Multiplicação in vitro de bromélias Aechmea aquilega e Bromelia balansae / In vitro multiplication of bromeliads Aechmea aquilega and Bromelia balansae

Gabriel Junio da Silva Dias, Letícia Ferreira da Silva, Leonardo Alves Carneiro, Cleiton Mateus Sousa

Abstract


Objetivou-se avaliar a multiplicação in vitro de A. aquilega e B. balansae em função de combinações de ácido naftaleno acético (ANA) e 6-benzilaminopurina (BAP). O experimento foi realizado em fatorial 2x3x4, sendo duas espécies de bromélias (B. balansae e B. aquilega), três níveis de ANA  (0,0; 0,5 e 1,0 mg.L-1) e quatro níveis de BAP (0,0; 1,5; 3,0 e 6,0 mg.L-1), em delineamento inteiramente casualizado, com três repetições e seis plântulas por unidade experimental. Utilizou-se sementes para implantação das culturas in vitro. Após a germinação das sementes, em tubo de ensaio contendo meio MS, com a metade da concentração dos sais, as plântulas foram transferidas para recipientes plásticos, contendo 60 ml de meio MS, suplementado com as concentrações de ANA e BAP propostas. A interação entre ANA e BAP influenciou somente o número de brotos. A interação entre genótipos e BAP influenciou a brotação. O uso de citocinina foi determinante para a proliferação de brotos. Observou diferença entre as bromélias quanto a sensibilidade aos reguladoras de crescimento estudados. A A. aquilega apresentou maior eficiência de brotação em meio com 5,05 mg.L-1 de BAP, enquanto a B. balansae não atingiu o máximo de brotação com 6,0 mg L-1 BAP. Já para o enraizamento in vitro nas duas espécies de bromélias, não é necessário o uso de reguladores de crescimento. A presença de BAP reduziu o enraizamento. Houve diferença na massa fresca e massa seca dos genótipos. A B. balansae apresentou maior massa fresca. As duas espécies demonstraram facilidade na proliferação de brotos, assim como no enraizamento in vitro. Recomenda-se o uso de citocinina para a multiplicação das duas espécies de bromélias estudadas e para obter plântulas com potencial para aclimatização, somente o meio MS.


Keywords


Bromeliaceae, Cerrado, cultura de tecidos, auxina e citocinina.

References


Barboza SBSC, Caldas LS, Souza LAC (2004) Micropropagação do híbrido PExSC-52 e da cultivar SmoothCayenne de abacaxizeiro. Pesq. agropec. bras. Brasília, v.39, n.8, p.725-733, ago.

Galvanese MS, Tavares AR, Aguiar FFA, Kanashiro S, Chu EP, Stancato GC, Harder ICF (2007) Efeito de ana, 6-ba e ágar na propagação in vitro de aechmea blanchetiana (baker) l.b. smith, bromélia nativa da mata atlântica. Revista Ceres. p. 63-67.

George EF (1993) Plant propagation by tissue culture. 2.ed., Edington: Exegetics. v.1.

Grattapaglia D, Machado MA, (1998) Micropropagação. In. Torres AC, Caldas LS, Buso JA (Org.). Cultura de Tecidos e Transformação de Genética de Plantas. 1 Ed. Brasília: SPL. v.1. p. 183-260.

Gupta PP (1986) Eradication of mosaic disease and rapid clonal multiplication of bananas and plantains through meristem tip culture. PlantCell, TissueandOrganCulture, v.6, p.33-39.

Hartmann HT, Kester DE, Davies JRFT, Geneve RL (2011) Plant propagation: principles and practices. 8.ed. São Paulo: Prentice-Hall. p. 915.

Leão JRA, Vasconcelos JM, Beltrão RT, Raposo A, Firmino Junior PC (2014) Micropropagação de AechmeasetigeraMart. exSchult. &Schult. f.: uma bromélia endêmica da Amazônia Ocidental. Biota Amazônia Open JournalSysten. Disponível em Macapá, v. 4, n. 2, p. 117-123.

Londe L N, Rocha SS, Damascena NS, Feitosa FM, Pereira JCG, Martins RN (2015) Avaliação das respostas morfogenéticas em abacaxi ornamental sob diferentes concentrações de ANA. Belo Horizonte: EPAMIG, 2015. 3 p.

Macedo CEC; Silva MG, Nobrega FS, Martins PM, Barroso PAV, Alloufa MAI (2003) Concentrações de ANA e BAP na micropropagação de abacaxizeiro L. Merrill (Ananascomosus) e no cultivo hidropônico das plântulas obtidas in vitro. RevistaBrasileira de Fruticultura. v. 25, p. 501-504.

Mendes GC, Soares CQG, Braga VF, Pinto LC, Santana R, Viccini LF, Peixoto PHP (2007) Multiplicação in vitro de explantes de Billbergia distachia (Vellozo) MEZ (Bromeliaceae). Revista Brasileira de Biociências, v.5, p. 972-974.

Müller B, Sheen J (2007) Advances in cytokinin signaling. Science, v.318, p.68-69.

Murarashige T, Skoog FA (1962) revised médium for rapid growth and bioassays with tabacco tissue cultures. PhysiologyPlantarum, v.15, p.473-497.

Pasqual M, Santos FC, Figueiredo MA, Junqueira KP, Rezende JC, Ferreira EA (2008) Micropropagação do abacaxizeiro ornamental. Horticultura Brasileira 26: 045-049.

Scherwinski-Pereira JE, Lima ECA, Silva TL, Mesquita AGG, Maciel AS, Costa FHS (2012) Double-phase culture system for large scale production of pineapple. Plant Cell, Tissue and Organ Culture, v.109, p. 263-269.

Silva ALL, Franco ETH, Dornelles EB, Bortoli CLR, Quoirin M (2009) In vitro multiplication of Vriesea scalaris E. Morren (Bromeliaceae). Iheringia, v.64, p. 151-156.

Sousa, CM (2005) Otimização de protocolos para propagação in vitro de gérbera (Gerberajamesonii). Dissertação (Mestrado em Fitotecnia) – Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro.

Vieira MAM, Miranda DP, Karsburg IV, Massaroto JA, Ribeiro NG (2014) CALOGÊNESE in vitro DE Bromeliapinguin L. SOB EFEITO DOS FITORREGULADORES ANA E BAP. Enciclopédia Biosfera: Centro científico conhecer. v.10, n.18, p. 736.

Givnish TJ, Barffus MHJ, Van EB, Riina, R, Schulte K, Horres R.; Gonsiska PA, Jabaily, RS, Crayn DM, Smith JAC, Inverno K, Brown GK, Evans TM, Holst BK, Luther HW, Zizka G, Barry PE & Sytsma KJ (2011) Phylogeny, adaptative radiation, and historical biogeography in Bromeliaceae: insights from an eight-locus plastid phylogeny. American Journal of Botany 98: 872-895.

BFG (2015) Growing knowledge: an overview of Seed Plant diversity in Brazil. Rodriguésia, v. 66, n. 4, 1085-1113.

CNCFlora. Bromelia balansae in Lista Vermelha da flora brasileira versão (2012) Centro Nacional de Conservação da Flora. Disponível em . Acesso em 7 janeiro 2019.

Horres R, Schulte K, Weising K, Zizka G (2007) Systematics of Bromelioideae (Bromeliaceae) evidence from molecular and anatomical studies. Aliso, Anaheim, v. 23, n. 1, p. 27-43.

Bispo SM, Ribeiro AS (2011) Variação na composição isotópica do carbono e nitrogênio da matéria orgânica e biomassa da coroa foliar de Aechmea aquilega (Salisb.) griseb bromeliaceae em caatinga, agreste e mata atlântica de Sergipe São Cristóvão. Dissertação (Mestrado em Ecologia e Conservação) – Núcleo de Pós-Graduação em Ecologia e Conservação, Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa, Universidade Federal de Sergipe.

Wanderley MGL, Martins SE, Costa AF (2007) Bromeliaceae. In: Wanderley, M.G.L.; Shepherd GJ, Melhem, TS Flora Fanerogâmica do Estado de São Paulo. São Paulo: FAPESP, p.494.

Del-Claro K (2012) Origens e importância das relações plantas-animais para a ecologia e conservação. In: TOREZAN-SILINGARDI, Helena Maura. (Orgs). Ecologia das Interações Plantas-Animais: Uma Abordagem Ecológico-Evolutiva. Rio de Janeiro: Technical Books, p. 336.

Frank JH, Sreenivasan S, Benshoff PJ, Deyrup MA, Edwards GB, Halbert SE, Hamon AB, Lowman MD, Mockford EL, Scheffrahn RH, Steck GJ, Thomas MC, Walker TJ & Welbourn WC (2004) Invertebrate animals extracted from native Tillandsia (Bromeliales: Bromeliaceae) in Sarasota County, Florida. Florida Entomologist. 87: 176–185.

Sarasan VA, Cripps R, Tamsay MM, Atherton C, McMichen M, Prendergast G & Rowntree JK (2006). Conservation in vitro of threatened plants – progress in the past decade. In vitro Cellular & Developmental Biology-Plant 42: 206-214.

Guerra MP, Dal-Vesco LL (2010) Strategies for the Micropropagation of Bromeliads. In.: Jain, S. M. & Ochatt, S.J. (eds.). Protocols for in vitro propagation of ornamental plants: Methods in Molecular Biology. New York: Humana Press Springer. p.47-66.

Ferreira DF (2003) Programa de análises estatísticas (Statistical Analysis Software) e planejamento de Experimentos - SISVAR. Universidade Federal de Lavras.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n4-062

Refbacks

  • There are currently no refbacks.