Vídeos educativos de oficina culinária para incentivo da alimentação saudável em Unidades de Saúde / Educational Videos of Culinary Workshop to encourage a healthy diet at Basic Health Units

Sanicler Campos Silva, Elen Lucia Bagatini Saud Ferro, Cláudia Haddad Caleiro Pereira, Salvador Boccaletti Ramos, Marina Garcia Manochio-Pina

Abstract


A oficina culinária, pode ser uma estratégia fundamental na promoção da saúde, pois visa desenvolver ou aprimorar habilidades para a autonomia no preparo da refeição. O objetivo foi produzir vídeos educativos de oficina culinária para serem utilizados em Unidades de Saúde de Atenção Primária, bem como avaliar sua efetividade no incentivo da alimentação saudáve e identificar as principais dificuldades para a prática de uma alimentação saudável. Trata-se de uma pesquisa quali-quantitativa, de caráter longitudinal, por meio de vídeos educativo de oficina culinária com usuários entre 18 e 60 anos de ambos os sexos, cadastrados em uma Unidade Básica de Saúde da Família do interior de SP, que em suas residências são responsáveis pela aquisição e preparo das refeições de sua família. Foram gravados quatro vídeos com 10 minutos de duração cada. Foi realizado um teste piloto em dois momentos: o primeiro ocorreu antes da gravação com seleção e produção das receitas, no segundo momento: produção das receitas para aplicação de um teste de aceitabilidade com voluntários. A coleta de dados ocorreu com o recrutamento e convite aos usuários da UBS, a explicação, apresentação dos vídeos educativos, degustação das amostras das receitas e aplicação dos questionários de identificação pessoal, consumo e hábitos alimentares, satisfação e efetividade dos vídeos educativos. Dos 44 usuários, sendo a maioria do sexo feminino, 12 concluíram o ciclo dos quatro encontros e responderam a todos os questionários da pesquisa. Os vídeos foram considerados de fácil entendimento (95,0% a 100,0%). Constatou-se que os usuários que assistiram mais vídeos (2,48 ± 1,22), apresentaram alterações significativas no comportamento alimentar (1,81 ± 1,05; p=0,0364*), notou-se melhora no aproveitamento máximo dos alimentos (p=0.225), redução do hábito de fazer as refeições fora do lar (p=0.532) e leitura dos rótulos (p=0.016). Observou-se uma mudança significativamente positiva (p=<.001) em relação a saber cozinhar, na restrição ao uso de temperos industrializados (p=0.058) e no uso de adoçantes (p=0.297). Em relação a frequência no consumo de frutas, legumes e verduras, (42,12%) deles aumentaram seu consumo, verificou-se uma redução no consumo de produtos industrializados, de (29,54%) para (10,52%) 3 vezes por semana. Quanto a efetividade dos vídeos educativos, constatou-se que foram relevantes para aquisição de hábitos e escolhas alimentares mais saudáveis. Verificou que as dificuldades citadas pelos participantes foram a falta de tempo e planejamento para o preparo da sua própria refeição e o excesso no consumo de produtos industrializados. Este estudo demonstrou que os vídeos educativos de oficina culinária podem ser uma estratégia eficaz na promoção da saúde, como incentivo para direcionar as ações de educação em saúde especialmente ao público que utiliza as Unidades de Saúde. Entretanto, destaca-se a necessidade de mais estudos nessa área.


Keywords


Alimentação saudável, Oficina culinária, Promoção da saúde.

References


ARRUDA, F. T. et al. Elaboração de vídeos médicos educacionais para treinamento de habilidades de estudantes do curso de medicina. Revista Brasileira de Educação Médica, v. 36, n. 3, p. 431-435, 2012.

BATISTA FILHO, M.; RISSIN, A. A transição nutricional no Brasil: tendências regionais e temporais. Cadernos de Saúde Pública, v. 19, p. S181-S191, 2003

BERNARDO, G. L. et al. Índices de diversidade alimentar para avaliação da dieta. CERES: Nutrição & Saúde, v. 6, n. 2, p. 105-120, 2011.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Promoção da. 3. ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2010.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Guia alimentar para a população brasileira. 2 ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2014.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise em Saúde e Vigilância de Doenças não Transmissíveis. Vigitel Brasil 2018: vigilância de fatores de risco e prote ção para doenças crônicas por inquérito telefônico: estimativas sobre frequência e distribuição sociodemográfica de fatores de risco e proteção para doenças crônicas nas capitais dos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal em 2018. Brasília: MS, 2019a

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretária de Atenção Primária à Saúde. Departamento e Promoção da Saúde. Guia alimentar para crianças brasileiras menores de 2 anos. Brasília: MS, 2019b.

BRASIL. Organização Pan-Americana da Saúde - OPAS. Folha - informatival: alimentação saudável. Brasília DF: OPAS, atualizada em junho 2019c. Disponível em: https://www.paho. org/bra/index. php? option=com_content&view=article&id=5964:folha-informativa-alimentacao-saudavel& Itemid=839. Acesso em: 24 de out. 2019.

BRASIL. NAÇÕES UNIDAS NO BRASIL- ONU BR. A Agenda 2030. Disponível em: https://nacoesunidas.org/pos2015/agenda2030. Acesso em: 24 de out. 2019.

CONSELHO NACIONAL SE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL (CONSEA) Proposta de diretrizes para o desenvolvimento de um programa intersetorial para a promoção da alimentação adequada e saudável no Brasil. 2005. Disponível em: http://www4. planalto.gov.br/ consea/eventos/plenarias/documentos/ 2005/proposta-de-diretrizes-para-o-desen volvimento-de-um-programa-intersetorial-para-a-promocao-da-alimentacao-adequada-e-saudavel-no-brasil-11.2005. Acesso em: 15 fev. 2020.

CASTRO, I. R. R. de et al. A culinária na promoção da alimentação saudável: delinea mento e experimentação de método educativo dirigido a adolescentes e a profissionais das redes de saúde e de educação. Revista de Nutrição, v. 20, n. 6, p. 571-588, 2007.

COUTINHO, J. G.; GENTIL, P. C.; TORAL, N. A desnutrição e obesidade no Brasil: o enfrenta mento com base na agenda única da nutrição. Cadernos de Saúde Pública, v. 24, s332-s340, 2008.

DE OLIVEIRA SALVADOR, P. T. C. et al. Tecnologia e inovação para o cuidado em enfermagem. Revista Enfermagem UERJ, v. 20, n. 1, p. 111-117, 2012.

DIEZ-GARCIA, R.W.; CASTRO, I. R. R. de. A culinária como objeto de estudo e de intervenção no campo da Alimentação e Nutrição. Ciência & Saúde Coletiva, v. 16, p. 91-98, 2011.

DIEZ GARCIA, R. W. Reflexos da globalização na cultura alimentar: considerações sobre as mudanças na alimentação urbana. Revista de Nutrição, v. 16, n. 4, p. 483-492, 2003.

ENES, C. C.; SLATER, B. Obesidade na adolescência e seus principais fatores determinantes. Revista Brasileira de Epidemiologia, v. 13, p. 163-171, 2010.

FANTINEL, A. L.; TEIXEIRA, J. M. C.; GHIZZO, M. R. O consumo de restauração fora de casa: uma amostra de indivíduos como parâmetro analítico. Revista Percurso, v. 3, n. 1, p. 193-205, 2011.

FERREIRA, M. V. F. et al. Câmara e ação na execução da cicatrização do cateter venoso central. Revista Latino-Americana de Enfermagem , v. 23, n. 6, p. 1181-1186, 2015.

JABS, J.; DEVINE, C. M. Time scarcity and food choices: an overview. Appetite, v. 47, n. 2, p. 196-204, 2006.

JAIME, P. C. et al. Ações de alimentação e nutrição na atenção básica: a experiência de organiza ção no Governo Brasileiro. Revista de Nutrição, Campinas, v. 24, n. 6, p. 809-824, dez. 2011.

KAC, G.; VELÁSQUEZ-MELÉNDEZ, G. A transição nutricional e a epidemiologia da obesidade na América Latina. Cadernos de Saúde Pública, v. 19, p. S4-S5, 2003.

LÓPEZ, M. J. O. et al. Evaluación nutricional de uma población universitaria. Revista Nutrição Hospitalaria, v. 21, n. 2, p. 179-183, 2006.

LOUZADA, M. L. C. et al. Alimentos ultraprocessados e perfil nutricional da dieta no Brasil (2008-2009). Revista de Saúde Publica, v. 49, p. 38, 2015a.

LOUZADA, M. L. C. et al Alimentos ultraprocessados e perfil nutricional da dieta no Brasil. Revista de Saúde Pública, v. 49, 2015b.

MALTA, D. C. et al. A vigilância e o monitoramento das principais doenças crônicas não transmis síveis no Brasil-Pesquisa Nacional de Saúde, 2013. Revista Brasileira de Epidemiologia, v. 18, p. 3-16, 2015.

MARINHO, M. C. S.; HAMANN, E. N.; LIMA, A. C. C. F. Práticas e mudanças no comporta mento alimentar na população de Brasília, Distrito Federal, Brasil. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil, v. 7, n. 3, p. 251-6, 2007.

MENDONÇA, C. P.; ANJOS, L. A. dos. Aspectos das práticas alimentares e da atividade física como determinantes do crescimento do sobrepeso/obesidade no Brasil. Cadernos de Saúde Pública, v. 20, p. 698-709, 2004. Disponível em: . Acesso em: 10 ago. 2019

MENEZES, M. F. G.; MALDONADO, L. A. Do nutricionismo à comida: a culinária como estratégia metodológica de educação alimentar e nutricional. Revista Hospital Universitário Pedro Ernesto, v. 14, n. 3, 2015.

MINISTÉRIO DA SAÚDE (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Promoção da Saúde - PNPS: revisão da Portaria MS/GM nº 687, de 30 de março de 2006. Brasília: Ministério da Saúde, 2015.

MONTEIRO, C. A. et al. Os produtos ultraprocessados estão se tornando dominantes no sistema alimentar global. Obes Rev., v. 14, Supl. 2, p. 21-8, 2013.

MONTEIRO, C. A. et al. NOVA. A estrela brilha. Classificação alimentar. Saúde Pública Mundial Nutrição, n. 7, p. 28-38, 2016.

MOUBARAC, J. C. et al. Evidências do Canadá. Consumo de alimentos ultraprocessados e provável impacto na saúde humana. Saúde Pública Nutr., v. 16, p. 2240-8, 2013.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Declaração de Adelaide sobre a Saúde em Todas as Políticas: no caminho de uma governança compartilhada, em prol da saúde e do bem-estar. Relatório do encontro internacional sobre a Saúde em Todas as Políticas, Adelaide, 2010.

ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE. Fatores de risco para doenças crônicas não transmissíveis nas Américas: considerações sobre o fortalecimento da capacidade regulatória. Documento de Referência Técnica REGULA. Washington, DC; OPAS, 2016.

PANG, B. et al. Culinary medicine and community partnership: hands-on culinary skills training to empower medical students to provide patient-centered nutrition education. Medical Education Online, v. 24, n. 1, 2019.

PEREIRA, T. de S.; PEREIRA, R. C.; ANGELIS-PEREIRA, M. C. de. Influência de intervenções educativas no conhecimento sobre alimentação e nutrição de adolescentes de uma escola pública. Ciência & Saúde Coletiva, v. 22, p. 427-435, 2017.

POLAK, R. et al. Health-related culinary education: a summary of representative emerging programs for health professionals and patients. Global Advances in Health and Medicine, v. 5, n. 1, p. 61-68, 2016.

SANTOS, P. R.; KLOSS, S. A criança e a mídia: a importância do uso do vídeo em escolas de Joaçaba – SC. Unoesc & Ciência - ACHS, v. 1, n. 2, p. 103-110, 2011.

SOLIAH, L. A. L.; WALTER, J. M.; JONES, S. A. Benefits and barriers to healthful eating: what are the consequences of decreased food preparation ability? American Journal of Lifestyle Medicine, v. 6, n. 2, p. 152-158, 2012.

SOUZA, B. B. de et al. Consumo de frutas, legumes e verduras e associação com hábitos de vida e estado nutricional: um estudo prospectivo em uma coorte de idosos. Ciência & Saúde Coletiva, v. 24, p. 1463-1472, 2019.

SOUZA, N. P. de et al. A (des) nutrição e o novo padrão epidemiológico em um contexto de desenvolvimento e desigualdades. Ciência & Saúde Coletiva, v. 22, n. 7, p. 2257-2266, 2017

STINA, A. P. N.; ZAMARIOLI, C. M.; CARVALHO, E. C de. Effect of educational video on the student's knowledge about oral hygiene of patients undergoing chemotherapy. Esc Anna Nery, v. 19, n. 2, p. 220-5, 2015.

TEIXEIRA, P. D. S. et al. Intervenção nutricional educativa como ferramenta eficaz para mudança de hábitos alimentares e peso corporal entre praticantes de atividade física. Ciência & Saúde Coletiva, v. 18, p. 347-356, 2013.

VAZ, D. S. S.; BENNEMANN, R. M. Comportamento alimentar e hábito alimentar: uma revisão. Revista UNINGÁ Review, v. 20, n. 1, 2014. Disponível em: http://revista.uninga.br/index. php/uningareviews/article/view/1557. Acesso em: 10 jan. 2020.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n4-341

Refbacks

  • There are currently no refbacks.