Contribuições de Ciência Tecnologia Sociedade (CTS) para o atual Ensino de Física / Contributions of Science Technology Society (CTS) to the current Physics Education

Guilherme Henrique de Godoi, Paulo Silva Melo, Lucas Bernardes Borges

Abstract


A Base Nacional Curricular Comum (BNCC), teve sua versão preliminar divulgada em 2015. Em 2016, uma segunda versão foi disponibilizada. Ela tem como padronizar uma base curricular para o Ensino Básico Nacional, abrangendo desde a Educação Infantil até o Ensino Médio. O presente trabalho teve como objetivo refletir sobre os impactos da implantação do BNCC no ensino de Física, levando em consideração a evasão escolar e a desinteresse dos discentes pelo aprendizado da Física. Argumentar que a metodologia CTS (Science Technology Society Society) tem potencial para trazer contribuições aplicadas ao ensino de física, aliando-se materiais de ensino contextualizados com uma realidade vivida no cotidiano do discente, procurando reduzir a evasão escolar e promover mudanças no ensino básico do Brasil .

Keywords


Base Nacional Comum Curricular, Ensino de Física, Ciência Tecnologia Sociedade.

References


AULER, D. Interações entre Ciência-Tecnologia-Sociedade no contexto da formação de professores de Ciências. 2002. 248 f. Dissertação (Mestrado em Educação), Universidade do Sul de Santa Catarina, Florianópolis, 2002.

BARBOSA, L. C. A.; BAZZO, W. A. A escola que queremos: É possível articular pesquisas ciência-tecnologia-sociedade (CTS) e práticas educacionais? Eletrônica de Educação, São Carlos, v. 8, n. 2, p. 363-372, 2014. ISSN 1982-7199. Disponivel em: . Acesso em: 20 jan. 2018.

BATISTA, S. D., SOUZA, A. M., OLIVEIRA, J. M. S. A evasão escolar no ensino médio: Um estudo de caso. Profissão Docente, Uberaba, v. 9, n. 19, 2009.

BONADIMAN, H.; NONENMACHER, S. E. B. O gostar e o aprender no ensino de física: uma proposta metodológica. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, Florianópolis, v. 24, n. 2, p.194-223, 2007.

BORGES, L. B. Ensino e aprendizagem de Física: contribuições da teoria de Davydov. 2016. 154 f. Tese (Doutorado em Educação), Pontifícia Universidade Católica, Goiânia, 2016.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Ciências da natureza, matemática e suas tecnologias. Brasília: Secretaria de Educação Básica, 2006. 135 p. (Orientações Curriculares para o Ensino Médio, v.2).

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Plano Nacional de Educação PNE 2014-2024: Linha de Base. Brasília, DF: Inep, 2015a. 404 p.

Disponível em :. Acesso em 02 fev. 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular – Documento preliminar. MEC. Brasília, DF, 2015b.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular –2ª Versão do documento preliminar. MEC. Brasília, DF, 2016a.

BRASIL. Exposição de Motivos n.º 00084/2016/MEC, de 15 de setembro de 2016. Brasília, 2016b. Disponível em: ˂https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015- 2018/2016/Exm/Exm-MP-746-16.pdf>. Acesso em: 29 de dezembro de 2017.

CHAVES, J. A. C et al. As dificuldades de aprendizagem no ensino de matemática e Física dos alunos do 2º ano do ensino médio. III Congresso Internacional das Licenciaturas COINTER - PDVL2016. Recife: [s.n.]. 2016. p. 11. Disponível em:. Acesso em 02 fev. 2018.

CUTCLIFFE, S. H.; MITCHAM, C. Vision of STS - counterpoints in science, technology, and society studies. State University of New York, 2001.

FIOLHAIS C.; TRINDADE J. Física no Computador: o Computador como uma Ferramenta no Ensino e na Aprendizagem das Ciências Físicas. Revista Brasileira de Ensino de Física, São Paulo, v. 25, n. 3, p. 259-272, 2003.

FRIGOTTO, G. Os circuitos da história e o balanço da educação no Brasil na primeira década do século XXI. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 16, n.46, p.235-274 , jan./abr. 2011.

GARCÍA PALACIOS, E. M.; VON LINSINGEN, I.; GONZÁLEZ GALBARTE, J. C.; LÓPEZ CEREZO, J. A.; PEREIRA, L. T. V.; MARTIN GORDILLO, M.; OSORIO, C.; VALDÉS, C.; BAZZO, W. A. Introdução aos estudos CTS. 1. ed. Florianópolis: OEI, v. 1, 2003.

KRASILCHIK, M. Reformas e realidades o caso do ensino das ciências. São Paulo em perspectiva, São Paulo, n. 14, p. 85-93, 2000.

KUENZER, A. Z. O ensino médio no plano nacional de educação 2011-2020: Superando a década perdida? Educação & Sociedade, Campinas, v.31, n.112, p.851-873, jul. /set. 2010.

MENEGOTTO, J. C.; ROCHA FILHO, J. B. Atitudes de estudantes de Ensino Médio em relação à disciplina de Física. Revista Electrónica de Enseñanza de lasCiencias, Espanha, v. 7, n.2, p. 01-15, 2008.

MIRANDA, E. M. Tendências das perspectivas Ciência, Tecnologia e Sociedade (CTS) nas áreas de Educação e Ensino de Ciências: uma análise a partir de teses e dissertações brasileiras e portuguesas. 2012. 292 f. Tese (Doutorado em Educação), Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2012.

MORAES, J. U. P. A visão dos alunos sobre o Ensino de Física: um estudo de caso. ScientiaPlena, Lagarto, v. 5, n.11, p. 1-7, 2009.

MOREIRA,M.A.;Caballero,M.C.eRodríguez,M.L.(orgs.)(1997).Actas del Encuentro Internacional sobre el Aprendizaje Significativo.Burgos, España. p. 19-44. Publicado em português em Moreira, M. A. (1999). Aprendizagem significativa. Brasília: Editora da UnB. Revisado em 2012.

PINHEIRO, N. A., SILVEIRA, R. M., BAZZO, W. A. (2007). Ciência, Tecnologia e Sociedade:A Relevância do Enfoque CTS para o contexto do Ensino Médio . Ciência & Educação, 13(1), 71-84.

RAMOS, M. N. Ensino médio integrado: Lutas Históricas e resistências em tempos de regressão. In: ARAÚJO, A. C.; SILVA, C. N. N. D. Ensino Médio Integrado no Brasil: Fundamentos, Práticas e Desafios. 1. ed. Brasília: IFB, v. 1, 2017. Cap. 2, p. 20-43.

SANTOS, G. H.; ALVES, L.; MORET, M. A. Modellus: Animações Interativas mediando a Aprendizagem Significativa dos Conceitos de Física no Ensino Médio. Revista Sitientibus – Série Ciências Físicas, Feira de Santana, v. 2, p. 56-67, 2006.

SANTOS, W. P.; MORTIMER, E. F. Uma análise de pressupostos teóricos da abordagem C-T-S(Ciência-Tecnologia-Sociedade) no contexto da educação brasileira. Ensaio- Pesquisa em Educação em Ciências, Belo Horizonte, v. 2, n. 2, p. 110-132, dezembro 2002.

SANTOS, W. P. Contextualização no Ensino de Ciências por meio de temas CTS em uma Perspectiva Crítica. Revista Ciência & Ensino, vol. 1, número especial, novembro de 2007.

SBF, SOCIEDADE BRASILEIRA DE FÍSICA (2015). A Física no ensino médio e fundamental: proposta para a SBF. Considerações sobre a Base Nacional Curricular Comum e a física na BNCC (Ensino Médio e Fundamental). Disponível em . Acesso em: 18 fev. 2018.

STRIEDER, R. B.; SILVA, K. M. A.; FERNANDES SOBRINHO, M.; SANTOS, W. L. P. A educação CTS possui respaldo em documentos oficias brasileiros? ACTIO, Curitiba, v. 1, n. 1, p. 87-107, jul./dez. 2016. Disponível em: . Acesso em: 30 de jan. de 2018.

VEIT, E. A.; TEODORO, V. D. Modelagem no Ensino/Aprendizagem de Física e os Novos Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. Revista Brasileira de Ensino de Física, São Paulo, v. 24, n. 2, p. 87-90, 2002.

WAKS, L. J. (1990). Educação em ciência, tecnologia e sociedade: origens, desenvolvimentos internacionais e desafios atuais. Em: MEDINA, M., SANMARTÍN, J. (Eds.). Ciência, tecnologia e sociedade: estudos interdisciplinares na universidade, na educação e na gestão política e social. Barcelona, Anthropos, Leioa: Universidade do País Basco.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n4-328

Refbacks

  • There are currently no refbacks.