Análise físico-química e microbiológica do mel de abelhas africanizadas (apis mellifera) / Physicochemical and microbiological analysis of africanized bee (apis mellifera) honey

Bruna Mie Okaneku, Antônia Queiroz Lima de Souza, Daiane Lavareda Araújo, Thalita Caroline Lima Alves, Dilson Nazareno Pereira Cardoso, Wenderson Gomes dos Santos

Abstract


O mel é um produto de fácil acesso amplamente consumido pela população, devido ao seu status de remédio natural e alta teor de doçura. É um alimento produzido naturalmente e necessita de manipulação para extrair e embalar, mas esses fatores, incluindo microrganismos, reações enzimáticas e agentes físicos podem alterar a qualidade do mel, tornando-o inseguro para o consumo humano. Visto isso, realizou-se a caracterização físico-química e microbiológica do mel proveniente da abelha Apis mellifera africanizada comercializada na feira AGROUFAM (Manaus, AM), a fim de verificar se os parâmetros analisados do produto estavam de acordo com a legislação brasileira (Instrução Normativa nº 11, de novembro de 2000). Foram adquiridas 3 amostras a partir do mel comercializado na feira, nos meses de outubro/2018 (amostra A), fevereiro/2019 (amostra B) e maio/2019 (amostra C). As análises seguiram as metodologias do Instituto Adolfo Lutz, da Association of Analytical Chemistry (AOAC) e da Instrução Normativa nº 62, de 26 de agosto de 2003. Os parâmetros físico-químicos analisados e seus respectivos valores foram: pH (A: 3,4733±0,01; B: 3,7367±0,02; C: 3,7000±0,02), turbidez (A: 67,4000±1,24 NTU; B: 87,4000±0,91 NTU; C: 28,8333 NTU), sólidos solúveis totais (A: 78,1333±0,31 °Brix; B: 78,6333±0,82 °Brix; C: 78,7667±0,05 °Brix), acidez (A: 37,1371±0,94 meq/kg; B: 21,8844±2,15 meq/kg; C: 36,4740±2,04 meq/kg), condutividade elétrica (A: 6,4933x10-4 S.cm-1; B: 5,6767 x10-4 S.cm-1; C: 4,5067x10-4 S.cm-1), cinzas (A: 0,4503±0,04 g/100g; B: 1,2136±0,04 g/100g; C: 0,4841±0 g/100g), umidade (A: 20,2667±0,25 g/100g; B: 19,8000±0,91 g/100g; C: 19,6667±0,09 g/100g) e sólidos insolúveis. (A: 0,0065±0,0005 g/100g; B: 0,0375±0,0058 g/100g; C: 0,0382±0,0078 g/100g). Os parâmetros microbiológicos analisados e seus respectivos valores foram: coliformes totais (<3 NMP/g), coliformes termotolerantes (<3 NMP/g) e salmonelas (ausente em 25 g). Esses valores condizem com o padrão de segurança alimentar, logo, o mel vendido na AGROUFAM é seguro para consumo humano.

 

 


Keywords


qualidade, Amazonas, mel.

References


AJIBOLA, A.; CHAMUNORWA, J. P.; ERLWANGER, K. H. Nutraceutical values of natural honey and its contribution to human health and wealth. Nutrition & Metabolism, v. 9, n. 1, p. 61, 2012.

AOAC. Official Methods of Analysis. Ed. 18. Washington, DC: Association of Official Analytical Chemists, 2012.

BERTOLDI, F. C. GONZAGA, L.; REIS, V. D. A. Características físico-químicas do mel de abelhas africanizadas (Apis mellifera scutellata), com florada predominante de hortelã-do-campo (Hyptis crenata), produzido no Pantanal. In: IV Simpósio sobre Recursos Naturais e Sócio-econômicos do Pantanal. Anais... Corumbá, 2004.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento – Mapa. Instrução Normativa nº 62, de 26 de Agosto de 2003. Oficializa os Métodos Analíticos Oficiais para Análises Microbiológicas para Controle de Produtos de Origem Animal e Água. Diário Oficial da União – DOU.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento – Mapa. Instrução Normativa nº 3 de 19 de Janeiro de 2001. Aprova os Regulamentos Técnicos de Identidade e Qualidade de Apitoxina, Cera de Abelha, Geléia Real, Geléia Real Liofilizada, Pólen Apícola, Própolis e Extrato de Própolis. Diário Oficial da União – DOU.

BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária – Anvisa. Resolução CNNPA nº 12 de 1978. Aprova as Normas Técnicas Especiais relativas a alimentos (e bebidas).

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento – Mapa. Instrução Normativa nº 11 de 20 de Outubro de 2000. Aprova o Regulamento Técnico de Identidade e Qualidade do Mel. Diário Oficial da União – DOU.

CAMARGO, R. C. R. et al. Mel: Características e Propriedades. Teresina: Embrapa Meio-Norte, 2006.

CECCHI, H. M. Fundamentos teóricos e práticos em análise de alimentos. 2 ed. Campinas: Editora da Unicamp. 2003.

COSTA, L. C. V. et al. Influence of temperature and homogenization on honey crystallization. Brasilian Journal of Food Technology, Campinas, v. 18, n. 2, p. 155-161, 2015.

COSTA, T. V.; FARIAS, C. A. G.; BRANDÃO, C. S. Meliponicultura em comunidades tradicionais do Amazonas. Rev. Bras. de Agroecologia, v. 7, n. 3, p. 106-112, 2012.

CRANE, E. E. The World History of Beekeeping and Beehunting. 1999.

FALLICO, B.; ARENA, E.; ZAPPALA, M. Prediction of Honey Shelf Life. Journal of Food Quality, Catania, v. 32, n. 3, p. 352-368, 2008.

FERREIRA, L. C. Avaliação da qualidade microbiológica de méis comercializados na cidade de Natal/RN. 2016. Trabalho de Conclusão de Curso. Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

GRANATO, D.; NUNES, D. S. Análises Químicas, Propriedades Funcionais e Controle de Qualidade de Alimentos e Bebidas. 1 ed. Rio de Janeiro: Elsevier. 576 p.

HUIDOBRO, J. F.; SIMAL, J. Determinacion del color y de la turbidez en las mieles. Analytical Bromatology, v. 36, p. 225-245, 1984.

INMET. Disponível em: http://www.inmet.gov.br/projetos/rede/pesquisa/gera_serie_txt_mensal.php?&mRelEstacao=82331&btnProcesso=serie&mRelDtInicio=01/01/2018&mRelDtFim=01/01/2019&mAtributos=,,,,,,,,,,,,,,,1,. Acesso em: 30 jul. 19.

INSTITUTO ADOLFO LUTZ. Métodos físico-químicos para análise de alimentos. São Paulo: Instituto Adolfo Lutz, 2008.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Produção da Pecuária Municipal 2017. Prod. Pec. Munic., Rio de Janeiro v. 45, p. 1-8, 2017. Disponível em: . Acesso em: 31 jan 19.

KHAN, F. R.; ABADIN, Z. U.; RAUF, N. Honey: nutritional and medicinal value. International Journal of Clinical Practice, v. 61, n. 10, p. 1705-1707, 2007.

MELO, C. M. T.; SILVA, V. S.; QUEIROZ, C. R. A. A. Características físico-químicas do mel comercializado na região de Uberlândia. Ambiência Guarapava, v. 12, n. 12, p. 739-763, 2016.

MORAES, F. J. et al. Caracterização físico-química de amostras de mel de abelha africanizada dos municípios de Santa Helena e Terra Roxa (PR). Arq. Bras. Med. Vet. Zootec., v. 66, n. 4, p. 1269-1275, 2014.

OLIVEIRA, E. N. A.; SANTOS, D. C. Análise físico-química de méis de abelhas africanizada e nativa. Revista do Instituto Adolfo Lutz, v. 70, n. 2, p. 132-138, 2011.

PASIN, L. E. V.; TERESO, M. J. A.; BARRETO, L. M. R. C. Análise da produção e comercialização de mel natural no Brasil no período de 1999 a 2010. Agroalimentaria, v. 18, n. 34, p. 29-42, 2012.

PITA-CALVO, C.; VÁZQUEZ, M. Differences between honeydew and blossom honeys: A review. Trends in Food Science & Technology, v. 59, p. 79-87, 2017.

SILVA, C. et al. Caracterização físico-química de méis produzidos no Estado de Piauí para diferentes floradas. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v. 6, p. 260-265, 2004.

SILVA, P. A. M. Qualidade dos produtos da abelha. In: SEMINÁRIO NORDESTINO PECUÁRIO, 7., 2003, Fortaleza. Anais... Fortaleza: Federação da Agricultura e Pecuária do Estado do Ceará, 2003. p. 7-8.

SODRÉ, G. S. Características físico-químicas, microbiológicas e polínicas de amostras de méis de Apis mellifera L., 1758 (HYMENOPTERA: APIDAE) dos estados do Ceará e Piauí. 2005. Tese (Doutorado em Entomologia) – Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, Universidade de São Paulo, Piracicaba.

SOUZA, L. B. S. Caracterização físico-química e microbiológica do mel de abelhas (Apis mellifera) produzido no território rural de identidade Parque das Emas – Goiás. 2017. Dissertação de Mestrado. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Goiano.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n4-144

Refbacks

  • There are currently no refbacks.