da educação no Brasil. Rev. Carta Capital, São Paulo, 2014. Disponível em: http://www.cartacapital.com.br/educacao. Acesso em: 22jul. 2019.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n4-391

Refbacks

  • There are currently no refbacks.