As questões de ciências humanas na prova do enem. O que pensam os alunos sobre elas? / The issues of human sciences in the enem proof. What do the students think about them?

Sandro Damião Ribeiro da Silva, Raquel Basílio dos Santos, Magda Maria Pinheiro de Melo, Isauro Beltrán Núñez

Abstract


O Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), criado em 1998, foi reformulado algumas vezes e se tornou o principal exame, em grande escala, do contexto educacional brasileiro. Servindo como um instrumento avaliador de discentes de diferentes realidades, o ENEM usa habilidades e habilidades pré-aplicadas para o processo de avaliação. No entanto, esse exame é, hoje, também, uma das principais ferramentas de ingresso na grande parte das universidades brasileiras, além de proporções que apontam para uma aprendizagem mais voltada aos anseios da contemporaneidade, usam essas práticas básicas como interdisciplinaridade e cidadania. Assim, parte desta assertiva, este artigo busca analisar a opinião de discentes, que entrou nos anos de 2016 e 2017 na Universidade Federal do Rio Grande do Norte, sobre as questões da prova de Ciências Humanas e Suas Tecnologias. Esta análise é realizada com base nas premissas centrais do exame, como extensão da prova, clareza, grau de dificuldade e objetividade das questões, desempenho dos discentes e dificuldades para responder às questões. Uma análise se baseia em uma metodologia exploratória e descritiva, que permite analisar os dados em uma relação direta com propostas teóricas que nortearam ou trabalham. Como principais resultados, destacam-se a satisfação dos alunos quanto à extensão do exame; à clareza quanto aos itens de teste e desempenho na resolução de questões; o grau de dificuldade, apontado como “mediano”, dos itens; e, como principais dificuldades enfrentadas na resolução da prova, que giraram no torno da aplicação de temas para uma realidade concreta. Esta análise é realizada com base nas premissas centrais do exame, como extensão da prova, clareza, grau de dificuldade e objetividade das questões, desempenho dos discentes e dificuldades para responder às questões. Uma análise se baseia em uma metodologia exploratória e descritiva, que permite analisar os dados em uma relação direta com propostas teóricas que nortearam ou trabalham. Como principais resultados, destacam-se a satisfação dos alunos quanto à extensão do exame; à clareza quanto aos itens de teste e desempenho na resolução de questões; o grau de dificuldade, apontado como “mediano”, dos itens; e, como principais dificuldades enfrentadas na resolução da prova, que giraram no torno da aplicação de temas para uma realidade concreta. Esta análise é realizada com base nas premissas centrais do exame, como extensão da prova, clareza, grau de dificuldade e objetividade das questões, desempenho dos discentes e dificuldades para responder às questões. Uma análise se baseia em uma metodologia exploratória e descritiva, que permite analisar os dados em uma relação direta com propostas teóricas que nortearam ou trabalham. Como principais resultados, destacam-se a satisfação dos alunos quanto à extensão do exame; à clareza quanto aos itens de teste e desempenho na resolução de questões; o grau de dificuldade, apontado como “mediano”, dos itens; e, como principais dificuldades enfrentadas na resolução da prova, que giraram no torno da aplicação de temas para uma realidade concreta. grau de dificuldade e objetividade das questões, desempenho dos discentes e dificuldades encontradas ao responder como questões. Uma análise se baseia em uma metodologia exploratória e descritiva, que permite analisar os dados em uma relação direta com propostas teóricas que nortearam ou trabalham. Como principais resultados, destacam-se a satisfação dos alunos quanto à extensão do exame; à clareza quanto aos itens de teste e desempenho na resolução de questões; o grau de dificuldade, apontado como “mediano”, dos itens; e, como principais dificuldades enfrentadas na resolução da prova, que giraram no torno da aplicação de temas para uma realidade concreta. grau de dificuldade e objetividade das questões, desempenho dos discentes e dificuldades encontradas ao responder como questões. Uma análise se baseia em uma metodologia exploratória e descritiva, que permite analisar os dados em uma relação direta com propostas teóricas que nortearam ou trabalham. Como principais resultados, destacam-se a satisfação dos alunos quanto à extensão do exame; à clareza quanto aos itens de teste e desempenho na resolução de questões; o grau de dificuldade, apontado como “mediano”, dos itens; e, como principais dificuldades enfrentadas na resolução da prova, que giraram no torno da aplicação de temas para uma realidade concreta. Uma análise se baseia em uma metodologia exploratória e descritiva, que permite analisar os dados em uma relação direta com propostas teóricas que nortearam ou trabalham. Como principais resultados, destacam-se a satisfação dos alunos quanto à extensão do exame; à clareza quanto aos itens de teste e desempenho na resolução de questões; o grau de dificuldade, apontado como “mediano”, dos itens; e, como principais dificuldades enfrentadas na resolução da prova, que giraram no torno da aplicação de temas para uma realidade concreta. Uma análise se baseia em uma metodologia exploratória e descritiva, que permite analisar os dados em uma relação direta com propostas teóricas que nortearam ou trabalham. Como principais resultados, destacam-se a satisfação dos alunos quanto à extensão do exame; à clareza quanto aos itens de teste e desempenho na resolução de questões; o grau de dificuldade, apontado como “mediano”, dos itens; e, como principais dificuldades enfrentadas na resolução da prova, que giraram no torno da aplicação de temas para uma realidade concreta. apontado como “mediano”, dos itens; e, como principais dificuldades enfrentadas na resolução da prova, que giraram no torno da aplicação de temas para uma realidade concreta. apontado como “mediano”, dos itens; e, como principais dificuldades enfrentadas na resolução da prova, que giraram no torno da aplicação de temas para uma realidade concreta.

 


Keywords


ENEM, Ciências Humanas, Opinião de Alunos, UFRN.

References


ALMEIDA, L. F. O ensino escola e a avaliação do ENEM: reflexões sobre a Geografia ensinada nas escolas. Revista Brasileira de Educação em Geografia, Campinas, v. 5, n. 10, p. 76-87, 2015.

BACHELARD, G. A formação do espírito científico: contribuição para uma psicanálise do conhecimento. Rio de Janeiro: Contraponto, 2006.

BARROS, S. C. B. et al. O que pensam professores sobre a prova do ENEM: o caso da Redação. In: Educação no Século XXI - Volume 24 – Docência. Belo Horizonte - MG: Editora Poisson, 2019. p. 58-65.

BRASIL. Matriz de Referência para ao ENEM 2009. Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Brasília: MEC/INEP, 2016.

CALLAI, H. C. Educação geográfica: ensinar e aprender Geografia. In: MUNHOZ, G. (Org.) et al. Geografia – Estudo e Ensino – conhecimentos escolares e caminhos metodológicos. São Paulo: Editora Xamã, 2012, p. 73-87.

CARVALHO, A. M. P. et al. Ciências no ensino fundamental: o conhecimento físico. São Paulo: Scipione, 2007.

CHAER, G.; DINIZ, R. R. P.; RIBEIRO, E. A. A técnica do questionário na pesquisa educacional. Evidência, Araxá, v. 7, n. 7, p. 251-266, 2011.

GIL, C. A. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. São Paulo: Atlas, 2008.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA. Exame Nacional do Ensino Médio (Enem): fundamentação teórico-metodológica/Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. – Brasília: O Instituto, 2005.

MANZATO, A. J.; SANTOS, A. B. A Elaboração de Questionários na Pesquisa Quantitativa, 2002. (Minicurso).

MORAES, L. M. S. As ciências humanas na matriz de referência do ENEM e sua reelaboração: fixação de sentidos por meio dos itens. Cadernos da Educação Básica, Rio de Janeiro, v. 3, n. 1, p. 1-15, 2018.

NOCEDO, I. L. et al. Metodología de la investigación educacional. La Habana: Editorial Pueblo y Educación, 2001.

NUNES, A. C. F. As Dificuldades de Ensinar Geografia. Geografia, Londrina, v. 13, n. 1, jan./jun. 2004.

ROCHA, A. A. Um estudo sobre o ENEM e o currículo de Geografia no ensino médio. Giramundo, Rio de Janeiro, v. 1, n. 2, p. 21-32, 2014.

SANTOS, M. A natureza do espaço – Técnica e tempo. Razão e emoção. São Paulo: Hucitec, 1996.

SAYÃO, L. G. S.; NUNES, F. G. A Geografia no Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM): uma análise a partir das provas do período 2005-2008, Revista de Ensino de Geografia, Uberlândia, v. 2, n. 3, p. 36-59, 2011.

SILVA, S. D. R.; SANTOS, R. B.; NÚÑEZ, I. B. As questões de geografia na prova do enem. O que pensam os professores da disciplina? Brazilian Journal of Development, São José dos Pinhais, v. 5, n. 6, p. 6.617-6.631, 2019.

SOUSA, S. M. Z. L. Possíveis impactos das políticas de avaliação no currículo escolar. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 119, p. 175-190, 2003.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n4-078

Refbacks

  • There are currently no refbacks.