Reabilitação auditiva de pessoas com surdez: por uma política pública que supere a patologia pela cultura / Auditory rehabilitation of people with deafness: for a public policy that overcomes pathology by culture

Andréa Adriana da Silva, Nadja Maria Vieira

Abstract


As pessoas com surdez sempre sofreram preconceitos e foram, historicamente, estigmatizadas e consideradas de menor valor humano e social. A falta da linguagem oral tornavam essas pessoas inferiores e sem identidade. Entende-se como surdo uma pessoa que, por ter perda auditiva, compreende e interage com o mundo por meio de experiências visuais, manifestando sua cultura por meio da língua de sinais. Todavia, as pessoas com surdez ainda fazem parte de grupos minoritários, onde são consideradas sem aptidões e, por vezes, relacionadas à alguma doença mental, o que corrobora à sua discriminação e impede suas relações e atuação social. Há, então, uma discussão política, no que tange à participação e a forma como a sociedade lida com esta população. Segundo a OMS aproximadamente 360 milhões de pessoas no mundo têm alguma perda auditiva. No Brasil, em 2004, o Ministério da Saúde instituiu a Política de Atenção à Saúde Auditiva - PNASA com atenção multi e interdisciplinar. Nessa perspectiva, o presente trabalho tem por objetivo discutir de forma crítica e atualizada, sobre as características atribuídas às pessoas com surdez no âmbito das políticas públicas para a reabilitação auditiva. A discussão que desenvolvemos aqui foi apoiada na perspectiva de desenvolvimento humano defendida por Vigotski (1896–1934). A metodologia foi um relato de experiência. Nas nossas considerações finais destacamos que há muita carência de conceitos e metodologias nas práticas realizadas por equipes multidisciplinares no serviço de reabilitação auditiva, com vistas à humanização e reconhecimento destas pessoas como produtoras e difusoras de outra cultura.


Keywords


Reabilitação auditiva. Políticas públicas. Cultura da pessoa com surdez.

References


ARAÚJO, E. S.; & NEVES, S. F. P. Classificação internacional de funcionalidade, incapacidade e saúde E-SUS e tabwin: as experiências de Barueri e Santo André, São Paulo. Revista baiana de saúde pública, V.39 n.2, 2015.

BIGOGNO, Paula. Cultura, comunidade e identidade surda: O que querem os surdos? Minas Gerais. UFJF. 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria nº 2. 073, de 28 de setembro de 2004. Institui a Política nacional de Atenção à Saúde Auditiva.

Disponível em:

. Acesso em: 14 de jul. 2019.

BRASIL. Portal Brasil assuntos Saúde. In: Governo do Brasil. SUS fornece reabilitação para pessoas com deficiência auditiva. Brasília, 2015. Disponível em:< http://www.brasil.gov.br/editoria/saude/2015/11/sus-fornece-reabilitacao-para-pessoas- com-deficiencia-auditiva> Acesso em: 28 de Mai de 2019.

BRASIL. Portal Ministério da Saúde. In Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Programa de cuidados a pessoa com deficiência. 2017. Brasília. Disponível em:< http://portalms.saude.gov.br/saude-para-voce/saude-da-pessoa-com- deficiencia/acoes-e-programas/rede-de-cuidados-a-pessoa-com-deficiencia> Acesso em:11 jul. 2019.

BRASIL. Portal Ministério da Saúde. In Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Projeto terapêutico singular. Brasília, 2015 (pp. 31-37). Disponível em:

. Acesso em: 29 a.bril 2019.

FRIAS, A. A. S. Inclusão social dos deficientes auditivos: fundamentos jurídicos e aspectos sociais acerca da acessibilidade dos surdos. (2015) Dissertação. Faculdade do Norte Novo de Apucarana – FACNOPAR. Faculdade de Direito, Paraná, 2015. Disponível em : http://www.facnopar.com.br/conteudo-arquivos/arquivo-2017-06-14- 14974689257975.pdf> Acesso em 28 de Maio 2019.

GOFFMAN, E. Estigmas: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. 4ed. Rio de Janeiro: ZTC, 2008.

HONORA, Márcia. Inclusão educacional de alunos com surdez: concepção e alfabetização. São Paulo: Cortez, 2014.

JORNAL DA USP. Atualidades. Quase 30 milhões de brasileiros sofrem de surdez. Disponível em:. Acesso em: 27maio 2019.

KAPITANIUK, R. B. S. Cognição, cultura e funções sígnicas: uma análise da mediação semiótica no desenvolvimento histórico, social e linguístico do sujeito surdo. Ciências & Cognição. Florianópolis, Vol. 16, n.2, 2011. pp. 050-064. Disponível em:.

KENDRICK, D. Um olhar Vygotskiano sobre a surdez. Rev. Web Artigos. (online) vol. 1, 2010. Disponível em: < https://www.webartigos.com/artigos/um-olhar-vygotskiano- sobre-a-surdez/52466>. Acesso em 16 de Jun. 2019.

LA TAILLE, Y.; OLIVEIRA, M.; DANTAS, H. Piaget, Vygotsky, Wallon: Teoria Psicogênica em discussão. São Paulo: Summus. 1992.

MÜLLER, Ana Cláudia. Narrativas surdas: entre representações e traduções. Dissertação de Mestrado. PUC- Rio de Janeiro, 2002.

PORTAL t5. BRASIL. Política. Cerca de 14% da população possui perda auditiva. 2018. Disponível em:. Acesso em: 04 de jul. 2019.

SANTANA, A. P.; BERGAMO, A. cultura e identidade surdas: encruzilhada de lutas sociais e teóricas. Rev. Educação e Sociedade, Campinas, vol. 26, n. 91, p. 565-582, maio/ago. 2005. Disponível em: http://www.cedes.unicamp.br. Acesso em: 28 de jul. de 2019.

SASSAKI, R. K. Terminologia sobre deficiência na era da inclusão. In: Mídia e deficiência, Brasília: Agência de Notícias dos Direitos da Infância e Fundação Banco do Brasil, 203, p. 160-165.

SILVA, F. U. O olhar do outro sobre a diferença surda: representações sobre os surdos e a surdez. Cinted Ed. Realize. Campina Grande, 2016. Disponível em:< https://editorarealize.com.br/revistas/cintedi/trabalhos/TRABALHO_EV060_MD1_SA 7_ID3995_23102016212439.pdf> Acesso em: 22 Maio. 2019.

SCARANELLO, CA. Reabilitação auditiva pós-implante coclear. Rev. Medicina.

Ribeirão Preto, Vol.38 n. 3. pp. 273-278, 2015.

STROBEL, K. L. Surdos: Vestígios Culturais não Registrados na História. Florianópolis, 2008. Tese de Doutorado em Educação – UFSC - Universidade Federal de Santa Catarina.

TORRES, D. R. Considerações sobre a comunidade surda: aprendendo a despertar. Conteúdo Jurídico, Brasília -DF: out.2018. Disponível em:https://conteudojuridico.com.br/consulta/Artigos/52352/consideracoes-sobre-a- comunidade-surda-aprendendo-a-despertar. Acesso em: 27 ago. 2019.

VYGOTSKY, L. S. Pensamento e Linguagem. Porto Alegre: Artes Médicas, 1988.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n4-294

Refbacks

  • There are currently no refbacks.