O comércio de camarões secos em Salvador/BA: Descrições entre o informal e o formal / The dry shrimp trade in Salvador/BA: Descriptions between informal and formal

Manuela Alves da Cunha, Tatiane Queiroz Silva, José Edimário Oliveira Maia Filho, Ryzia de Cassia Vieira Cardoso

Abstract


O camarão seco é ingrediente de diversas preparações da culinária baiana, tendo ampla comercialização, tanto pelo setor informal quanto pelo formal. Assim, este trabalho objetivou descrever o comércio de camarões secos em Salvador/BA, considerando a diversidade da oferta, o conhecimento dos vendedores quanto à origem, a utilização de corantes, os métodos de conservação e os contrastes existentes entre o comércio informal e formal. Conduziu-se o estudo em dois grandes centros de venda: a Feira de São Joaquim (informal) e Mercado do Rio Vermelho (formal), por meio de observação e de entrevistas com os comerciantes. Quanto aos camarões, observou-se variedades de cores, tamanhos, partes comercializadas e preços. Nos pontos de venda, verificou-se a presença de insetos, animais e lixo, bem como práticas inadequadas de manipulação. Os comerciantes relataram que os camarões poderiam ser oriundos de água doce ou de água salgada; criados em cativeiros ou ao natural; e procediam principalmente em Maragogi/AL, Valença/BA e do Ceará. Segundo os comerciantes, a anilina e o urucum poderiam ser usados como corantes. Apenas um entrevistado soube discorrer sobre o método de conservação. Concluiu-se que à exceção dos preços mais elevados, o panorama encontrado no comércio formal não divergiu muito daquele verificado no comércio informal.


Keywords


pescado salgado; qualidade de alimentos; setor informal de alimentos; comércio formal.

References


Almeida, R. B., Diniz, W. J. S., Andrade, L. P., Diniz, W. P. S., Leal, J. B. G., & Brandespim, D. F. (2011). Condições higiênico-sanitárias da comercialização de carnes em feiras livres de Paranatama, PE. Braz. J. Food and Nutrition, 22(4), 585-592.

Assumpção, W., Stettiner, C. F., Santos, R., Roque Filho, M. P., Moia, R. P., & Marcellos, L. N. (2014). Estratégias do comércio popular de feiras livres e mercados municipais como benchmark para o varejo supermercadista. Revista Eletrônica da Faculdade de Ciências Exatas e da Terra - Produção/construção e tecnologia, 3 (5), 98-109.

Brasil, Conselho Nacional da Saúde/Ministério da Saúde. (1988). Apresenta as normas para o uso de aditivos intencionais em alimentos (Resolução n.º 04, de 24 de novembro de 1988). Disponível em: . Acesso em: 5 de março de 2018.

Brasil, Ministério da Saúde. (2010). Manual Integrado de Vigilância, Prevenção e Controle de Doenças Transmitidas por Alimentos. Distrito Federal: Editora do Ministério da Saúde, 2010.

Campos, K. C., & Campos, R. T. (2006). Alternativa econômica para o novo rural do nordeste brasileiro: o cultivo do camarão Litopenaeus vannamei em água doce. Revista GEPEC, 10 (2), 40-53.

Cerqueira, B. N. (2013). Qualidade sanitária do camarão salgado e seco comercializado no Mercado Municipal de Cruz das Almas, BA (Monografia apresentada ao Curso de Bacharelado em Biologia). Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, Cruz das Almas.

Cleps, G. D. G. (2009). Comércio Informal e a Produção do Espaço Urbano em Uberlândia (MG). Sociedade & Natureza, 21 (3), 327-339.

Evangelista-Barreto, N. S., Silva, R. A. R., Cerqueira, B. N., Farias, A. P. F., Bernardes, F. S., & Silva, I. P. (2016). Qualidade microbiológica e físico-química do camarão salgado, seco e defumado comercializado em Cruz das Almas, Recôncavo da Bahia. Acta of Fisheries and Aquatic Resources, 4 (2), 1-7.

Lourenço, L. F. H., Fernandes, G. M. L., & Cintra, I. H. A. (2001). Características físicas, químicas e microbiológicas da pescada-branca Plagioscion squamosissimus (Heckel) salgada e seca em secador solar. Boletim Técnico Científico CEPNOR/IBAMA, 1 (1), 135-144.

Martine, G. T. (2007). Baianas do Acarajé: A uniformização do típico em uma tradição culinária afro-brasileira (Tese de Doutorado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social). Universidade de Brasília, Brasília.

Martins, M. S. (2014). Uso de Corantes Artificiais em Alimentos: Legislação Brasileira. Disponível em: . Acesso em: 23 de fevereiro de 2018.

Mercado do Rio Vermelho. (2018). Sobre o Mercado. Disponível em: . Acesso em: 08 de abril de 2018.

Pamplona, J. B. (2013). Mercado de trabalho, informalidade e comércio ambulante em São Paulo. R. Bras. Est. Pop., 30 (1), 225-249.

Radel, G. (2012). A Cozinha Africana da Bahia. (2. ed.) Salvador: Queen Books Dist. de Livros.

Santana, S. T. A. M. (2007). Culinária Sul-Baiana: Mulher e Diversidade Cultural. Revista Urutágua – revista acadêmica multidisciplinar, 13 (1). Disponível em: . Acesso em: 15 de março de 2018.

Setor de Produtos e Serviços de Interesse à Saúde/Subcoordenação de Vigilância Sanitária - Speis/Visa. (2013). Apresenta as normas para o armazenamento, o fracionamento, exposição e distribuição dos produtos alimentícios no comércio varejista e atacadista de Salvador (Nota Técnica nº 01 de 11 de dezembro de 2013). Disponível em: . Acesso em: 05 de março de 2018.

Tabela Brasileira de Composição De Alimentos – TACO. (2011). (4. ed.). Campinas: NEPA-UNICAMP.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n4-228

Refbacks

  • There are currently no refbacks.