Predação de mudas de castanheira (Bertholletia excelsa Bonpl.) em áreas sob restauração florestal na Amazônia / Predation of chestnut tree (Bertholletia excelsa Bonpl.) seedlings in forest restoration sites in Amazonia

Bruna Ingrid Araújo Silva, Rafael de Paiva Salomão, Antônio Cordeiro de Santana, Vanessa Gomes de Sousa, André Luis Ferreira Hage

Abstract


A taxa de sobrevivência de mudas de castanha (Bertholletia excelsa Bonpl.) pode ser fortemente ameaçada pela predação de roedores silvestres. O objetivo deste trabalho foi avaliar a predação de mudas de castanha por roedores em área de pastagem abandonados durante um intenso processo de restauração florestal sob diferentes tratamentos silviculturais. Foram realizados três tipos de tratamentos diferentes: tratamento 1 (T1) - tratamento silvicultural físico; tratamento 2 (T2) - tratamentos silviculturais físico e químico; tratamento 3 (T3) - tratamentos silviculturais físico e químico com proteção de mudas (garrafa pet) como barreira física contra a predação de roedores . Foi quantificado o número de plantas danificadas e predadas por roedores, e por outros fatores. Os resultados dos tratamentos foram comparados com base nos testes de normalidade e t de Student a 1%. Encontramos diferenças significativas entre os tratamentos. A mortalidade causada por roedores no Tratamento 1 foi de 27,5% e para outros fatores foi de 25,1%. Não encontramos predação por roedores no Tratamento 2 e 3, e a mortalidade causada por outros fatores foi de 4,2% e 14,1%, respectivamente. Constatamos que a alta taxa de predação no Tratamento 1 está diretamente associada ao crescimento de gramíneas forrageiras por falta de tratamento químico, que proporcionam um ambiente seguro para os roedores, oferecendo menor risco para que os roedores em relação aos seus predadores. A conclusão é que na restauração de áreas de pastagens abandonadas, o controle da forrageira pré-existente nos anos iniciais deve ser feito por capina química (herbicida), embora com custo mais elevado, para evitar o ataque de roedores, a competição das mudas com o capim e, principalmente, o custo final da restauração.

 

Palavras-chave: restauração produtiva, pastagem abandonada, herbicida, castanheira do brasil, predação por roedores, custo da restauração, Amazônia.

 


Keywords


restauração produtiva, pastagem abandonada, herbicida, castanheira do brasil, predação por roedores, custo da restauração, Amazônia.

References


Almeida, A.F. 1996. Interdependência das florestas plantadas com a fauna silvestre. Série Técnica IPEF 10: 36-44.

Almeida, E.; Sabogal, C.; Brienza Júnior, S. 2006. Recuperação de áreas alteradas na Amazônia Brasileira: Experiências locais, lições aprendidas e implicações para políticas públicas. Embrapa Amazônia Oriental, Belém, 206p.

Alvares, C.A.; Stape, J.L.; Sentelhas, P.C.; Gonçalves, J.L.M.; Sparovek, G. 2013. Köppen's climate classification map for Brazil. Meteorologische Zeitschrift 22: 711-728.

Andreiv, J. 2002. Danos causados por roedores em povoamentos de pinus e técnicas de redução de danos. 2002. 85 f. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, Paraná, 85p.

Andreiv, J.; Firkowski, C. 2006. Técnicas de redução de danos causados por roedores em povoamentos de pinus. Floresta 36: 305-310.

Arruda, G.O.S.F.; Fleig, F.D.; Casa, R.T. 2007.Tratamento de Sementes de Araucaria angustifolia (Bertol.) Kuntze com substâncias potencialmente repelentes à fauna consumidora. Ciência Florestal 17: 279-287.

Artaxo, P.; Dias, M.A.F.S.; Nagy, L.L.F.J.; Cunha, H.B.; Quesada, C.A.N.; Marengo, J.A.; Krusche, A. 2014. Perspectivas de pesquisas na relação entre clima e o funcionamento da floresta Amazônica. Ciência e. Cultura 66: 41-46.

Berenguer, E.; Ferreira, J.; Gardner, T.A.; Aragão, L.E.O.C.; Camargo, PB; Cerri, CE; Durigan, M.; et al. 2014 A large-scale field assessment of carbon stocks in human-modified tropical forests. Global Change Biology 20: 3713-3726.

Bonvicino, C.R.; Oliveira, J.A.; D’Andrea, P.S. 2008. Guia dos roedores do Brasil, com chaves para gêneros baseadas em caracteres externos. Centro Pan-americano de Febre Aftosa - OPAS/OMS, Rio de Janeiro, 120 p.

Brasil. Instituto Brasileiro de Geografia E Estatística - IBGE. 2018. Quantidade produzida e valor da produção na extração vegetal, por tipo de produto extrativo (https://sidra.ibge.gov.br/tabela/289#resultado). Accessed on 28/12/2018.

Brasil. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE. 2018. Produção da Extração Vegetal e da Silvicultura (https://sidra.ibge.gov.br/pesquisa/pevs/quadros/brasil/2017). Accessed on 28/12/2018.

Brasil. Ministério do Meio Ambiente. 2017. Planaveg: Plano nacional de recuperação da vegetação nativa. Ministério do Meio Ambiente, Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Ministério da Educação, Brasília, Distrito Federal, 73p.

Brasil. Ministério do Meio Ambiente. 2018 Instrução Normativa nº6, de 23 de setembro de 2008 (http://www.mma.gov.br/estruturas/179/_arquivos/179_05122008033615.pdf). Accessed on 28/12/2018.

Brienza Junior, S.; Pereira, J.F.; Yared, J.A.G.; Mourão Júnior, M.; Gonçalves, D.A.; Galeão, R.R. 2008. Recuperação de áreas degradadas com base em sistema de produção florestal energético-madeireiro: indicadores de custos, produtividade e renda. Amazônia: ciência e desenvolvimento 4: 197-219.

Chazdon, R. 2012. Regeneração de florestas tropicais. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi 7: 195-218.

Coelho, A.G.A.; Antunes, P.C.; Oliveira-Santos, L.G.R.; Tomás, W.M.; Bordignon, M.O. 2010. Comunidade de Pequenos Mamíferos de Paisagens Nativas e Pastagens Cultivadas no Pantanal da Nhecolândia. In: Anais do simpósio sobre recurso naturais e socioeconômicos do pantanal. v.5. SIMPAN, Corumbá, p.1-5.

Coghetto, F.; Rigo, F.; Hummel, R.B.; Toso, L.D.; Piazza, E.M.; Marinho, J.R. 2014. Distribuição espaço-temporal de roedores silvestres na floresta nacional de Passo Fundo/RS. Caderno de Pesquisa: série biologia 26: 6-15.

Condé, T.M.; Lima, M.L.M.; Lima Neto, E.M.; Tonini, H. 2013. Morfometria de quatro espécies florestais em sistemas agroflorestais no munícipio de Porto Velho, Rondônia. Revista Agro@mbiente On-line 7: 18-27.

Costa, J.R.; Wandelli, E.V.; Castro, A.B.C. 2009. Aspectos silviculturais da castanha-do-brasil (Bertholletia excelsa) em sistemas agroflorestais na Amazônia Central. Embrapa Amazônia Ocidental, Manaus, 21p.

Cruz, M.B.; Alves, P.L.C.A.; Karam, D.; Ferraudo, A.S. 2010. Capim-colonião e seus efeitos sobre o crescimento inicial de clones de Eucalyptus x urograndis. Ciência Florestal 20: 391-401.

Dinardo, W.; Toledo, R.E.B.; Alves, P.L.C.A.; Pitelli, R.A. 2003. Efeito da densidade de plantas de Panicum maximum Jacq. Sobre o crescimento inicial de Euclyptus grandis W.Hill ex Maiden. Scientia Forestalis 1: 59-68.

Espíndola, M.B.; Bechara, F.C.; Bazzo, M.S.; Reis, A. 2005. Recuperação ambiental e contaminação biológica: aspectos ecológicos e legais. Biotemas 18: 27-38.

Ferreira, M.J.; Gonçalves, J.F.C.; Ferraz, J.B.S.; Corrêa, V.M. 2015. Características nutricionais de plantas jovens de Bertholletia excelsa Bonpl. Sob tratamentos de fertilização em área degradada na Amazônia. Scientia Forestalis 43: 863-872.

Fragoso, R.O.; Carpanezzi, A.A.; Koehler, H.S.; Zuffellato-Ribas, K.C. 2017. Barreiras ao estabelecimento da regeneração natural em áreas de pastagens abandonadas. Ciência Florestal 27: 1451-1464.

Freitas, G.K.; Pivello, V.R. 2005. A ameaça das gramíneas exóticas a biodiversidade. In: Pivello, V.R.; Varanda, E.M. (Ed.). O cerrado Pé-de-Gigante: ecologia e conservação - Parque Estadual de Vassununga. SMA, São Paulo, p.233-348.

Gettinger, D.; Ardente, N.; Martins-Hatano, F. 2012. Pequenos mamíferos não-voadores (roedores e marsupiais). In: Martins, F.D. Castilho, A.; Campos, J.; Martins-Hatano, F.; Rolim, S.G. (Ed.). Fauna da Floresta Nacional de Carajás: estudos sobre vertebrados terrestres. Nitro Imagens, São Paulo, p.145-159.

Gotelli, N.J. 2007. Crescimento logístico de populações. In: Gotelli, N.J. (Ed.). Ecologia. Planta, Londrina, p.25-48.

Guerra, M.P.; Rocha, F.S.; Odari, R.O. 2015. Biodiversidade, Recursos genéticos vegetais e segurança alimentar em um cenário de ameaças e mudanças. In: Veiga, R.F.A.; Queiroz, M.A. (Ed.). Recursos fitogenéticos: a base da agricultura sustentável no Brasil. UFV, Viçosa, p.32-40.

IBGE-Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2017. Shapefile de mapas do Brasil. (http://portaldemapas.ibge.gov.br/). Accessed on 15/10/2017.

Jesus, E.N.; Ferreira, R.A.; Aragão, A.G.; Santos, T.I. S.; Rocha, S.L. 2015. Estrutura dos fragmentos florestais da bacia hidrográfica do rio Poxim-SE, como subsídio à restauração ecológica. Revista Árvore 39: 467-474.

Laurance, W.F.; Vasconcelos, H.L. 2009. Consequências ecológicas da fragmentação florestal na Amazônia. Oecologia Brasiliensis 13: 434-451.

Locatelli, M.; Marcante, P.H.; Martins, E.P.; Vieira, A.H.; Cipriani, H.N. 2016. Desenvolvimento silvicultural de castanheira-da-Amazônia (Bertholletia excelsa Bonpl.) em dois sistemas de cultivo, Machadinho d ́Oeste, Rondônia. In: Anais do Congresso Brasileiro de Sistemas Agroflorestais, v.10, Universidade Federal do Mato Grosso, Cuiabá.

Lucena, H.D.; Paraense, V.C.; Mancebo, C.H.A. 2016. Viabilidade econômica de um sistema agroflorestal com cacau e essências florestais de alto valor comercial em Altamira-PA. Revista de Administração e Negócios da Amazônia 8: 75-84.

Luiz Marcelo Brum. Souza, C.R.; Azevedo, C.P.; Lima, R.M.; Rossi, L.M.B. 2010. Comportamento de espécies florestais em plantios a pleno sol e em faixas de enriquecimento de capoeira na Amazônia. Acta Amazônica 40: 127-134.

Maran, J.C.; Rosot, M.A.D.; Radomski, M.I.; Kellermann, B. 2016. Análise de sobrevivência e germinação em plantios de Araucaria angustifolia derivado de mudas e sementes. Ciência Florestal 26: 1349-1360.

Mello, N.G.R.; Artaxo, P. 2017. Evolução do plano de ação para prevenção e controle do desmatamento na Amazônia legal. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros 66:108-129.

Mendes-Oliveira, A.C.; Santos, P.G.P.; Carvalho-Júnior, O.; Montag, L.F.A.; Lima, R.C.S.; Maria, S.L.S.; Rossi, R.V. 2012. Edge effects and the impact of wildfires on populations of small non-volant mammals in the forest-savanna transition zone in Southern Amazonia. Biota Neotropica 12: 57-63.

Müller, J.A.; Macedo, J.H.P. 1980. Notas preliminares sobre danos causados por animais silvestres em pinhões. Revista Floresta 1: 35-41.

Nogueira, W.L.P.; Ferreira, M.J.; Martins, N.O.A. 2015. Estabelecimento inicial de espécies florestais em plantio para a recuperação de área alterada no Amazonas. Revista de Ciências Agrarias - Amazon Journal Of Agricultural And Environmental Sciences 58: 365-371.

Oliveira, M.C.; Júnior, M.C.S.; Ribeiro, J.F. 2011. Perturbações e invasões biológicas: ameaças para a biodiversidade nativa?. CEPPG 1: 166-183.

Picinatto Filho, V. 2014. Avaliação de danos causados por roedores silvestres em Pinus taeda L. como subsídio ao manejo de pragas florestais, Santa Catarina/Brasil. Dissertação de Mestrado, Universidade do Estado de Santa Catarina, Lages. 75p.

Pires, A.S.; Fernandez, F.A.S.; Barros, C.S. 2006. Vivendo em um mundo em pedaços: Efeitos da fragmentação florestal sobre comunidades e populações de animais. In. Rocha, C.F.D.; Bergallo, H.G.; Van-Sluys, M.; Alves, M.A.S. (Ed.). Biologia da conservação: essências. Rima Editora, São Carlos, p.231-260.

Pivello, V.R.; Shida, C.N.; Meirelles, S.T. 1999. Alien grasses in Brazilian savanas: a threat to the biodiversity. Biodiversity and conservation 8: 1281-1294.

Rech, M.; Pacheco, S.M.; Sartori, V.C.; Schafer, A.E. 2009. Avaliação da ocorrência de pequenos mamíferos em diferentes sistemas de manejo agrícola no Rio Grande do Sul, Brasil. Revista Brasileira de Agroecologia 4: 1588-1591.

Rosas, G.K.C.; Drumond, P.M. 2009. Mamíferos Encontrados em dois castanhais localizados ao sudoeste do estado do Acre, Brasil. Embrapa Acre, Rio Branco, 23p.

Salomão, R.P. 1991. Estrutura e densidade de Bertholletia excelsa H. E B. (“castanheira”) nas regiões de Carajás e Marabá, Estado do Pará. Boletim do Museu Paraense Emilio Goeldi: Série Botânica 7.

Salomão, R.P.; Brienza Junior, S.; Rosa, N.A. 2014. Dinâmica de reflorestamento em áreas de restauração após mineração em unidade de conservação na Amazônia. Revista Árvore 38: 1-24.

Salomão, R.P.; Rosa, N.A.; Castilho, A.; Morais, K.A.C. 2006. Castanheira-do-brasil recuperando áreas degradadas e provendo alimento e renda para comunidades da Amazônia Setentrional. Boletim do Museu Paraense Emilio Goeldi: Ciências naturais 1: 65-78.

Salomão, R.P.; Santana, A.C.; Brienza Júnior, S. 2013. Seleção de espécies da floresta ombrófila densa e indicação da densidade de plantio na restauração florestal de áreas degradadas na Amazônia. Ciência Florestal 23: 139-151.

Salomão, R.P.; Santana, A.C.; Brienza Junior, S.; Rosa, N.A.; Precinoto, R.S. 2014. Crescimento de Bertholletia excelsa Bonpl. (castanheira) na Amazônia trinta anos após a mineração de bauxita. Boletim do Museu Paraense Emilio Goeldi: Ciências naturais 9: 307-320.

Santos, N.K.F,; Maneschy, R.Q. 2016. Avaliação de espécies madeireiras em sistemas agroflorestais familiares. Cadernos de Agroecologia 10.

Santos, S.C.; Venturin, N., Teixeira, G.C.; Carlos, L.; Macedo, R.L.G. 2013. Avaliação da qualidade de mudas de castanha do brasil submetidas à ausência de nutrientes. Enciclopédia Biosfera 9: 439-450.

Schaadt, S.S.; Vibrans, A.C. 2015. O uso da terra no entorno de fragmentos florestais influencia a sua composição e estrutura. Floresta e Ambiente 22: 437-445.

Scoles, R.; Canto, M.S.; Almeida, R.G.; Vieira, D.P. 2016. Sobrevivência e frutificação de Bertholletia excelsa Bonpl. em áreas desmatadas em Oriximiná, Pará. Floresta e Ambiente 23: 555-564.

Scoles, R.; Gribel, R.; Klein, G.N. 2011. Crescimento e sobrevivência de castanheira (Bertholletia excelsa Bonpl.) em diferentes condições ambientais na região do rio Trombetas, Oriximiná, Pará. Boletim do Museu Paraense Emilio Goeldi: Ciências naturais 6: 273-293.

SCOLES, R.; KLEIN, G.N.; GRIBEL, R. 2014. Crescimento e sobrevivência de castanheira (Bertholletia excelsa Bonpl.) plantada em diferentes condições de luminosidade após seis anos de plantio na região do rio Trombetas, Oriximiná, Pará. Boletim do Museu Paraense Emilio Goeldi: Ciências naturais 9: 321-336.

Silveira, E.R.; Melo, A.C.G.; Contiéri, W.A.; Durigan, G. 2013. Controle de gramíneas exóticas em plantio de restauração do Cerrado. In: DURIGAN, G.; RAMOS, V.S. (Ed.). Manejo adaptativo: primeiras experiências na restauração de ecossistemas. Páginas e Letras Editora e Gráfica, São Paulo, p. 5-8.

Souza, C.R.; Lima, R.M.; Azevedo, C.P.; Rossi, L.M.B. 2008. Desempenho de espécies florestais para uso múltiplo na Amazônia. Scientia Forestalis 36: 7-14.

Souza, L.S.; Velini, E.D.; Maiomoni-Rodella, R.C.S. 2003. Efeito alelopático de plantas daninhas e concentrações de capim-braquiária (Brachiaria decumbens) do desenvolvimento inicial de eucalipto (Eucalyptus grandis). Planta Daninha 21: 343-354.

Souza, L.S.; Velini, E.D.; Martins, D.; Rosolem, C.A. 2006. Efeito alelopático de capim-braquiária (Brachiaria decumbens) sobre o crescimento inicial de sete espécies de plantas cultivadas. Planta Daninha 24: 657-668.

TerraClass. 2014. Resultados do mapeamento do uso e cobertura da terra na Amazônia Legal. (http://www.inpe.br/cra/projetos_pesquisas/terraclass2014.php). Accessed on 10/11/2018.

Toledo, P.M.; Vieira, I.C.G.; Jardim, M.A.G.; Rocha, E.J.P.; Coelho, A.S. 2015. A Amazônia em tempo de transformações e desafios: uma visão a partir da Pós-Graduação em Ciências Ambientais. In: Vieira, I.C.G.; Jardim, M.A.G.; Rocha, E.J.P. (Ed.). Amazônia em tempo: estudos climáticos e socioambientais. Ufpa/ppgca, Belém, p.9-20.

Torezan, J.M.D.; Mantoani, M.C. Controle de gramíneas no subosque de florestas em restauração. In: Durigan, G.; Ramos, V.S. (Ed.). Manejo adaptativo: primeiras experiências na restauração de ecossistemas. Páginas e Letras Editora e Gráfica, São Paulo, p.1-4.

Vale, I.; Costa, L.G.S.; Miranda, I.S. 2014. Espécies indicadas para a recomposição da floresta ciliar da sub-bacia do rio Peixe-Boi, Pará. Ciência Florestal 24: 573-582.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n4-298

Refbacks

  • There are currently no refbacks.