A contribuição de sistemas de tratamento de esgotos por zonas de raízes para gestão de recursos hídricos na região metropolitana de Curitiba / The contribution of sewage treatment systems by root zones for water resource management in the metropolitan region of Curitiba

Altair Rosa, Daniele Campanharo Bizetto, Silvana Svenar, Ana Paula Coelho Schimaleski, Beatriz Larissa Pedro

Abstract


Zonas de raízes podem ser descritas como um sistema de tratamento de águas e efluentes, simulando ambientes naturais, como pântanos e banhados, também podem ser considerados como sistemas alternativos de tratamento. Sua construção pode ser basicamente composta por algumas etapas (camadas),  plantas (macrófitas), filtros (pedras ou areia) e substrato (depende do projeto). Apresentam propriedades de retirar poluentes diversos presentes em ambientes naturais e efluentes, necessitando de poucos recursos e nenhuma energia externa. A pesquisa relata o monitoramento e avaliação da eficiência de uma zona de raízes construída em 2010 no Patronato Santo Antônio, localizado em São José dos Pinhais, região metropolitana de Curitiba. Objetivando divulgar o sistema como um eficiente método de tratamento de esgoto alternativo. O sistema foi projetado para receber a contribuição de aproximadamente seiscentas pessoas. O sistema é composto por um reator anaeróbio e a zona de raízes, formada por dois tanques, compostos por pedra brita, areia, substrato e macrófitas das espécies Typha domingensis e Hedychium coronariu. O monitoramento da zona de raízes foi realizado mensalmente entre março e julho de 2012 e nos meses de maio de junho de 2019,. Os parâmetros analisados foram: demanda bioquímica de oxigênio (DBO), oxigênio dissolvido (OD), pH, demanda química de oxigênio (DQO), nitrogênio amoniacal, fósforo, nitrato, nitrito e coliformes totais. Através de análises dos parâmetros foi possível fazer um diagnóstico da eficiência do tratamento, envolvendo comparativos com outros estudos e com a legislação pertinente. Os resultados mais significativos para o ano de 2012 foram de coliformes totais com até 99,97% de eficiência de remoção, DBO com 98,90% e DQO com 98,04%. Já para o ano de 2019 nota-se que a eficiência não foi muito representativa, fato que pode ser comprovado por dois principais fatores, primeiro falta de manutenção do sistema e segundo pelo aumento da vazão de contribuição. Desse modo, a zona de raízes se mostra como uma alternativa eficaz e viável ao tratamento de esgoto, principalmente em comunidades sem acesso a rede de esgoto.


Keywords


Zona de raízes, Tratamento alternativo, Esgoto.

References


BAIRD, C. Química Ambiental. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2002. p. 498-508.

DORNELAS, F. L. Avaliação do desempenho de wetlands horizontais subsuperficiais como pós- tratamento de efluentes de reatores UASB. Dissertação de mestrado. Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2008.

EPA. Constructed Wetlands Treatment of Municipal Wastewaters. EPA/625/R/010, Cincinnati, Ohio, U.S.A, 1999.

ESTEVES, F. A. Fundamentos de limnologia. Rio de Janeiro: Interciência, 1998.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo 2010: sinopse. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/censo2010/sinopse.pdf. Acesso em: 08 dez. 2011.

KACZALA, F. Viabilidade do uso de efluentes tratados por zonas de raízes na irrigação: Estudo de Caso na Vila Dois Rios – Ilha Grande – RJ. Rio de Janeiro, 2005. Dissertação de mestrado. Fundação Oswaldo Cruz, Escola Nacional de Saúde Pública do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2005.

LAUTENSCHLAGER, S. R. Modelagem do desempenho de “wetlands” construídas. São Paulo, 2001. Dissertação de mestrado. Escola Politécnica, Universidade de São Paulo, 2001.

SANTOS, R. F. dos. Planejamento Ambiental: teoria e prática. São Paulo: Oficina de textos, 2007.

SILVA, S. C. Wetlands Construídos de Fluxo Vertical com Meio de Suporte de Solo Natural Modificado no Tratamento de Esgotos Domésticos. 2007. Dissertação de mestrado. Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, 2007.

TANNER, C. C. Plants for constructed wetland treatment systems – A comparison of the growth and nutrient uptake of eight emergent species. Ecological Engineering, 1996.

VON SPERLING, M. Princípios básicos do tratamento de esgotos. Belo Horizonte: DESA; UFMG, 1996. 243 p.

KADLEC, R. H.; KNIGTH, R. L. Treatment wetlands. Boca Raton, Lewis Publishers, 1996. 893p.

KADLEC, R. H.; WALLACE, S. D. Treatment Wetlands. 2nd ed. Boca Raton: Lewis Publishers. 2009.

SALATTI, E. Utilização de sistemas de wetlands construídas para tratamento de águas. Biológica, v. 62, n.1/2, p. 113-116, 2003.

Wetlands construídos. Disponível em: . Acesso em: 2 out. 2018.

HAGLUND, LaDawn. New Forms of Environmental Governance in Sao Paulo: Implications for Human Rights. LATIN AMERICAN PERSPECTIVES, [S.I.], v. 3, n. 2, p. 116-134, mar. 2016.

SALATTI, E. FILHO; SALATI E. Secondary and terciary treatment of urban sewage utilizing the HDS systems with up flow transport. In: International Conference on Wetland System for Water Polution Control, 5. Vienna, Austria. 1996.

REED, S. Constructed wetland design: the first generation. Water Environmental Research. v.64, n. 6, p. 776-781, 1992.

VON SPERLING, M.. Introdução à qualidade das águas e ao tratamento de esgotos. 3. ed. Belo Horizonte. Universidade Federal de Minas Gerais, 452 p., 2005.

ISAE BRASIL. Disponível em: . Acesso em: 2 out. 2018.

ZEFERINO, P.H.; BENTO, A.P.; DECEZARO, S.T.; MAGRI, M.E.; PHILIPPI, L.S.. Experiências brasileiras com wetlands construídos aplicados ao tratamento de águas residuárias: parâmetros de projeto para sistemas horizontais. Eng. Sanit. Ambient. vol.20 no.1 Rio de Janeiro Jan./Mar. 2015.

SEZERINO, Pablo Heleno et al. Experiências brasileiras com wetlands construídos aplicados ao tratamento de águas residuárias: parâmetros de projeto para sistemas horizontais. Eng. Sanit. Ambient. 2015, vol.20, n.1, pp.151-158.

LEONETI, A.B.; PRADO, E.L.; OLIVEIRA, S.V.W.B.. Saneamento básico no Brasil: considerações sobre investimentos e sustentabilidade para o século XXI. 2010.

Saneamento ambiental. Disponível em: . Acesso em: 2 out. 2018.

POÇAS, C.D. Utilização da tecnologia de wetlands para tratamento terciário: controle de nutrientes. 2015

SALATI, E. Controle de qualidade de água através de sistemas de wetlands construídos. 2003.

BULLER, L.S.; TEIXEIRA, M. B.; ORTEGA, E. Wetlands naturais e construídas para tratamento de resíduos da suinocultura. 2010.

TAVARES, S.R.L. Uso de Wetlands e Tecnologias Associadas. Cap.3. 2008.

WEBER, A. S. and TCHOBANOGLOUS, G. Prediction of nitrification in water hyacinth treatment systems, J. Water Pollut. Control Fed. 58:376, 1986.

BRIX, H. Treatment of wastewater in the rhizosphere of wetland plants - the root- zone method, Water Sci. Tech. 19:107, 1987.

A última arca de noé. Disponível em: . Acesso em: 3 out. 2018.

Rosa, A. Sistemas de tratamento por zona de raízes (wetlands) – princípios fundamentais e exemplos de sistemas. 2011.

Esgotamento sanitário: Processos de tratamento de esgoto. Disponível em: . Acesso em: 1 dez. 2018.

ROSA, C. D. Projeto de dimensionamento de um Sistema wetland construído em residencia unifamiliar no munícipio de Chapecó – SC. 2014.

OLIVEIRA, L.P.; SOUZA, M.B.; SOARES, A.F.S.; ANDRADE, I.C.M. Avaliação da eficiência de wetlands na remoção de matéria orgânica de esgoto sanitário. Jun 2018.

ROUSSO, B.Z. Avaliação de um sistema híbrido de wetlands construídos empregado no tratamento de esgoto sanitário. 2017.

SILVA, C.S; RAMOS, M.L.G.; BERNARDES, R.S. Removal of salts in built wetlands in primary domestic sewage treatment. Gesta, v. 6, n. 1. 2018.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n4-087

Refbacks

  • There are currently no refbacks.