Análises físico-químicas na caracterização de bebidas isotônicas e carboidratadas em Belo Horizonte- MG / Physicochemical analysis for determining isotonic and carbohydrated beverages in Belo Horizonte-MG

Letícia Fraga Ferreira, Ana Clara Manini Soutelo, Ana Maria de Resende Machado, Fátima de Cássia Oliveira Gomes, Flávia Regina de Amorim, Anderson Arthur Rabello

Abstract


Com a crescente busca por uma vida saudável e a grande demanda pela prática de atividades físicas, o mercado de bebidas isotônicas começou a expandir-se e ampliar-se, com variadas marcas e sabores para atender ao consumidor. Segundo a Agência de Vigilância Sanitária (ANVISA), por meio da Resolução da Diretoria Colegiada (RDC) n° 18/2010, as bebidas isotônicas são repositoras hidroeletrolíticas destinadas a atletas (pessoas que praticam atividades físicas intensas, frequentes e de longa duração). Com o intuito de averiguar-se a qualidade físico-química das bebidas e a correspondência entre as concentrações de sódio e potássio rotuladas nas embalagens do produto e as encontradas nas amostras, realizou-se determinações de acidez titulável, pH, sólidos solúveis e dos íons sódio e potássio. Para a determinação da acidez titulável e pH, foram utilizadas técnicas potenciométricas. Para a quantificação de sólidos solúveis, utilizou-se um refratômetro de Abbé e para a determinação dos íons sódio e potássio foi empregada a espectrometria de absorção atômica (EAA) com atomização em chama. As amostras apresentaram pH entre 3,05 e 3,78; acidez titulável entre 2,71 e 6,35 e os sólidos solúveis entre 0,19 e 7,3 °Brix. As concentrações dos analitos Na e K na maioria das amostras diferiram significativamente em relação ao rotulado. A maioria das amostras isotônicas apresentou concentrações de sódio superiores e de potássio inferiores em relação ao rotulado no produto. Já as amostras de bebidas carboidratadas apresentaram comportamento oposto, uma vez que foram encontradas concentrações superiores para o potássio e inferiores para o sódio, em relação ao rotulado. Os valores permitidos pela RDC 18/2010 para as bebidas isotônicas são de 460 a 1150 mg L-1 para o sódio e máximo de 700 mg L-1 para o potássio, além de máximo de 8% m v-1 para os carboidratos. Apenas a amostra da marca B, sabor 4 apresentou concentração de sódio inferior ao limite permitido.


Keywords


Bebidas isotônicas; Análises físico-químicas; Sódio e Potássio.

References


ABIR. Isotônicos. Associação Brasileira das Indústrias de Refrigerantes e de bebidas não alcoólicas. Disponível em: . Acesso em 9 de outubro de 2019.

IAL - INSTITUTO ADOLFO LUTZ. Normas analíticas do Instituto Adolfo Lutz: métodos químicos e físicos para análise de alimentos. 1ª ed. Digital. São Paulo: IAL, 2008.

INMETRO - Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (2008). Orientação sobre validação de métodos analíticos. DOQ-CGCRE-008. Revisão 05 – Agosto 2016. Disponível em http://www.inmetro.gov.br/credenciamento/organismos/doc_organismos.asp?tOrganismo=CalibEnsaios, acesso em 01 mar 2019.

AGILENT TECHNOLOGIES. Flame Atomic Absorption Spectrometry – Analitical Methods, Mulgrave, Victoria, Australia, Twelfth edition, 2015 – COOKBOOK

ANVISA, Agência Nacional de Vigilância Sanitária Resolução RDC n. 18 de 27 de abril de 2010, Ministério da Saúde. 2010

CAMPOS, E. M. F.; ROGONI, T. T.; MASSOCATTO, C. L; DINIZ, K. M.; CAETANO, J.; DRAGUNSK, D. C. Quantificação de minerais em sucos industrializados. Arquivos de Ciências da Saúde da UNIPAR.14(1):11-16, 2010.

CAVALCANTI, A. L.; XAVIER, A. F. C.; SOUTO, R. Q.; OLIVEIRA M. C.; SANTOS, J. A.; VIEIRA, F. F. Avaliação In Vitro do Potencial Erosivo de Bebidas Isotônicas. Revista Brasileira de Medicina e Esporte. 16(6):455-458, 2010.

CAVALCANTE, M. S.; COSTA, C. L. S. Uso de bebidas isotônicas por praticantes de atividade física em Teresina-PI. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva. 11(66), 657-661, 2017.

DIONÍZIO D. G. B. Sódio e potássio: Vilões da água mineral. Uma abordagem analítica e suas aplicações no ensino de química. Universidade Federal Fluminence, Instituto de Química, Niterói- RJ, 2016.

GEITTENS, R. M. R.; Estudo comparativo entre bebidas isotônicas e hidrotônicas. 2012. 47 p. Monografia (graduação). Universidade tecnológica federal do Paraná, Curso de tecnologia em alimentos, 2012.

GIRONÉS-VILAPLANA, A.; VILLAN, D.; Moreno, D. A.; Garcıa-Viguera, C. New isotonic drinks with antioxidante and biological capacities from berries (maqui, açaí and blackthorn) and lemon juice. International Journal of Food Sciences and Nutrition, 64(7):897-906, 2013.

GUBOLINO, S. I. F. Qualidade físico-química e microbiológica de refrigerantes sabor guaraná em embalagens PET-2000mL e ocorrência de leveduras; 2007. 71 f. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual Paulista, Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas, 2007.

LEŚNIEWICZ, A.; GRZESIAK, M.; ŻYRNICKI, W.; BORKOWSKA-BURNECKA, J. Mineral composition and nutritive value of isotonic and energy drinks. Biological Trace Element Research.170(2):485-495, 2016.

PETRUS, R. R.; FARIA, J. A. F. Processamento e avaliação da estabilidade de bebidas isotônicas em garrafa plástica; Ciência e Tecnologia de Alimentos.25(3), 518 a 524, 2005.

PIRES, E. G., CARNEIRO, F. G.; MELO, J. B. C. A.; MILANEZ, A. F.; MENDES, A. D. L.; BONAN, P. R. F. Influência do pH de bebidas isotônicas sobre a microdureza de resinas compostas. Arquivos Em Odontologia. 51(3)123-128, 2015.

SALIBA, J. Análise físico-química de bebidas isotônicas comercializadas em Belo Horizonte –MG, TCC (monografia) Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (CEFET-MG), Belo Horizonte, 2019.

SILVA, E. R. Análise fisico-química de bebidas isotônicas comercializadas no município de Ariquemes-RO, Faculdade de Educação e Meio Ambiente, Ariquemes-RO, 2013.

WESCHENFELDER, D.; CONDE, S. R. Consumo de bebidas isotônicas em praticantes de musculação. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva. 6(36), 458-463, 2012.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n4-047

Refbacks

  • There are currently no refbacks.