Funcionalidade e qualidade de vida em pacientes pós acidente vascular cerebral / Functionality and quality of life in patients after cerebral vascular accident

Irlanda Pereira Vieira, Kátia Flávia Rocha, Jessica Estela Benites, Joelson Henrique Martins de Oliveira, Tuany de Oliveira Pereira, Francielly Anjolin Lescano, Suzi Rosa Miziara Barbosa

Abstract


Introdução:O Acidente Vascular Cerebral(AVC)acomete anualmente 15 milhões de pessoas, causando a morte de 6,7 milhões. É considerado a doença neurológica predominante na prática clínica, que traz déficits neurológicos como a paralisia total ou parcial do hemicorpo (hemiparesia e hemiplegia), comprometimento sensorial, cognitivo e no campo visual. Além de prejudicar a realização das atividades de vida diária, as incapacidades físicas geradas, declinam a autonomia e independida do indivíduo, sendo assim, a assistência fisioterapêutica de suma importância para reabilitação, reversão, ou minimização das sequelas causadas pelo AVC. Objetivo:analisar os efeitos da funcionalidade e da qualidade de vida em paciente pós AVC. Método: trata-se de um estudo quantitativo, de abordagem descritivo, realizado em uma unidade de Cuidados Continuados Integrados no estado de Mato Grosso do Sul (MS), com pacientes para vítimas de acidente vascular cerebral. Resultados:a pesquisa contou com um total de 21 participantes, 21 (100%), com idade variando de 24 a 65anos, sendo 62% do sexo masculino e 91% predominando o AVCi.Diante dos dados, foi possível observar que 81% dos pacientes no início da sua internação possuíam algum grau de dependência antes de qualquer intervenção da fisioterapia, ou outrosprofissionais da equipe multiprofissional,sendo que 38% tinha um grau de dependência grave ou total, apenas 4 pacientes (19%) eram independentes após serem vítimas de AVC. Porém, na alta hospitalar 58% dos pacientes tornaram-se completamente independentes, apenas 19%, o que correspondem a 4 pacientes, do total pesquisado, ainda possuíam dependência total ou grave, 81% dos pacientes obtiveram algum ganho em seu estado clinico durante a internação que corroborou em uma maior independência e autonomia.Conclusão: os indivíduos acometidos por Acidente Vascular cerebral possuem sequelas que corroboram para o declínio da funcionalidade da qualidade de vida, visto que os dois estão interligados, resultados de fatores de risco que pode estar delineando um novo perfil dessa população composta por indivíduos menores que 60 anos predominantemente do sexo masculino.

 

 


Keywords


Acidente Vascular Cerebral; Funcionalidade; Fisioterapia; Reabilitação; Centros de Reabilitação.

References


ALBANO L, PINHEIRA V, COUTINHO A. Intervenção da fisioterapia em indivíduos após AVC em condição crônica. In: Congresso Português do AVC.. Sociedade Portuguesa de Neurologia, Lisboa, 2013. Register: http//.handle.net./10400.11/1812.

ALMEIDA EO, FALEIROS BE, MARTINS C, LEMOS SMA, TEIXEIRA AL. Características clínico-demográficas dos acidentes vasculares encefálicos de pacientes atendidos no Hospital Público Regional de Betim, MG. RevMed Minas Gerais 2011; 21(4): 384-389.

ARRAIS JÚNIOR, S. L.; LIMA, A. M; SILVA, T. G.. Atuação dos profissionais fisioterapeutas na reabilitação do paciente vítima de acidente vascular encefálico. Revista Interdisciplinar, 2016, 9;(3):179-184.

ARAÚJO F, RIBEIRO JLP, OLIVEIRA A, PINTO C. Validação do Índice de Barthel numa amostra de idosos não institucionalizados. Rev. Port. de Saúde Pública, 2007;25(2):59-66.

ARAUJO JP, DARCIS JVV, TOMAS ACV, MELLO WA. Tendência da Mortalidade por Acidente Vascular Cerebral no Município de Maringá, Paraná entre os Anos de 2005 a 2015. International Journal of Cardiovascular Sciences. 2018;31(1):56-62. DOI: http//www.doi.org/ 10.5935/2359-4802.20170097.

CASTRO PO, MARTIN MMFPS, COUTO GMA, REIS MG. Terapia por caixa de espelho e autonomia no autocuidado após acidente vascular cerebral: programa de intervenção. Rev. Enf. Ref. 2018, 4;(17):95-106. DOI: http://dx.doi.org/10.12707/RIV17088.

COSTA FA, SILVA DLA, ROCHA VM. Severidade clínica e funcionalidade de pacientes hemiplégicos pós-AVC agudo atendidos nos serviços públicos de fisioterapia de Natal (RN).Ciência & Saúde Coletiva, 2011, 16(Supl. 1):1341-1348. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-81232011000700068.

CORREIA JP, FIGUEIREDO AS, COSTA HM, BARROS P, VELOSO LM.Investigação Etiológica do Acidente Vascular Cerebral no Adulto Jovem. Medicina Interna. 2018, 25;(3):213-223. DOI:http://dx.doi.org/10.24950/rspmi/revisa o/200/3/2018

GASPARI AP, CRUZ EDA, BATISTA J, ALPENDRE FT, ZÉTOLA V. LANGE MC. Preditores de internação prolongada em Unidade de Acidente Vascular Cerebral (AVC). Rev. Latino-Am. Enfermagem 2019;27:e3197. DOI: https://doi.org/10.1590/1518-8345.3118.3197.

GOULART, B. N. G;ALMEIDA, C. P. B.;SILVA, M. W. Da; OENNING, N. S. X.; LAGN,V. B.; Caracterização de acidente vascular cerebral com enfoque em distúrbios da comunicação oral em pacientes de um hospital regional. AudiolCommun Res. 2016;21:e1603. DOI: https://doi.org/10.1590/2317-6431-2015-1603.

LUVIZZUTO GJ, GAMEIRO MO. Efeito da espasticidade sobre os padrões lineares de marcha em hemiparéticos. Fisioter. Mov, 2011, 24;(4):705-712. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/fm/v24n4/15.pdf. Acesso em 21 de outubro de 2019

MOREIRA KLAF, TORRES CKD, DANTAS MDF, ANDRADE SMMS. Toxina botulínica A e intervenção fisioterapêutica no tratamento do ombro doloroso pós acidente vascular cerebral: relato de caso. RevSeminaCiêncBiol Saúde. Paraíba. 2007; 28(2):119-26.DOI: http:dx.doi.org/10.5433/1679-0367.2007v28n2p119.

MOURA EGS, et al. Relação entre a Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde (CIF) e a limitação de atividades e restrição à participação de indivíduos com hanseníase. Cad. Saúde Colet., Rio de Janeiro, 25 (3): 355-361, 2017. DOI: https://doi.org/10.1590/1414-462x201700030336.

PASSOS KO, CARDOSO MCAF, SCHEEREN B. Associação entre escalas de avaliação de funcionalidade e severidade da disfagia pós-acidente vascular cerebral. CoDAS [online]. 2017;29(1):e20160111 DOI: https://doi.org/10.1590/2317-1782/20172016111.

REIS RD, PEREIRA EC, PEREIRA MIM, SOANE AMNC, SILVA JV. Significados para os familiares de conviver com um idoso com sequelas de Acidente Vascular Cerebral (AVC) Interface (Botucatu) [online], 2017; 21(62):641-50. DOI: https://doi.org/10.1590/1807-57622016.0206.

SILVA IFG,NEVES, CFS,VILELA ACG, BASTOS LMD, HENRIQUES MILS. Viver e Cuidar Após o Acidente Vascular Cerebral. . Rev. Enf. Ref. [online]. 2016, 4;(8): 103-111. DOI: http://dx.doi.org/10.12707/RIV15047.

SILVA E SOUZA SR. Reabilitação funcional para membros superiores pós-acidente vascular encefálico. RevbrasFisioter , 2003,4(3):195-199.

YOSHIDA, H.M.; BARREIRA, J.; FERNANDES, P.T. Habilidade motora, sintomas depressivos e função cognitiva em pacientes pós-AVC. FisioterPesqui. 2019;26(1):9-14. DOI:https://doi.org/10.1590/1809-2950/17001026012019.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n4-056

Refbacks

  • There are currently no refbacks.