Prevalência de hipersensibilidade alimentar e/ou ambiental e de sinais e sintomas de disbiose intestinal em estudantes de nutrição de um centro universitário no nordeste Brasileiro / Prevalence of food and/or environmental hypersensitivity and signs and symptoms of intestinal dysbiosis in nutrition students from a university center in the Brazilian Northeast

Milena da Paz Silva, Roxanne Ataide Santana, Vanessa Maria dos Santos, Maria Carla Melo Damasceno, Déborah Victória Gomes Nascimento, Bruna Evellin Nogueira Silva, Luciana Gonçalves de Orange, Maria Izabel Siqueira de Andrade, Cybelle Rolim de Lima

Abstract


Introdução: a microbiota intestinal é caraterizada pela variedade de microrganismos que tem origem no nascimento e desempenha importantes funções na manutenção do estado nutricional. Quando há um maior número de microrganismos patógenos na microbiota intestinal, leva ao surgimento de sinais e sintomas característicos do quadro clínico de disbiose, além de possível desenvolvimento de hipersensibilidades. O estudo tem como objetivo avaliar a prevalência de hipersensibilidade alimentar e/ou ambiental e de sinais e sintomas de disbiose intestinal em estudantes de Nutrição de um centro universitário no interior de Pernambuco.Métodos: estudo transversal com abordagem quantitativa aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa do Centro de Ciências da Saúde da Universidade Federal de Pernambuco - CAEE nº: 86166218.3.0000.5208. Foram coletadas informações demográficas estilo de vida, dados referentes a hipersensibilidade alimentar e/ou ambiental, aos sinais e sintomas de disbiose e consistência das fezes. As análises foram conduzidas no SPSS versão 13.0 adotando o valor de p <0,05 na verificação de significância estatística.Resultados: Foi registrada uma maior frequência do sexo feminino (82,3%), apresentando 1,8 vezes mais chances de apresentar hipersensibilidades. Os estudantes que faziam uso de algum medicamento de forma contínua exibiram 1,5 vezes mais chances de apresentarem algum tipo de hipersensibilidade. Analisando a seção sobre o trato digestivo foi verificado que 10,4% dos estudantes apresentaram pontuação igual ou maior a 10 pontos, indicando hipersensibilidade alimentar e/ou ambiental. Os que apresentaram consistência de fezes inadequadas apresentaram pontuação 5 vezes mais alta na seção sobre o trato digestivo.Conclusões: a elevada prevalência de hipersensibilidade alimentar/ambiental na população em estudo, parece contribuir para uma forte presença dos sinais e sintomas característicos de disbiose, presentes no intestino e demais áreas do corpo.

 

 


Keywords


Alergia Alimentar; Microbiota Intestinal; Sintomas Gastrointestinais.

References


ALMEIDA, L. B. et al. Disbiose intestinal. Rev. Brasileira de Nutrição Clínica, Minas Gerais. p. 58-65, 2009.

ALVES, H. J.; BOOG, M. C. F. Comportamento alimentar em moradia estudantil: um espaço para promoção da saúde. Saúde Pública, v. 41, n. 2, p. 197-204, 2007.

ARAÚJO, Helba Idalino. A disbiose e seu impacto nos tratamentos estéticos associados a modulação probiótica – Gordura corporal: Estudo de caso comparativo. 2016. 97 f. TCC (Graduação) – Curso de Nutrição. Faculdade Católica Salesiana do Espírito Santo, 2016. Disponível em: . Acesso em: 10 nov. 2018.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ALERGIA E EMUNOPATOLOGIA. Consenso Brasileiro sobre Alergia Alimentar: 2017. Rev. bras. Alerg. imunopatol. – Vol. 31, N° 2, 2008.

BARBOSA, F. H. F. et al. Microbiota Indígena do trato gastrointestinal. Rev. de Biologia e Ciência da Terra, Paraíba, v. 10. n. 12010. p. 78-93, 1° semestre. 2010. Disponível em: . Acesso em: 10 nov. 2018.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos. Formulário terapêutico nacional 2010: Rename 2010/Ministério da Saúde, Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos. – 2. ed. – Brasília: Ministério da Saúde, 2010.

BUSATO, M. A. et al. Ambiente e alimentação saudável: Percepções e práticas de estudantes universitários. Rev. Semina: Ciências Biológicas e da saúde, Londrina. v.36. n. 2. p. 75-84, jul./dez. 2015.

FAGUNDES, Gabriela Elibio. Prevalência de sinais e sintomas de disbiose intestinal em estudantes do curso de nutrição da Universidade do extremo Sul Catarinense. 2010. 42 f. TCC (Graduação) - Curso de Nutrição, Universidade do Extremo Sul Catarinense, Criciúma, 2010.

FIATES, G. M. R.; SALLES, R. Q. Fatores de risco para o desenvolvimento de distúrbios alimentares: Um estudo em universitárias. Rev. de Nutrição, Campinas, v. 14. p. 3-6, 2001. Disponível em: . acesso em: 12 nov. 2018.

GALDINO, J. L. et al. Questionário de rastreamento metabólico voltado a disbiose intestinal em profissionais de enfermagem. Rev. Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento, São Paulo, v.10. n.57. p.177-122, maio/jun. 2016. Disponível em: . Acesso em 10 nov. 2018.

LEITE, L. GULLÓN, B.; KÜCKELHAUS, S. Papel da microbiota na manutenção da fisiologia gastrointestinal: uma revisão da literatura. Boletim Informativo Geum, v.5, n.2, p.54-61, 2014.

LOPES, C. L. R.; SANTOS, G. M.; COELHO,F. O. A. M. A prevalência de sinais e sintomas de disbiose intestinal em pacientes de uma clínica em Teresina. C&D-Revista Eletrônica da FAINOR, Vitória da Conquista, v.10, n.3, p.280 -292, set./de 2017.

MARTINEZ, A. P.; AZEVEDO, G. R. Tradução, adaptação cultural validação da Bristol Stool Form Scale para a população brasileira. Rev. Latino-am. Enfermagem, Sorocaba, p.1-7, mai./jun. 2012.

MORAES, A. C. F. et al. Microbiota intestinal e risco cardiometabólico: Mecanismos e modulação dietética. Arq Bras Endocrinol Metab, São Paulo. 24 jan. 2014. Disponível em: . Acesso em: 10 nov. 2018.

SILVA, N.C.; MARSI, T. C. O. Papel da alimentação na modulação da microbiota intestinal. In: Educação e Ciência para a Cidadania Global, 2016, Paraíba. XX Encontro Latino Americano de Iniciação Científica, XVI Encontro Latino Americano de Pós-Graduação, VI Encontro de Iniciação à Docência. Paraíba: Universidade Vale do Paraíba, 2016.

SILVESTRE, Carina Maria Rôlo Ferreira. O diálogo entre o cérebro e o intestino – Qual o papel dos probióticos. 2015. 53 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Medicina, Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, Lisboa, 2015.

TORTORA, Gerard J. Microbiologia [recurso eletrônico] / Gerard J. Tortora, Berdell R. Funke, Christine L. Case ; tradução: Danielle Soares de Oliveira Daian, Luis Fernando Marques Dorvillé ; revisão técnica: Flávio Guimarães da Fonseca, Ana Paula Guedes Frazzon, Jeverson Frazzon. – 12. ed. – Porto Alegre : Artmed, 2017.

VIEIRA, V. C. R. et al. Perfil socioeconômico, nutricional e de saúde de adolescentes recém-ingressos em uma universidade pública brasileira. Rev. Nutr., Campinas, v. 15. n. 3. p. 273-282, set/dez. 2002.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n4-286

Refbacks

  • There are currently no refbacks.