Composição química, atividade antioxidante e qualidade microbiológica do extrato aquoso de Mentha piperita, de acordo com o tempo de decocção / Chemical composition, antioxidant activity and microbiological quality of the aqueous extract of Mentha piperita, according to the decoction time

Rafaela Franco Dias Bruzadelli, Letícia Marques Ruzzi, Luana Cristina Barbieri da Silva, Fábio Moda Magnoni, Karina Mara Labanca, Fernando Luiz de Morais Rocha, Poliana Coste e Colpa, Ingridy Simone Ribeiro

Abstract


O uso do chá é baseado na crença popular, mas esse conhecimento empírico aos poucos vem sendo substituído pela base científica por meio de pesquisas que incluem atividades terapêuticas de espécies já muito usadas na medicina popular. Pode ser rico em compostos fenólicos, cuja atividade antioxidante está ligada às suas propriedades redutoras e estrutura química. Há divergências quanto ao melhor método de preparação, por que este trabalho objetiva definir o tempo de decocção mais eficiente do extrato aquoso de Mentha piperita, levar em consideração ou teor teórico de compostos fenólicos, uma porcentagem da atividade seqüencial de radicais livres DPPH e o microbiológico em placa de Petri. Concluído-se que apesar do teor de compostos fenólicos aumentar conforme o maior tempo de decocção, as mídias da porcentagem de atividade seqüencial de radicais livres DPPH não diferem entre si. Para uma análise microbiológica, a partir do tempo de 5 minutos diminui consideravelmente o número de bactérias, sendo assim definido em 10 minutos de decocção ou mais eficiente.

 


Keywords


Chá; Compostos fenólicos; DPPH; Hortelã-pimenta; Microbiologia.

References


ANGELO, Priscila Milene; JORGE, Neuza. Compostos fenólicos em alimentos - uma breve revisão. Revista Instituto Adolfo Lutz, São Paulo, v. 66, n. 1, 2007.

BRAND-WILLIAMS, W.; CUVELIER, M.E .; BERSET, C. Uso de um método radical livre para avaliar a atividade antioxidante. Lwt - Food Science and Technology, v. 28, n. 1, p. 25-30, jan. 1995.

FERREIRA, D. F. Sisvar: a Guide for its Bootstrap procedures in multiples comparisons. Ciência e Agrotecnologia, v. 38, n. 2, 2014.

HABER, L.L. et al. Diferentes concentrações de solução nutritiva para o cultivo de Mentha piperita e Melissa officinalis. Horticultura Brasileira, v.23, n.4, p.1006-9, 2005.

KAURINOVIC, Biljana et al. Antioxidant capacity of Ocimum basilicum L. and Origanum vulgare L. extracts. Molecules, v. 16, n. 9, p. 7401-7414, 2011.

OLIVO, Clair Jorge et al. Extrato aquoso de fumo em corda no controle do carrapato de bovinos. Ciência Rural, v. 39, n. 4, p. 1131-1135, 2009.

LORENZI, H.; MATOS, F. J. A. Plantas Medicinais no Brasil: nativas e exóticas. Instituto Plantarum de Estudos da Flora Ltda. Nova Odessa, SP, 512 p, 2002.

MASCHEN, R. C. et al. Controle de qualidade das folhas de Ginkgo bibola L. comercializadas para decocção e infusão. Revista Sapientia–PIO XII, nº12 Nov, 2013.

SOUZA, Tatiane Pereira de; LIONZO, Maria Ismenia Zulian; PETROVICK, Pedro Ros. Avaliação da redução da carga microbiana de droga vegetal através do processamento tecnológico: decocção e secagem por aspersão. Revista brasileira de farmacognosia. São Paulo, SP. Vol. 16, n. 1 (jan./mar. 2006), p. 94-98, 2006.

SINGLETON, V. L. et al. Analysis of total phenols and other oxidation substrates and antioxidants by means of Folin-ciocalteu reagent. Oxidants and Antioxidants part A, p. 152-178, 1999.

SOARES, Luiz Alberto Lira et al. Desenvolvimento tecnológico de soluções extrativas aquosas de Phyllanthus niruri L.(quebra-pedra) empregando planejamento fatorial. Caderno de farmácia. Porto Alegre, RS. Vol. 14, n. 1/2 (jan./dez. 1998), p. 21-26, 1998.

SOUSA, CM de M. et al. Fenóis totais e atividade antioxidante de cinco plantas medicinais. Química nova, v. 30, n. 2, p. 351-355, 2007.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n4-039

Refbacks

  • There are currently no refbacks.