Estudo e projeto de tecnologia para transferência e movimentação de tetraplégicos / Study and design of technology for transfer and movement of quadriplegics

Maria Luísa Pohren, Natascha Maria Carbonari, Fábio Ricardo de Oliveira de Souza, José de Souza

Abstract


Os danos músculo-esqueléticos provocados pelo levantamento de carga, no que diz respeito aos profissionais da área da saúde e cuidadores de pessoas com restrições motoras, principalmente quando se trata de uma lesão medular na qual os membros inferiores e superiores são afetados, podem ser considerados agravantes. Por meio deste estudo foi flagrada a dificuldade que os fisioterapeutas, médicos e cuidadores enfrentam nas transferências, que normalmente necessitam de duas pessoas para serem realizadas, de um tetraplégico que se encontra em estágio inicial da lesão. O objetivo deste estudo foi projetar um aparelho mecânico capaz de realizar as transferências do tetraplégico em estudo, de forma segura, restringindo o esforço dos cuidadores apenas para a locomoção do equipamento. Para isso, primeiramente, foi analisado empiricamente como são realizadas as transferências do estudo de caso e, com base nisso, foi dado início à projeção de um equipamento que não só atendesse aos pontos considerados críticos em questão do esforço dos cuidadores, mas que também corrigisse as precariedades nos aparelhos de transferência existentes. Após quatro projeções, chegou-se ao equipamento que conseguiu atingir os três requisitos, considerados principais: simplicidade, praticidade e utilidade. Foi realizada a confecção de um protótipo em tamanho real para ilustrar a ideia; viu-se necessária, a partir dele, a adaptação de medidas e materiais. Para verificar se a estrutura com outros componentes resistem às solicitações diante das cargas aplicadas, foram realizadas simulações no software Autodesk Inventor Professional 2018. Foi possível reduzir o esforço dos envolvidos nas transferências do tetraplégico de 600 N para 177 N com o aparelho (no início da transferência) e 380 N no final do procedimento, sendo que esses esforços não são constantes. Quanto à estrutura pode ser verificado que resiste de forma apropriada ao peso do paciente durante a execução da transferência.

 


Keywords


Aparelho de transferência, Transferência, Tetraplegia.

References


ABNT NBR 9050:2004. 97 páginas. Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos . Segunda edição. 31.05.2004. Rio de Janeiro – RJ.

BERNARDES, João Marcos; MORO, Antônio Renato Pereira. Movimentação e transferência de pacientes: uma análise da produção científica nacional. In: ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO, XXXI. Belo Horizonte, 2011.

CARTILHA Do Censo 2010. Cartilha Do Censo 2010: Pessoas com Deficiência. Brasília, 2012.

CÉLIA, Rita de Cássia Rodrigues da Silva; ALEXANDRE, Neusa Maria Costa. Aspectos ergonômicos e sintomas osteomusculares em um setor de transporte de pacientes. Rev Gaúcha Enferm, Porto Alegre (RS) 2004 abr; 25(1):33-43.

CEREZETTI, Christina Ribeiro Neder et al. Lesão Medular Traumática e estratégias de enfrentamento: revisão crítica. O Mundo da Saúde, São Paulo, n. 36, v. 2, 2012.

GALLASCH, C.H; ALEXANDRE, N.M.C. Avaliação dos riscos ergonômicos durante a movimentação e transporte dos pacientes em diferentes unidades Hospitalares. Revista de Enfermagem da Universidade Estadual do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, vol. 11, p. 252-260, 2003.

GOMES, Ana Luísa Castelo Branco; GOMES, Abel Barbosa de Araújo; SANTOS, Heleodório Honorato dos; CLEMENTINO, Adriana Carla Costa Ribeiro. Habilidades motoras de cadeirantes influenciadas pelo controle de tronco. Motriz, Rio Claro, v.19, n.2, p.278-287, abr./jun. 2013.

GRANDJEAN, Etienne. Manual de ergonomia: adaptando o trabalho ao homem. 4. ed. - Porto Alegre: Bookman, 1998. 338 p.

GRANDJEAN, Etienne.; KROEMER, K.H.E. Manual de ergonomia. Adaptando o trabalho ao homem. 5 ed. Editora Bookman. Porto Alegre, 2005.

GURGUEIRA, Giovana Pimentel; ALEXANDRE, Neusa Maria Costa and FILHO, Heleno Rodrigues Corrêa. Prevalência de sintomas músculo-esqueléticos em trabalhadoras de enfermagem. Rev. Latino-Am. Enfermagem [online]. 2003, vol.11, n.5, pp.608-613. ISSN 1518-8345. https://doi.org/10.1590/S0104-11692003000500007.

INSTITUTO PARADIGMA. Manual de Informações Complementares sobre Deficiência. São Paulo, 2011.

MARCHI, Joisy Aparecida; SILVA, Renata Hermógenes da; MAI, Lilian Denise. O cuidado domiciliar a indivíduo com tetraplegia: um relato de experiência. Cienc Cuid Saude. V. 11, n. 1, p. 202-209, Jan./Mar. 2012.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. A inclusão escolar de alunos com necessidades educacionais especiais. Deficiência Física. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial, 2006. 67 p.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO. Deficiência mental. Deficiência física. Brasília, 1998. Cadernos da TV Escola. Educação Especial.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS (CONITEC). Diário Oficial da União, n. 110, 11 jun. 2014.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Diretrizes de Atenção à Pessoa com Lesão Medular. Brasília, 2013.

NOGUEIRA, Paula Cristina et. al. Cuidadores de indivíduos com lesão medular: sobrecarga do cuidado. Rev Esc Enferm USP, São Paulo, v. 47, n. 3, p. 607-614, 2012.

PINHO, Lucinéa de et al. Dores na coluna em profissionais de enfermagem. Acta Fisiátrica, v.8, n.2, p.75-81, 2001.

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS. Informações para pessoas com deficiências e/ou mobilidade reduzida.

PRUDENTE, Cejane Oliveira Martins; RIBEIRO, Maysa Ferreira Martins; PORTO, Celmo Celeno. Qualidade de vida de cuidadores familiares de adultos com lesão medular: uma revisão sistemática. Ciência & Saúde Coletiva, Goiânia, v. 22, n.1, p. 123-134, 2017.

ROSSI, Cristiane Gonzales, ROCHA, Renata Marchetti; ALEXANDRE, Neusa Maria Costa. Aspectos ergonômicos na transferência de pacientes: um estudo realizado com trabalhadores de uma central de um hospital universitário. Rev Esc Enferm USP 2001; 35(3):249-56.

SCHIRMER; Carolina R; BROWNING, Nádia; BERSCH, Rita; MACHADO, Rosângela. Atendimento Educacional Especializado: Deficiência Física. Brasília, 2007.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n4-320

Refbacks

  • There are currently no refbacks.