Associação entre práticas de governança corporativa e a geração de valor adicionado no setor industrial brasileiro: uma análise de empresas de capital aberto entre 2010 e 2016 / Association between corporate governance practices and value added generation in the Brazilian industrial sector: an analysis of publicly traded companies between 2010 and 2016

Fabiana Sousa Ribeiro, Arthur Antonio Silva Rosa, Marcelo Fodra

Abstract


O objetivo deste trabalho foi verificar a relação entre variáveis ligadas à práticas de Governança Corporativa: sustentabilidade e compliance e a criação de valor adicionado nas empresas industriais brasileiras listadas na B3, no período compreendido entre 2010 e 2016. Para isso, foi feito um estudo em 56 empresas industriais brasileiras, cadastradas nos níveis de Governança Corporativa da B3 (Brasil, Bolsa e Balcão), no período entre 2010 até 2016.  Foram coletados dados secundários, no banco de dados Economática, dos indicadores do ativo total, receita de vendas, EBITDA, EBIT, ativo imobilizado, depreciação/ amortização e, por fim, do estoque. Também foram obtidos dados secundários junto à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), complementadas com informações coletadas nos sites institucionais das empresas industriais analisadas, versando sobre as práticas de governança efetivamente praticadas em cada firma, anualmente. Foram utilizadas técnicas de regressão com dados em painel com efeitos aleatórios. Os resultados mostraram que as empresas industriais brasileiras não mostraram evidências estatísticas de que a sustentabilidade e compliance afetam de modo significante o valor adicionado gerado pelas empresas do setor industrial brasileiro, no período coberto pela pesquisa.


Keywords


Compliance; Sustentabilidade; Governança Corporativa; Dados em painel com efeitos aleatórios.

References


ANDRADE, A.; ROSSETTI, J. P. Governança Corporativa: Fundamentos, Desenvolvimento e Tendências. 6. ed. São Paulo. Atlas, 2012.

ASSAF NETO, A. Finanças Corporativas e Valor. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2012.

ASSAF NETO, A. LIMA, F. G. Fundamentos de finanças corporativas. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2017.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE BANCOS INTERNACIONAIS. Função de compliance. Disponível em: . 2009. Acesso em 04.Mar.2017.

BAUMGARTNER, R. J.; EBNER, D. Corporate sustainability strategies: sustainability profiles and maturity levels. Sustainable Development, v. 18, n. 2, p. 76-89, 2010.

BERGAMINI JÚNIOR, S. Controles internos como um instrumento de governança corporativa. Revista do BNDES. Rio de Janeiro, v. 12, n. 24, p. 149-188, Dez/2005.

COSENZA, J. P. A eficácia informativa da demonstração do valor adicionado. Revista de contabilidade e finanças, São Paulo, v. 14, p. 07-29, out/ 2003.

DYLLICK, T.; HOCKERTS, K. Beyond the business case for corporate sustainability. Business strategy and the environment, v. 11, n. 2, p. 130-141, 2002.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA – IBGC. Governança Corporativa. Disponível em: . Acesso em 18 jan. 2018a.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA – IBGC. Princípios básicos. Disponível em: < http://www.ibgc.org.br/governanca/governanca-corporativa/principios-basicos>. Acesso em 18 jan. 2018b.

KMENTA, J. Elementos de econometria: teoria econométrica básica. Vol. 2. 2. ed. São Paulo: Atlas, 1988.

NORMAN, W.; MACDONALD, C. Getting to the bottom of “triple bottom line”. Business ethics quarterly, v. 14, n. 2, p. 243-262, 2004.

PAGELL, M.; WU, Z. Building a more complete theory of sustainable supply chain management using case studies of 10 exemplars. Journal of supply chain management, v. 45, n. 2, p. 37-56, 2009.

PIANA, C.; MACHADO, A,; SELAU, L. Estatística Básica. Universidade Federal de Pelotas. Pelotas, 2009.

PORTER, M. E.; VAN DER LINDE, C. Green and competitive: Ending the stalemate. Journal of Business Administration and Policy Analysis, p. 215, 1999.

RAMANATHAN, R. Introductory econometrics with applications. 5. ed. Ohio: Thomson Learning, 2002.

RIBEIRO, M. S. SANTOS A. A remuneração dos capitais utilizados para financiamento dos ativos de empresas distribuidoras de energia elétrica medida por meio da DVA. Brazilian Business Review. São Paulo, v. 1, n. 1, p. 17-30, 2004.

SANTOS, A. Demonstração do valor adicionado: como elaborar e analisar a DVA. São Paulo: Atlas, 2003.

SINGH, R. K. et al. An overview of sustainability assessment methodologies. Ecological indicators, v. 15, n. 1, p. 281-299, 2012.

STOCK, J. H. WATSON, M. W. Econometria. São Paulo: Pearson Addison-Wesley, 2004.

VIEIRA, F. V.; AVELLAR, A. P.; VERÍSSIMO, M. P. Indústria e crescimento econômico: evidências para países desenvolvidos e em desenvolvimento. Revista de Economia Política, v. 34, n. 3, p. 485-502, jul./set. 2014.

KPMG. Pesquisa: Maturidade do Compliance no Brasil. 2015. Disponível em < https://cndl.org.br/politicaspublicas/wp-content/uploads/estudos/Maturidade%20do%20compliance%20no%20Brasil%20-%20KPMG.pdf> Acesso em 13 maio 2015.

WOOLDRIDGE, J. M. Introdução à econometria: uma abordagem moderna. São Paulo: Cengage Learning, 2016.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n4-313

Refbacks

  • There are currently no refbacks.