Perfil socioeconômico dos usuários do serviço de transplante renal do Huufma / Socioeconomic profile of users of the Huufma kidney transplantation service

Enaire de Maria Sousa da Silva, Maria do Socorro Sousa de Araújo

Abstract


Baseado no argumento central de que os aspectos socioeconômicos determinam quem são os indivíduos que ingressam nos tratamentos de saúde de instituições públicas, objetivou-se identificar o perfil socioeconômico dos usuários que acessam o serviço Transplante Renal do HUUFMA. A pesquisa quantitativa, envolvendo pacientes transplantados entre 2010 e 2018, concluiu que há predominância de pessoas do sexo masculino, da faixa etária 20-40 anos, de pessoas da raça/etnia parda, da religião católica, do estado civil casado (a), da escolaridade ensino médio completo, de pessoas que trabalham como lavrador (a), de pessoas que recebem BPC – PCD, e renda per capita média de R$382,22.


Keywords


SUS. Perfil socioeconômico. Transplante Renal.

References


AGÊNCIA BRASIL. Brasil é destaque no contexto mundial de doação de órgãos. 2015. Disponível em: . Acesso em: 04 jul. 2018.

ALMEIDA, A. P. S. C. et al. Determinantes socioeconômicos do acesso a serviços de saúde em idosos: Revisão sistemática. Revista de Saúde Pública [online], v. 51, n. 50, p. 1-15, 2017. Disponível em: . Acesso em: 23 jul. 2018.

ASSIS, M. M. A.; JESUS, W. L. A. Acesso aos serviços de saúde: Abordagens, conceitos, políticas e modelos de análise. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 17, n. 11, p. 2865-2875, nov. 2012. Disponível em: . Acesso em: 23 jul. 2018.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE TRANSPLANTE DE ÓRGÃOS (ABTO). Dados numéricos da doação de órgãos e transplantes realizados por estado e instituição no período: Janeiro/março 2018. São Paulo: ABTO, 2018. Disponível em: . Acesso em: 24 jul. 2018.

BASTOS, M. G.; KIRSZTAJN, G. M. Doença Renal Crônica: Importância do diagnóstico precoce, encaminhamento imediato e abordagem interdisciplinar estruturada para melhora do desfecho em paciente ainda não submetidos à diálise. Jornal Brasileiro de Nefrologia, São Paulo, v. 33, n. 1, p. 93-108, mar. 2011. Disponível em: . Acesso em: 24 jul. 2018.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Centro Gráfico, 1988.

BRAZ, Fernanda Guimarães. Aspectos sociais da Doença Renal Crônica: dimensões de análise e desafios pro Serviço Social. 2008. 71 f. Monografia (Graduação em Serviço Social) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2008.

CARVALHO, A. I. Determinantes sociais, econômicos e ambientais da saúde. In: FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ. A saúde no Brasil em 2030:Prospecção estratégica do sistema de saúdebrasileiro. Rio de Janeiro: Fiocruz/Ipea/Ministério da Saúde/Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República, vol. 2, 2013. p. 19-38.

FONTOURA, F. A. P. A compreensão de vida de pacientes submetidos ao transplante renal: Significados, vivências e qualidade de vida. 117 f. 2012. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Universidade Católica Dom Bosco, Campo Grande, 2012.

GRANEMANN, Sara. O desmonte das políticas de seguridade social e os impactos sobre a classe trabalhadora: as estratégias e a resistência. Serv. Soc. Ver., Londrina, v.19, n.1, p. 171-184, jul/dez.2016.

MARTINS, Rodrigo José. Perfil Clínico e Epidemiológico da Doença Renal Crônica: revisão integrativa. 2017. 42 f. Monografia (Graduação em Enfermagem) – Universidade Federal do Maranhão, São Luís, 2017.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Estatísticas. 2018. Disponível em: . Acesso em: 04 jul. 2018.

NUNES, B. P. et al. Desigualdades socioeconômicas no acesso e qualidade da atenção nos serviços de saúde. Revista Saúde Pública, São Paulo, v. 48, n. 6, p. 968-976, dez. 2014. Disponível em: . Acesso em: 23 jul. 2018.

ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE (OPAS). Atenção à saúde em municípios de pequeno porte do Maranhão: Efeitos do Programa Mais Médicos. Brasília: OPAS, 2016. Disponível em: . Acesso em: 24 jul. 2018.

PONTES, A. P. M. et al. O princípio de universalidade do acesso aos serviços de saúde: O que pensam os usuários?Escola Anna Nery Revista Enfermagem [online], v. 13, jul./set. 2009. Disponível em: . Acesso em: 23 jul. 2018.

PORTAL BRASIL. Saiba quais são os critérios da lista de espera por transplantes. 2016. Disponível em: . Acesso em: 15 jul. 2018.

SANTOS, J. A. F. Classe Social e Desigualdade de Saúde no Brasil. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 26, n.75, p. 27-55, fev. 2011. Disponível em: . Acesso em: 09 mar.2019.

SERAPIONI M. Qualitative and quantitative methods in social research on health: some strategies for integration. CiêncSaúdeColetiva. 2000;5(1):187-92.

SOARES, R.A.S et al. Determinantes Socioambientais e Saúde: o Brasil Rural versus o Brasil Urbano. Revista Tempus Actas de Saúde, Brasília, v. 9, n.2, p. 221-235, jun. 2015. Disponível em: . Acesso em: 09 mar. 2019.

SOUZA, D. O.; SILVA, S. E. V.; SILVA, N. O. Determinantes sociais da saúde: Reflexões a partir das raízes da “questão social”. Saúde e Sociedade, São Paulo, v. 22, n. 1, p. 44-56, mar. 2013. Disponível em: . Acesso em: 23 jul. 2018.

TRAVASSOS, C.; MARTINS, M. Uma revisão sobre os conceitos de acesso e utilização de serviços de saúde. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 20, supl. 2, p. 190-198, 2004. Disponível em: . Acesso em: 23 jul. 2018.

VILARINS, G. C. M.; SHIMIZU, H. E.; GUTIERREZ, M. M. U. A regulação em saúde: Aspectos conceituais e operacionais. Saúde em debate, Rio de Janeiro, v. 36, n. 95, p. 640-647, dez. 2012. Disponível em: . Acesso em: 23 jul. 2018.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n4-173

Refbacks

  • There are currently no refbacks.