Aceitação de diferentes tipos de massas de pizzas / Acceptance of different types of pizza pasta

Antônio Nelson Ramos, Letícia Vieira Castejon, Deborah Santesso Bonnas, Sidney Fernandes Bandeira

Abstract


O Brasil possui um dos maiores mercados de pizzas do mundo e a aceitação deste produto fez surgir um grande número de pizzarias que acirrou a competição entre os empreendimentos. Assim, o presente trabalho teve por objetivo identificar o tipo de massa que mais agradasse sensorialmente o paladar do consumidor, oferecendo para avaliação quatro opções de massas assadas produzidas com diferentes farinhas de trigo, massa com trigo tipo 1 (A), massa com 50% de semolina e 50% de farinha de trigo tipo 1 (B), farinha com 75% de semolina e 25% de farinha de trigo tipo 1 (C) e uma massa com pré-mix próprio para pizzas, 100% (D). A elaboração das massas foi por fermentação lenta, de 24 horas sob refrigeração, abertas em máquina e assadas em forno túnel tipo esteira a gás. Avaliaram as massas 45 provadores não treinados e frequentadores da pizzaria do estudo localizada na cidade de Uberlândia/MG. Avaliaram-se os atributos de aparência, crocância, textura oral, sabor e aceitação global, além da intenção de consumo. Realizou-se a análise estatística e verificou-se que não houve diferença significativa no produto ao utilizar-se diferentes tipos de farinhas, ou seja, não houve preferência entre as massas e a intenção de consumo foi alta, atribuindo-se que comeriam sempre.

 


Keywords


farinha de trigo tipo 1; semolina; pré-mix de pizzas.

References


Anjos, G. C. S. C. dos, ANDRADE, A. A. C., ANDRADE, A. I. S. de, PIRES, L. M., PEREIRA, K. N. PINHEIRO, T. G. R. (2011). O perfil do consumidor de pizza na cidade de Juazeiro-BA. In.: Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação XVIII Prêmio Expocom 2011 – Exposição da Pesquisa Experimental em Comunicação. 12 p.

Coppola, S.; Pepe, O.; Maureiello, G. (1998). Effect of leaving microflora on pizza dough properties. Journal of Applied Microbiology, v.85, p. 891 – 897.

Dossiê Farinha Mirella: Pizza. Disponível em: http//http://insumos.com.br/pizzas_e_massas/materias/300.pdf. Acesso em: abril, 2020.

Dutcosky, S. D. Análise sensorial de alimentos. Curitiba: Champagnat, 2013. 531p.

Em cinco anos, número de pizzarias cresce 44,5% em Curitiba (2018). ABRASEL – Associação Brasileira de Bares e Resteurantes. Disponível em: http:// https://abrasel.com.br/noticias/noticias/em-cinco-anos-numero-de-pizzarias-cresce-44-5-em-curitiba/. Acesso em: abril, 2020.

Larsen, D. M.; Seter, C. S.; Faubion, J. M. (1993). Effects of flour tupe and dough ratardation time on the sensory characteristics of pizza crust. Cereal Chemistry, St. Luis, v. 70, n. 6, p. 647-650.

Pinho, B. H. S.; Machado, M. I. F.; Furlong, E. B. (2001). Propriedades físico-químicas de massas de pizza semiprontas e sua relação com o desenvolvimento de bolores e leveduras. Revista Instituto Adolfo Lutz, São Paulo, v. 60, n.1, p. 35-41.

Wang, S. H.; Oliveira, M. F.; Costa, P. S.; Ascheri, J. L. R.; Rosa, A. G. (2005). Farinhas de trigo e soja pré-cozidas por extrusão para massas de pizza. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v. 40, n. 4, p. 389-395.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n4-274

Refbacks

  • There are currently no refbacks.