Densidade básica da madeira de clones de eucalipto em diferentes espaçamentos / Basic density of wood of eucalyptus clones in different spacing

Livia Gabriela Souza Magalhães, Ana Paula Leite de Lima, Sebastião Ferreira de Lima, Deborah Nava Soratto, Sávio Moreira Martins, Izabella Fabiani Fontes Santos

Abstract


Este estudo teve como objetivo avaliar a densidade básica da madeira de clones de híbridos de Eucalyptus urophylla x Eucalyptus grandis em diferentes espaçamentos e ao longo da árvore. O experimento foi implantado em área da Usina Cerradinho Bioenergia, em Serranópolis, GO. O delineamento utilizado foi em blocos casualizados, em esquema fatorial, com cinco espaçamentos (3,0 x 1,0 x 0,8 m; 3,0 x 1,0 x 1,0 m; 3,0 x 1,0 m; 3,0 x 1,5 m e 3,0 x 2,0 m) e três clones (A01, A02 e GG100), com três repetições. Aos 35 meses de idade foi abatida uma árvore por parcela, das quais foram retirados discos de 5,0 cm de espessura nas posições de DAP, 0%, 25%, 50%, 75% e 100% da altura comercial. A densidade básica da madeira foi determinada seguindo a norma NBR 11941. A densidade básica da madeira variou com o espaçamento de plantio e com o clone. O uso de maiores espaçamentos proporcionou maiores valores de densidade básica. Para os clones e os espaçamentos estudados houve variação da densidade básica da madeira nas posições amostradas. O comportamento observado foi de decréscimo na densidade da base até os 54% da altura comercial, seguido por aumento até os 100% da altura.


Keywords


Plantios energéticos, Biomassa, Eucalyptus

References


ABRAF. Anuário estatístico da Abraf 2013: ano Base 2012. 2013. Brasília, DF: Associação Brasileira de Produtores de Florestas Plantadas, p. 148.

Alzate, S.B.A., Tomazello Filho, M., Piedade, S.M.S., 2005. Variação longitudinal da densidade básica da madeira de clones de Eucalyptus grandis Hill ex Maiden, E. saligna Sm. e E. grandis x urophylla. Scientia Florestalis, 68, 87-95.

Associação Brasileira de Normas Técnicas. 2003. NBR 11.941: Madeira, determinação da densidade básica. Rio de Janeiro.

Barreiro, S., Tomé, M., 2012. Analysis of the impact of the use of Eucalyptus biomass for energy on wood availability for Eucalyptus forest in Portugal: a Simulation Study. Ecology and Society, 17, 14.

Brito, J.O., 2007. O uso energético da madeira. Estudos Avançados, 59, 185-193.

Fernandes, D.E., Gomide, J.L., Colodette, J.L., Ferreira, M.Z., 2011. Influência da produtividade de clones híbridos de eucalipto na densidade da madeira e na polpação Kraft. Scientia Forestalis, 90, 143-150.

Garcia, C.H., Corradine, L., Alvarenga, S.F., 1991. Comportamento florestal do Eucalyptus grandis e Eucalyptus saligna em diferentes espaçamentos. IPEF, Piracicaba, n. 179,10 p. (Circular Técnica, 179).

Gonçalves, J.L.M., Stape, J.L., Laclau, J.P., Smethurst, P., Gava, J.L., 2004. Silvicultural effects on the productivity and wood quality of eucalypt plantations. Forest Ecology and Management, 193, 45-61.

Hsing, T.Y., Paula, N.F., Paula, R.C., 2016. Características dendrométricas, químicas e densidade básica da madeira de híbridos de Eucalyptus grandis x Eucalyptus urophylla. Ciência Florestal, 26, 273-283.

IBGE. Cidades, Goiás, Serranópolis: informações completas, 2015. http://cod.ibge.gov.br/6YW (Acessado 21 de julho de 2017).

Jesus, M.S., Costa, L.J., Ferreira, J.C., Freitas, F.P., Santos, L.C., Rocha, M.F.V., 2017. Caracterização energética de diferentes espécies de Eucalyptus. Floresta, 47, 11-16.

Leles, P.S.S., Reis, G.G., Reis, M.G.F., Morais, E.J., 2001. Relações hídricas e crescimento de árvores de E. camaldulensis e E. pellita sob diferentes espaçamentos na região de cerrado, MG. Scientia Forestalis, 59, 77-87.

Martins, R.J., Seixas, F., Stape, J.L., 2009. Avaliação técnica e econômica de um harvester trabalhando em diferentes condições de espaçamento e arranjo de plantio em povoamento de eucalipto. Scientia Forestalis, 378, 253-263.

Mattos, B.D., Gatto, D.A., Stangerlin, D.M., Calegari, L., Melo, R.R., Santini, E.J., 2011. Variação axial da densidade básica da madeira de três espécies de gimnospermas. Agraria, 6, 121-126.

Mckenney, D.W., Weersink, A., Allen, D., Yemshanov, D., Boyland, M., 2014. Enhancing the adoption of short rotation woody crops for bioenergy production. Biomass and Bioenergy, 64, 363-366.

Meneses, V.A., Trugilho, P.T., Calegario, N., Leite, H.G., 2015. Efeito da idade e do sítio na densidade básica e produção de massa seca de madeira em um clone do Eucalyptus urophylla. Scientia Forestalis, 105, 101-116.

Moulin, J. C., Arantes, M.D.C., Oliveira, J.G.L., Campinhos, E., Gomes, F., Vidaurre, G.B., 2017. Effect of spacing, age and irrigation on the volume and basic density in eucalyptus. Floresta e Ambiente, 24, e00028013.

Oliveira, J.T. S., Hellmeister, J.C., Tomazello Filho, M., 2005. Variação do teor de umidade e da densidade básica na madeira de sete espécies de eucalipto. Revista Árvore, 29, 115-127.

Palermo, G.P.M., Latorraca, J.V.F., Rezende, M.A., Nascimento, A.M., Severo, E.T.D., Abreu, H.S., 2003. Análise da densidade da madeira de Pinus elliotti Engelm por meio de radiação gama de acordo com as direções estruturais (longitudinal e radial) e a idade de crescimento. Floresta e Ambiente, 10, 47-57.

Quirino, W.F., Vale, A.T., Andrade, AP.A., Abreu, V.L.S., Azevedo, A.C.S., 2005. Poder calorífico da madeira e de materiais ligno-celulósicos. Revista da Madeira, 89, 100-106.

Roque, R.M., Ledezma, V.A., 2003. Efecto del espaciamiento em plantación sobre dos propiedades físicas de madera de teca a lo largo del fuste. Madera y Bosques, 9, 15-27.

Sette Jr., C.R., Oliveira, I.R., Tomazello Filho, M., Yamaji, F.M., Laclau, J.P. 2012. Efeito da idade e posição de amostragem na densidade e características anatômicas da madeira de Eucalyptus grandis. Revista Árvore, 36, 1183-1190.

SiBCS – Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. 2018. 5 ed., rev. ampl. Brasília: Embrapa. Souza, V.R., Carpim, M.A., Barrichelo, L.E.G., 1986. Densidade básica entre procedências, classes de diâmetro e posições em árvores de Eucalyptus grandis e Eucalyptus. saligna. IPEF s.n., p. 65-72.

Vale, A. T., Brasil, M.A.M., Leão, A.L., 2002. Quantificação e caracterização energética da madeira e casca de espécies do cerrado. Ciência Florestal, 12, 71-80.

Vale, A.T., Moura, V.P.G, Martins, I.S., Rezende, D.C.A., 1995. Densidade básica média, em função da profundidade de penetração do pino do “pilodyn” e da classe diamétrica, e variação axial da densidade básica em Eucalyptus grandis Hill ex Maiden. Revista Árvore, 19, 80-91.

Vital, B. R. Métodos de determinação de densidade da madeira. (Boletim Técnico, 1). Viçosa: SIF. 21p., 1984.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n4-202

Refbacks

  • There are currently no refbacks.