O processo de trabalho em saúde e a educação permanente: desafios e possibilidades / The health work process and permanent education: challenges and possibilities

Francisca de Fátima dos Santos Freire, Francisca Nellie de Paula Melo, Dilene Fontenele Catunda Melo, Deborah Ximenes Torres Holanda, Mônica Kallyne Portela Soares, Ana Kelly da Silva Oliveira, Francisco Arlysson da Silva Veríssimo, Annatália Meneses de Amorim Gomes

Abstract


A Educação Permanente em Saúde (EPS) é considerada poderosa ferramenta para a formação dos profissionais de saúde. Assim, torna-se não somente um instrumento técnico- pedagógico, mas instrumento político para os trabalhadores. Objetiva-se analisar os desafios e possibilidades da EPS em uma instituição de saúde mental sob o olhar dos profissionais. Trata-se de uma pesquisa descritiva e analítica de abordagem qualitativa com análise temática. O lócus foi o Centro de Atenção Psicossocial do Município de Crateús-Ce. A coleta de dados foi realizada no período de Dezembro/2015 a Janeiro/ 2016. Os participantes da pesquisa foram os integrantes da equipe multiprofissional, totalizando 18 trabalhadores de saúde. Os princípios éticos recomendados pela resolução 466/ 12 do Conselho Nacional de Saúde do CONEP, foram preservados, inscrito na Plataforma Brasil sob o CAAE Nº 50340115.5.0000.5534. No primeiro momento desenhou-se o perfil sociodemográfico dos profissionais, no segundo momento a formação em movimento e pôr fim a discussão é voltada para os desafios e possibilidades da EPS no CAPS onde identificou-se que muitos desafios entravam a efetivação de tal política, tais como: planejamento da gestão, orçamento específico para a EPS, falta de mobilização ou articulação com os trabalhadores, planejamento com ênfase na aprendizagem significativa, horário e periodicidade das atividades, apoio dos gestores, o que leva a desmotivação em participarem da proposta de EPS da instituição. Das potencialidades: profissionais entusiasmados, abertos ao processo. O estudo sinaliza uma urgente necessidade de reflexão e ação entre o que é desenhado na política e como ela se dispõe na práxis. 


Keywords


Educação em movimento, Saúde Mental, Formação, Valorização Profissional, Educação Permanente.

References


BRASIL.M. S. Política Nacional de Educação Permanente em Saúde como estratégia do Sistema Único de Saúde para a formação e o desenvolvimento de trabalhadores para o setor e dá outras providências. 2003.

______________M. S. Os desafios atuais para a educação permanente no SUS. Caderno RH Saúde, Brasília, DF, v.3, n.1, p.41-51, 2009.

______________M. S. Saúde Mental / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. – Brasília: Ministério da Saúde, 2015. 548 p.. (Caderno HumanizaSUS;v.5)

______________M. S. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. HumanizaSUS: Documento base para gestores e trabalhadores do SUS / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. – 4. ed. – Brasília : 2010. 72 p. : (Série B. Textos Básicos de Saúde).)

CECCIM, R. B.; FEUERWERKER, L. O quadrilátero da formação para a área da saúde: ensino, gestão, atenção e controle social. Physis - Rev. Saúde Coletiva, v.14, n.1, p.41-65, 2004.

CECCIM, R. B. Educação permanente em saúde: desafio ambicioso e necessário. Interface – Comunicação, Saúde, Educação, Botucatu, v.9, n.16, p.61-177, 2005. CONSELHO NACIONAL DE SAÚDE. Resolução 466 do CNS que trata de pesquisas em seres humanos e atualiza a resolução 196 (2012).

MINAYO, M. C. de S. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 17.ed. Rio de Janeiro: Vozes, 2010.

MERHY, EE. Saúde: a cartografia do trabalho vivo. 1 ed. São Paulo: Hucitec, 2002.

PASCHE, D. F.; PASSOS, E. Inclusão como método de apoio para a produção de mudanças na saúde: aposta da Política de Humanização da Saúde. Saúde em Debate, Rio de Janeiro, v. 34, n. 86, p. 423-432, jul./set. 2010.

SARRETA, Fernanda de Oliveira- Educação permanente em saúde para os trabalhadores do SUS / São Paulo: Cultura Acadêmica, 2009.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n4-375

Refbacks

  • There are currently no refbacks.