Um estudo de caso sobre estresse em residentes de cirurgia vascular periférica em um hospital de ensino / A case study on stress in residents of peripheral vascular surgery in a teaching hospital

Alexandre Rodrigues Inácio de Azevedo, Michelle de Souza Rocha, Adriana Maria Lamego Rezende, Jéferson Valente Vieira, Renato Cruz de Sousa, Ana Luisa Carneiro Pereira Gonçalves

Abstract


O estresse ocupacional é uma das grandes preocupações no ambiente laboral, pois pode causar danos na saúde e no desenvolvimento profissional. Esta pesquisa pode ser caracterizada como um estudo de caso, descritivo-exploratório de natureza qualitativa, com o objetivo de avaliar, analisar e descrever a percepção de estresse ocupacional em residentes de cirurgia vascular periférica em um hospital de ensino, através de questionário semiestruturado e entrevistas. O questionário foi dividido em duas partes, a primeira sobre dados sociodemográficos e a segunda com perguntas abertas, baseadas na Escala de Estresse de Paschoal e Tamayo. A população foi composta por 12 residentes, mas apenas 6 retornaram com os questionários. Quanto ao sexo, 50% são do sexo masculino e 50% feminino. Todos trabalham em mais de um hospital/clínica e todos possuem outra residência. Os resultados evidenciam que todos os respondentes se sentem cansados, com excessiva carga horária de trabalho e falta de tempo para vida pessoal. Percebe-se a importância de medidas de intervenção para melhorar a qualidade de vida dos residentes, inclusive a participação mais efetiva da Comissão de apoio aos residentes, que não dá suporte necessário para se evitar os principais fatores que levam ao estresse, incluindo o assédio moral, que de acordo com os respondentes, é recorrente e velado.


Keywords


Estresse Ocupacional. Residência Médica. Hemodinâmica. Hospital de Ensino.

References


ALMEIDA, Damiana Machado de; et al. Estresse ocupacional na perspectiva dos bombeiros da cidade de Santa Maria/RS. ReCaPeRevista de Carreiras e Pessoas São Paulo, v. 5, n. 1, Jan/Fev/Mar/Abr, 2015.

ALBUQUERQUE, F. J. B. de, Melo, C. de F., & Araújo Neto, J. L. de. Avaliação da síndrome de Burnout em profissionais da Estratégia Saúde da Família da capital paraibana. Psicologia: Reflexão e Crítica, 25(3),542-549. 2012

BACHESCHI, L.A. A residência médica. In: Marcondes, E. & Lima- Gonçalves, E. (orgs). Educação Médica, São Paulo: Sarvier. 1998

BERG, C.C.F.M. Modalidades de interação em entrevistas de pesquisa, 2008. Disponívelem:https://ufsj.edu.br/portalrepositorio/File/revistalapip/berg_carmen_artigo.pdf. Acesso em 02 de Maio de 2019.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. (2005). Lei nº 11.129, de 30 de junho de 2005. Institui o Programa Nacional de Inclusão de Jovens - ProJovem; cria o Conselho Nacional da Juventude - CNJ e a Secretaria Nacional de Juventude; altera as Leis nos 10.683, de 28 de maio de 2003, e 10.429, de 24 de abril de 2002; e dá outras providências. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2005/Lei/L11129.htm

BRASIL. Ministério da Educação. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. (2009). Portaria Interministerial MEC/MS nº 1.077, de 12 de novembro de 2009. Recuperado de http://www.cremesp.org.br/library/modulos/legislacao/versao_impressao.php?id=8862.

BRENT, D.A. The residency as a developmental process. J Med Educ, 56,417-22. 1981

BULGACOV, Y.L.M ; VIZEU, F. . A relação pesquisador e pesquisados - contribuição da área de comportamento para utilização do método de pesquisa participante nos estudos organizacionais. In: ENANPAD, 2006, SALVADOR. ANAIS ENANPAD. Salvador, 2006.

BUTTERFIELD, P.S.. The stress of residency: a review of the literature. Arch Intern Med, 148, 1428-35. 1988

CARVALHO, Daclé Vilma et al. Enfermagem em setor fechado: estresse ocupacional. REME. Rev Mineira de enfermagem, v.1, n. 21., jul./dez. 2004.

CLEVER, L.H. (2002). Who is sicker: patients – or residents? Residents’ distress and the care of patients. Ann Intern Med, 136(5), 391-3.

FERREIRA, Jesuína Maria Pereira et a. Estresse, retaliação e percepção de injustiça nas organizações: proposição de modelo teórico integrativo. Cad. EBAPE.BR, Rio de Janeiro , v. 16, n. 4, p. 774-787, dez. 2018 . Disponível em . Acessos em 17 fev. 2019. http://dx.doi.org/10.1590/1679-395167310.

FRANCO, M. L. P. B. Análise de conteúdo – Brasília, 4. ed.: Liber Livros, 96 p. – (Série Pesquisa; v. 6) 2012.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas, 1999. 206p.

GUERRER, Francine Jomara Lopes. Estresse dos enfermeiros que atuam em unidades de terapia intensiva no Brasil. São Paulo: Dissertação de mestrado da escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo, 2007.

LAPASSADE, G. Grupos, organizações e instituições. 3. ed. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1989.

LIMA, Valquíria de. Ginástica laboral: atividade física no ambiente de trabalho. São Paulo: Phorte, 2003.

LIMONGI-FRANÇA, A. C. Qualidade de vida no trabalho - QVT: conceitos e práticas na sociedade pós-industrial. São Paulo: Atlas, 2004.

LIMONGI-FRANÇA, A. C.; RODRIGUES, A. L. Stress e trabalho: uma abordagem psicossomática. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2005. 191 p.

LIMONGI-FRANÇA, A. C.; RODRIGUES, A. L. Stress e trabalho: uma abordagem psicossomática. São Paulo: Atlas. 2012.

MELEIRO, A. M. A. S. Suicídio entre médicos e estudantes de medicina. Rev. Assoc. Med. Bras, 44(2), 135-140. – 1998.

MOREIRA, Daniel Augusto. O método fenomenológico na pesquisa. São Paulo: Pioneira Thomson, 2002.

MINAYO, Maria Cecília (org) et al, Pesquisa Social-Teoria, método e criatividade. 21ª ed. Petrópolis: Vozes, 2002.

MINAYO, M. S. C, Análise qualitativa: teoria, passos e fidedignidade. Ciência e saúde coletiva 2012. V.17(3), 621-626.

MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento. 11 ed. São Paulo: Hucitec, 2008.

NOGUEIRA-MARTINS, L.A. Residência Médica: estresse e crescimento. São Paulo: Casa do Psicólogo 2005.

PAIVA, K. C. M.; CASALECHI, T. T. Relações de poder, Assédio Moral e Burnout: um estudo em uma escola particular. São Paulo, ANPAD 2009.

PAIVA, Kely César Martins de; SARAIVA, Luiz Alex Silva. Estresse ocupacional de docentes do ensino superior. R.Adm., São Paulo, v.40, n.2, p.145-158, abr./maio/jun. 2005.

PASCHOAL, Tatiane; TAMAYO, Álvaro. Validação da escala de estresse no trabalho. Estudos de Psicologia, v. 9, n. 1, p. 45-52, 2004.

PEREIRA, Jesane Graciotti; MELLO, Fabiane. Causas e efeitos do Estresse no trabalho. Universidade UNIS. Revista UNIS. Minas Gerais: p. 146-164, mai. 2016. Disponível em: < http://interacao.unis.edu.br/>.

PRINS JT, GAZENDAM-DONOFRIO SM, TUBBEN BJ, van der HEIJDEN FM, van de WIEL HB, HOEKSTRA-WEEBERs JE: Burnout in medical residents: a review. Medical Education 2007, 41:788-800.

SANTOS, A. F. O. & CARDOSO, C. L. (2010). Profissionais de saúde mental: Manifestação de stress e Burnout. Estudos em Psicologia (Campinas), 27(1),67-74. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-166X2010000100008

SELYE, H. Stress, a tensão da vida. São Paulo: IBRASA, 1959. 396p.

SERVA, M. e JAIME JR, P. Observação participante e pesquisa em administração: uma postura antropológica. Revista de Administração de Empresas, São Paulo: FGV, v. 35, n. 1, p. 64-79, mai./jun., 1995.

SILVA, Débora de Paula da; SILVA, Maria de Nazareth Rodrigues Malcher de Oliveira. O trabalhador com estresse e intervenções para o cuidado em saúde. Trab. educ. saúde, Rio de Janeiro, v. 13, supl. 1, p. 201-214, 2015.

STAKE, R. E. Pesquisa qualitativa: estudando como as coisas funcionam. Porto Alegre: Penso, 2011.

THOMAS NK: Resident burnout. Jama 2004, 292:2880-2889.

TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987. 175p.

VERGARA, Sylvia Constant. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. 14. ed. São Paulo: Atlas, 2013.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 2.ed. Porto Alegre: Bookman, 2001. 205p.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n4-205

Refbacks

  • There are currently no refbacks.