A sustentabilidade econômico-financeira da gestão de resíduos sólidos domiciliares, em um município de porte médio do interior do estado de São Paulo / Economic-financial sustainability of household solid waste management, in a medium-sized municipality in the state of São Paulo

Welington José Rocha dos Santos, Wellington Cyro de Almeida Leite, Valdir Schalch

Abstract


O objetivo deste estudo é apresentar e discutir uma forma de se promover a sustentabilidade econômico-financeira da prestação dos serviços de manejo de resíduos sólidos domiciliares (RSD). A necessidade de grandes investimentos para o respeito aos princípios constitucionais de universalidade de atendimento e de acesso, às questões ambientais e de saúde pública, demandam cada vez mais recursos. Para tanto, os marcos regulatórios do saneamento básico e de resíduos sólidos determinam a adoção de mecanismos que assegurem a recuperação dos custos dos serviços prestados. Por meio de uma pesquisa aplicada, caracterizada como exploratória, utiliza-se o método de levantamentos em fontes secundárias, compreendendo levantamentos bibliográficos, documentais, estatísticos e de pesquisas realizadas. A hipótese a ser testada refere-se à possibilidade de a relação entre o consumo de água e geração de RSD ser utilizada para fins de cobrança. Diversos estudos têm demonstrado tal correlação, concluindo pela existência no caso dos serviços de energia elétrica e de abastecimento de água. Considerando o município em estudo, a utilização das informações sobre o consumo de água é facilitada, devido ao fato de a prestação dos serviços de RSD ser de responsabilidade da autarquia municipal de saneamento ambiental. A fórmula adotada para a cobrança dos serviços de RSD, por meio da Taxa de Resíduos Sólidos (TRS), abarca duas componentes: uma fixa e outra variável. A primeira destas componentes, também denominada disponibilidade de serviço, diz respeito aos custos em que o prestador incorre pela mera disponibilização do serviço aos usuários. Seu cálculo envolve informações sobre: despesa de coleta de RSD; quantidade de economias ativas de água; taxa de investimento; fator de referência da categoria; fator de frequência da coleta; e índice de evasão de receita de água e esgoto. A segunda componente refere-se à geração de RSD durante um determinado período temporal e encontra-se relacionada proporcionalmente ao consumo de água. É calculada a partir do produto da massa gerada de RSD pelo preço necessário para custear as despesas correntes e de capital com a prestação dos serviços, possuindo progressão dos valores por faixa de geração de resíduos e valores diferenciados por categoria de uso do imóvel. Implantada em 2015, a taxa produziu uma evolução positiva do índice de autossuficiência com manejo de RSD, com equilíbrio econômico-financeiro a partir de 2016. Conclui-se, assim, que a TRS constitui-se em uma forma viável de se promover a sustentabilidade econômico-financeira da prestação dos serviços de RSD.


Keywords


resíduos sólidos, consumo de água, saneamento básico, cobrança de serviços, equilíbrio financeiro.

References


ARARAQUARA. Lei nº 8.313, de 1º de outubro de 2014. Institui a Taxa de Resíduos Sólidos - TRS e dá outras providências. Araraquara, 2014.

ARARAQUARA. Lei nº 8.556, de 9 de outubro de 2015. Dispõe sobre alterações de disposições da Lei Municipal nº 8.313, de 1º de outubro de 2014, e fixa o valor da Taxa de Resíduos Sólidos de que trata referida Lei para o Exercício de 2016. Araraquara, 2015.

BRASIL. Constituição (1988). Disponível em: . Acesso em: 30 out. 2018a.

BRASIL. Lei nº 9.433, de 8 de janeiro de 1997. Institui a Política Nacional de Recursos Hídricos, cria o Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos, regulamenta o inciso XIX do art. 21 da Constituição Federal, e altera o art. 1º da Lei nº 8.001, de 13 de março de 1990, que modificou a Lei nº 7.990, de 28 de dezembro de 1989. Presidência da República: casa civil. Subchefia para assuntos jurídicos, Brasília, DF, 8 de janeiro de 1997. Disponível em: . Acesso em: 30 out. 2018b.

BRASIL. Lei nº 11.445, de 5 de janeiro de 2007. Estabelece as diretrizes nacionais para o saneamento básico, cria o Comitê Interministerial de Saneamento Básico, altera a Lei nº 6.766, de 19 de dezembro de 1979, a Lei nº 8.036, de 11 de maio de 1990, a Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993, e a Lei nº 8.987, de 13 de fevereiro de 1995, e revoga a Lei nº 6.528, de 11 de maio de 1978. Presidência da República: casa civil. Subchefia para assuntos jurídicos, Brasília, DF, 5 janeiro 2007. Disponível em: . Acesso em: 30 out. 2018c.

BRASIL. Lei nº 12.305, de 2 de agosto de 2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei no 9.605, de 12 de fevereiro de 1998; e dá outras providências. Presidência da República: casa civil. Subchefia para assuntos jurídicos, Brasília, DF, 2 agosto 2010. Disponível em: . Acesso em: 30 out. 2018d.

BRASIL. Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão. IBGE: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em: . Acesso em 30 out. 2018e.

BUTTO, Sebastian. et al. Diretrizes para construção de tarifas para serviços de manejo de resíduos sólidos. SEMINÁRIO NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS, 11., 2014, Brasília. Anais... Brasília: [s.n.], 2014.

D’ELIA, Débora Maria Costa. Relação entre utilização da água e geração de resíduos sólidos domiciliares. Revista Saneamento Ambiental, São Paulo, n. 65, p. 38-41, maio 2000.

FARIA, Ana Paula Moreira. Geração de resíduos sólidos urbanos e consumo de água. 2012. 117 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil) – Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2012.

LEITE, Marcelo Fonseca. A taxa de coleta de resíduos sólidos domiciliares. 2006. 106 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil) – Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006.

MATTAR, Fauze Najib. Pesquisa de marketing v.1: metodologia, planejamento. 5.ed. São Paulo: Atlas, 1999.

ONOFRE, Fabiana Lima. Estimativa da geração de resíduos sólidos domiciliares. 2011. 100 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Urbana e Ambiental) – Centro de Tecnologia, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2011.

ROESCH, Sylvia Maria Azevedo. Projetos de estágio e de pesquisa em administração. São Paulo: Atlas, 1999.

SÃO PAULO (Estado). Assembleia Legislativa do Estado, São Paulo, SP, 16 março 2006. Disponível em: . Acesso em: 30 out. 2018.

SCHERER, Aline; VIEIRA, Renata. Pesquisa inédita mostra que adaptar o país à atual lei de gestão de resíduos custaria 167 bilhões de reais até 2031. E o preço de não fazer isso pode ser ainda mais alto. Revista Exame. Disponível em: . Acesso em: 12 set. 2017.

SELLTIZ, C. et al. Research methods in social relations. New York: Holt, Rinehart, 1959.

SILVA, Daniel Cavalcante. Serviço público e tributação: discussões sobre o conceito de serviço público e a sua remuneração. 2011. Disponível em: . Acesso em: 21 mar. 2016.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n4-114

Refbacks

  • There are currently no refbacks.