Análise espacial dos fatores condicionantes à transmissão da esquistossomíase mansônica (2016-2017) em Ilhéus, Bahia, Brasil / Spatial analysis of factors conditioning the transmission of schistosomiasis mansoni (2016-2017) in Ilhéus, Bahia, Brazil

Raquel Moraes Ramos Silva, Júllyan Mendes Silva da Silva, Lucas Vieira Póvoas, Luiz Vieira Póvoas, Marcelo Fernandes da Silva

Abstract


A esquistossomíase mansônica é uma doença parasitária causada pelo trematódeo Schistosoma mansoni, e está geralmente associada à vulnerabilidade social e condições precárias de infraestrutura sanitária. Embora não haja notificações recentes nos bancos de dados oficiais, alguns estudos apontam a ocorrência de novos casos em localidades com antecedentes na região Sul da Bahia. Este estudo de campo descritivo e quantitativo propôs analisar os fatores condicionantes envolvidos na transmissão da esquistossomíase no distrito de Vila Juerana, Ilhéus, Sul da Bahia, Brasil, e projetar seus cenários por meio da análise espacial. O inquérito parasitológico consistiu na investigação coproscópica, mediante consentimento/assentimento, coleta de três amostras fecais, analisadas pelos métodos de sedimentação espontânea e Kato-Katz, e resposta ao formulário socioepidemiológico e sociossanitários. Os dados obtidos foram analisados pelo teste do qui-quadrado (χ2) e odds ratio. A pesquisa ambiental baseou-se na coleta de caramujos hospedeiros intermediários, e georreferenciamento da área estudada para confecção de mapas de calor. Participaram do estudo n= 86 voluntários residente em 26 domicílios na área de estudo. Destes foram coletadas um total de n=201 amostras fecais e identificados n=5 casos de infecção por Schistosoma mansoni (F = 5,8%). Os principais fatores condicionantes identificados aos casos identificados foram o tempo de moradia na área de estudo (acima de três anos RR:15,5, IC 90%), o lazer em rio (RR:4,55, IC 90%) e o consumo de pescados locais (RR:3,0, IC 90%). Através do uso de ferramentas de geoprocessamento foi possível confirmar o efeito cumulativo de pelo menos cinco dos oito fatores associados a transmissão da esquistossomíase, em quatro dos cinco casos diagnosticados no presente estudo.


Keywords


Análise Espacial, Esquistossomíase mansônica. Geoprocessamento, Schistosoma mansoni.

References


BAHIA. Secretaria de Saúde. Superintendência de Vigilância em Saúde. Diretoria de Vigilância Epidemiológica. Situação Epidemiológica da Esquistossomose – Bahia, 2016, n. 2, dez. 2016. Disponível em: < http://www.saude.ba.gov.br/suvisa/sites/default/files/2%C2%BA%20Boletim_ epidemiologico%20esquistossomose%5b1%5d.pdf> Acesso em: out. 2017.

BAHIA. Secretaria de Saúde. Superintendência de Vigilância em Saúde. Diretoria de Vigilância Epidemiológica. Boletim Epidemiológico da Esquistossomose – Bahia, 2019, n. 1, jun. 2019. Disponível em: < http://www.saude.ba.gov.br/wp-content/uploads/2017/11/2019-Boletim-Epidemiol%C3%B3gico-de-Esquistossomose-n.-01.pdf> Acesso em: jan. 2020.

BARBOSA, V. S.; LOYO, R. M.; GUIMARÃES, R. J. P. S.; BARBOSA, C. S. The Geographic Information System applied to study schistosomiasis in Pernambuco. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 51, n. 107. 2017a.

BARBOSA, C. S.; GOMES, E. C. S.; MARCELINO, J. M. R.; CAVALCANTE, K. R. L. J.; NASCIMENTO, W. R. C. Quality control of the slides by Kato-Katz method for the parasitological diagnosis of schistosomiasis infection by Schistosoma mansoni. Jornal Brasileiro de Patologia e Medicina Laboratorial, v. 53, n. 2, p. 110-114, abr. 2017b.

BARRETO, M. S.; GOMES, E. C. S.; BARBOSA, C. S. Turismo de risco em áreas vulneráveis para a transmissão da esquistossomose mansônica no Brasil. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 32, n. 3, mar. 2016.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Vigilância da Esquistossomose mansoni: diretrizes técnicas. 4ª ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2014.

BRASIL. Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim Epidemiológico: Situação epidemiológica e estratégias de prevenção, controle e eliminação das

doenças tropicais negligenciadas no Brasil, 1995 a 2016, v. 49, n. 49, nov. 2018. Disponível em: < https://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2018/novembro/19/ 2018-032.pdf> Acesso em: jan. 2020.

CARNEIRO N. F. F.; CALDEIRA, A. P.; KATZ, N.; OLIVEIRA, A. A.; SIQUEIRA, L. M. V.; OLIVEIRA, E.; SILVEIRA, M. F.; ENK, M. J.; COELHO, P. M. Z. Transmission control of schistosomiasis mansoni in a low endemicity area through a single intervention with rigorous prospection of infected cases treated with praziquantel: evaluation after 7 years of intervention. Revista do Instituto de Medicina Tropical de São Paulo, v. 61, n. 64. 2019.

DUTRA, D. A. Geografia da Saúde no Brasil: arcabouço teórico-epistemológicos, temáticas e desafios. 2011. 191 f. Tese (Doutorado em Geografia). Programa de Pós-Graduação em Geografia, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2011.

FARIA, C. P.; ZANINI, G. M.; DIAS, G. S.; SILVA, S.; FREITAS, M. B.; ALMENDRA, R.; SANTANA, P.; SOUSA, M. C. Geospatial distribution of intestinal parasitic infections in Rio de Janeiro (Brazil) and its association with social determinants. Public Library of Science Neglected Tropical Diseases, v. 11, n. 3, mar. 2017.

GUNDACKER, N. D.; ROLFE, R. J.; RODRIGUEZ, J. M. Infections associated with adventure travel: A systematic review. Travel Medicine and Infectious Diseases, v. 16, p. 3-10, mar./apr. 2017.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo 2010. Disponível em: < https://censo2010.ibge.gov.br/> Acesso em: outubro de 2016.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Malha de setores censitários. Disponível em: . Acesso em: outubro de 2016.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Sinopse por setores. Disponível em: . Acesso em: outubro de 2016.

LEITE, M. G. P.; PIMENTA, E. C.; FUJACO M. A. G.; ESKINAZI-SANT’ANNA, E. M. Irrigation canals in Melo creek basin (Rio Espera and Capela Nova municipalities, Minas Gerais, Brazil): habitats to Biomphalaria (Gastropoda: Planorbidae) and potential spread of schistosomiasis. Brazilian Journal of Biology, v. 76, n. 3, pp. 638-644. 2016.

MARIANO, M. L. M.; MARIANO, A. P. M.; SILVA, M. M. Manual de Parasitologia Humana. 2ª ed. Ilhéus: Editus, 2007. 110 p.

MELO, A. G. S.; IRMÃO, J. J. M.; JERALDO, V. L. S.; MELO, C. M. Esquistossomose mansônica em famílias de trabalhadores da pesca de área endêmica de Alagoas. Escola Anna Nery, v. 23, n. 1. 2019.

NASCIMENTO, G. L.; PEGADO, H. M.; DOMINGUES, A. L. C.; XIMENES, R. A. A.; ITRIA, A.; CRUZ, L. N.; OLIVEIRA, M. R. F. The cost of a disease targeted for elimination in Brazil: the case of schistosomiasis mansoni. Memórias do Instituto Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, v. 114: e180347. 2019.

ROLLEMBERG, C. V.; SILVA, M. M.; ROLLEMBERG, K. C.; AMORIM, F. R.; LESSA, N. M.; SANTOS, M. D.; SOUZA, A. M.; MELO, E. V.; ALMEIDA, R. P.; SILVA, Â. M.; WERNECK, G. L.; SANTOS, M. A.; ALMEIDA, J. A.; JESUS, A. R. Predicting frequency distribution and influence of sociodemographic and behavioral risk factors of Schistosoma mansoni infection and analysis of co-infection with intestinal parasites. Geospatial Health, v. 10, n. 1, p. 13-19, may. 2015.

SANTOS, A. D.; SANTOS, M. B.; SANTOS, P. G. R.; BARRETO, A. S.; ARAÚJO, K. C. G. M. Análise espacial e características Epidemiológicas dos casos de Esquistossomose mansônica no município de Simão Dias, Nordeste do Brasil. Revista de Patologia Tropical, v.45, n. 1, p. 99-114, jan.-mar. 2016.

SPEICH, B.; CROLL, D.; FURST, T.; UTZINGER, J.; KEISER, J. Effect of sanitation and water treatment on intestinal protozoa infection: a systematic review and meta-analysis. Lancet Infectious Diseases, v. 16, n. 1, p. 87-99, jan. 2016.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE (OMS). Primeiro relatório da OMS sobre doenças tropicias: trabalhando para superar o impacto global de doenças tropicais negligenciadas. Genebra: Organização Mundial de Saúde. 2010.

ZANARDI, V. S.; BARBOSA, L. M.; SIMÕES, F. M.; THIENGO, S. C.; BLANTON, R. E.; RIBEIRO, G. Prevalence of Infection of Biomphalaria glabrata by Schistosoma mansoni and the risk of urban Schistosomiasis mansoni in Salvador, Bahia, Brazil. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v. 52. 2019.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n4-240

Refbacks

  • There are currently no refbacks.