Uso de Recursos Naturais nas Palafitas Amazônicas :Estudo de caso na Comunidade Nossa Senhora das Graças (Manacapuru-Amazonas) / Use of Natural Resources on Amazon Stilts: Case Study in the Nossa Senhora das Graças Community (Manacapuru-Amazonas)

Gislany Mendonça de Sena, Therezinha de Jesus Pinto Fraxe, Mônica Suani Barbosa da Costa, Vinícius Verona Carvalho Gonçalves, Janderlin Patrick Rodrigues Carneiro, Jaisson Miyosi Oka, Antonio Carlos Witkoski

Abstract


Existem diversasáreas da Região Amazônica que convivem com enchentes periódicas dos rios, o que denominamos como área de várzea, esse evento designa grande impacto nas condições de vida, principalmente das populações residentes nessas áreas. A adaptabilidade humana pode ser considerada uma estratégia de vida das famílias moradoras dessas regiões, pois, apresentam diversas formas e habilidades de adaptabilidade, devido a sazonalidade, utilizando recursos naturais. A pesquisa objetivou analisar a dinâmica dos recursos naturais nas palafitas da Comunidade Nossa Senhoras das Graças em Manacapuru-Am. O estudo foi pautado na coleta de dados a partir de pesquisa bibliográfica, com uma abordagem quantitativa e qualitativa. Foi realizado o uso de entrevistas abertas e de registros fotográficos, na finalidade da culminância dos objetivos almejados. Diante da análise dos dados obtidos, foi possível identificar que a madeira é o principal recurso natural utilizado pelos ribeirinhos em suas palafitas, construídas respeitando as dinâmicas de cheia do rio. É perceptível, que desde o planejamento da construção, a manutenção das moradias, até as atividades de plantio são adaptadas para assim resistirem as intempéries da natureza.

 

 


Keywords


Ribeirinhos da Várzea, Adaptabilidade, Costa do Pesqueiro.

References


AYRES, J. M. 1995. As matas de várzea do Mamirauá. Brasília: MCT-CNPq, Sociedade Civil Mamirauá.

BARDA, Marisa. A importância da arquitetura vernacular e dos traçados históricos para a cidade contemporânea. Dissertação (mestrado em arquitetura e urbanismo) - Universidade de São Paulo, USP, 2007.

CAVALCANTI, Clóvis. (org.). Desenvolvimento e Natureza: estudos para uma sociedade sustentável. São Paulo: Cortez, 2003.

FERREIRA, L C. Sustentabilidade: uma abordagem histórica da sustentabilidade. In: BRASIL. Encontros e Caminhos: Formação de Educadoras(es) Ambientais e Coletivos Educadores. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2005.

FRAXE, Therezinha de Jesus Pinto. Cultura cabocla-ribeirinha: mitos, lendas e transculturalidade. 2a edição. São Paulo: Annablume, 2010.

FURTADO, L. Leitão. W., MELLO, A.F. Povos das águas: realidade e perspectivas na Amazônia. Museu Paraense Emilio Goeldi, Belém-PA, 1993.

HERMANN, W.; BOVO, V. Mapas mentais enriquecendo inteligências: captação, seleção, organização, síntese, criação e gerenciamento de conhecimentos. 2ª ed: Campinas, 2005.

JUNK, W. J. 1993. Wetlands of tropical South America. In: WHIGHAM, D. F.;DYKYJGVA, D. (eds) Wetlands of the World. Kluwer Publishers, The Netherlands. P. 679-739.

LARANJEIRA, Carlos Antonio Sampaio de Jesus (2007, julho/setembro) Do vulnerável ser ao resiliente envelhecer: revisão da literatura. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 23(3). Recuperado em 22 de dezembro, 2008 da Scielo (Scientific Eletronic Library On Line): www.scielo.br

MELILLO, Aldo; ESTAMATTI, Mirta; CUESTAS, Alicia. (2005). Alguns fundamentos psicológicos do conceito de resiliência. In: MELILLO, Aldo. & OJEDA, Elbio Nestor Suárez. (orgs). Resiliência: descobrindo as próprias fortalezas. Porto Alegre: Artmed, 2005. p.59-72

MORAN, E. F., Adaptabilidade humana :uma introdução à antropologia ecológica. São Paulo:EDUSP,1994.

MORIN, Edgar. Ciência com Consciência. 13ª Edição. Rio de Janeiro: Bertrand, 2010.

PEREIRA, Ana Paula B. & COSTA Natália C. Projeto de urbanização e habitação Vila da Barca: perspectivas avaliativas da capacitação profissional.2008. TCC (Curso de Serviço Social) - Universidade Federal do Pará: UFPA.

PLACCO, Vera. Maria Nigro de Souza. Resiliência e desenvolvimento pessoal. Tavares, J. (org) Resiliência e Educação. São Paulo: Cortez, 2001. p.7-12.

ROSA, Altair. Rede de governança ambiental na cidade de Curitiba e o papel das tecnologias de informação e comunicação. Dissertação de mestrado. Gestão Urbana. Pontifícia Universidade Católica do Paraná, 2007.

SHERER, E. 2004 . Mosaico Terra-Água: a vulnerabilidade social ribeirinha na Amazônia- Brasil. In: Anais do VII Congresso Luso-Afro-Brasileiro de Ciências sociais: A questão Social no Brasil. Centro de Estudos Sociais, Faculdade de Economia, Universidade de Coimbra: Coimbra 16, 17 e 18 de setembro de 2004.

SCHWEIGERT, L. R.. Plano diretor e sustentabilidade ambiental da cidade. Dissertação de mestrado. Arquitetura e Urbanismo. Universidade Presbiteriana Mackenzie, 2007.

STERNBERG, Hilgard O’ Reilly. A água e o homem na várzea do Careiro. 2 ed. Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi,1998. 330 p.

SOUZA, Leno José Barata. Fronteiras do Tempo: Revista de Estudos Amazônicos, v. 1, nº 1, p. 105-126, 2011.

Taboada, N.G., Legal. E.J., & Machado, N. (2006). Resiliência: em busca de um conceito. Revista Brasileira de Crescimento e Desenvolvimento Humano, 16(3), 104-113.

TRINDADE- Jr, Saint- Clair, Cordeiro. Imagens e representações da cidade ribeirinha Amazônia: uma leitura a partir de suas orlas fluviais. In: ARAÚJO, Ricardo Côrrea. Humanitas. Belém:UFPA, 2002.

WITKOSKI, Antônio Carlos. Terras, florestas e águas de trabalho: os camponeses amazônicos e as formas de uso de seus recursos naturais. Manaus: 2.Ed. da UFAM, 2010. 484p.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n4-321

Refbacks

  • There are currently no refbacks.