Entre o local e o nacional: os desafios contemporâneos na gestão da política nacional de práticas integrativas e complementares em saúde direcionados para a atenção básica, no município de São Luís - MA. / Between local and national: contemporary challenges in the management of the national policy of integrative and complementary health practices directed to primary care, in the city of São Luís - MA.

Alinne Silva Andrade Costa, Andréa Suzana Viera Costa, Érica Celestino Cordeiro, Rafael de Abreu Lima, Silvia Cristianne Nava Lopes

Abstract


O uso das Práticas Integrativas e Complementares (PICs) e sua institucionalização na Atenção Básica constitui um desafio. O objetivo deste artigo foi identificar dificuldades na gestão da Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares em São Luís - MA. Foi realizada uma Revisão Integrativa de literatura. Observou-se o uso das PICs para tratamento de patologias específicas, com perspectiva biomédica. Conclui-se que ainda há muito a ser executado, em nível local para garantir o acesso da população às técnicas de PICs.

 


Keywords


Práticas de Saúde Integrativas e Complementares. Sistema Único de Saúde. Políticas Públicas de Saúde. Medicina Integrativa. Acupuntura.

References


AMARAL, F.M.M.; COUTINHO, D.F.; RIBEIRO, M.N.S.; OLIVEIRA, M.A. Avaliação da qualidade de drogas vegetais comercializadas em São Luís, Maranhão, Brasil. Rev. Bras. Farmacogn, v.13, supl., p.27-30, 2003. Disponível em: . Acesso em 16 fev. 2019.

ANTUNES, L.B. Práticas integrativas complementares em saúde: “mindfulness” no controle das cefaleias, uma revisão sistemática e metanálise. Dissertação (Mestrado Profissional do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva) - Universidade do Extremo Sul Catarinense - UNESC, 2018, 99 f.

ANVISA, Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução - RDC nº 18, de 03 de abril de 2013. Dispõe sobre as boas práticas de processamento e armazenamento de plantas medicinais, preparação e dispensação de produtos magistrais e oficinais de plantas medicinais e fitoterápicos em farmácias vivas no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União. Brasília, DF, 14 de mar. de 2013. Disponível em: . Acesso em: 25 fev. 2019.

BENEVIDES, I. Inserção da medicina Antroposófica no Sistema Único de Saúde: aspectos históricos, marcos normativos e desafios para sua implementação. Arte Médica Ampliada, v.32, n.1, 2012.

BRASIL, Constituição da República Federativa do Brasil. Promulgada em 05 de outubro de 1988. 21ª ed. São Paulo: Saraiva, 1999.

______, Ministério da Saúde. Portaria n° 971, de 03 de maio de 2006. Aprova a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC) no Sistema Único de Saúde. Brasília (DF): MS; 2006. Disponível em: . Acesso em: 19 fev. 2019.

______, Ministério da Saúde. Portaria nº 886, de 20 de abril de 2010. Institui a Farmácia Viva no âmbito do Sistema Único de Saúde. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 22 abr. 2010. Disponível em: . Acesso em: 10 fev. 2019.

______, Ministério da Saúde. Portaria nº 1.897, de 26 de julho de 2017. Estabelece a Relação Nacional de Medicamentos Essenciais: RENAME 2017. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 26 jul. 2017a. Disponível em: < http:// http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/relacao_nacional_medicamentos_rename_2017.pdf> Acesso em: 25 jan 2019.

______, Ministério da Saúde. Portaria n° 849, de 27 de março de 2017. Inclui a Arteterapia, Ayurveda, Biodança, Dança Circular, Meditação, Musicoterapia, Naturopatia, Osteopatia, Quiropraxia, Reflexoterapia, Reiki, Shantala, Terapia Comunitária Integrativa e Yoga à Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares. Brasília; 2017b. Disponível em: < http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prt0849_28_03_2017.html>. Acesso em: 19 fev. 2019.

______, Ministério da Saúde (BR). Portaria n° 702, de 21 de março de 2018. Inclui a Apiterapia, Aromoterapia, Bioenergética, Constelação Familiar, Cromoterapia, Geoterapia, Hipnoterapia, Imposição de mãos, Ozonioterapia e Terapia de Florais à Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares. Brasília; 2017. Disponível em: < http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2018/prt0702_22_03_2018.html>. Acesso em: 19 fev. 2019.

GODINHO, J.W.L. Atenção farmacêutica em fitoterapia: avaliação da comercialização e controle de qualidade de produtos à base de folhas de Passiflora spp. adquiridos em farmácias no município de São Luís, Maranhão, Brasil. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharel em Farmácia) - Universidade Federal do Maranhão, 2014, 27 f.

IBGE, Brasil em Síntese. Cidades e estados do Brasil. Disponível em: . Acesso em: 21 fev. 2019.

MENDES, K.S.; SILVEIRA, R.C.C.P.; GALVÃO, C.M. Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Rev. Texto e Contexto - Enfermagem. São Paulo, v. 17, n. 4, p.758-764, dez. 2008.

ONU, Organização das Nações Unidas no Brasil. 17 Objetivos para transformar nosso mundo. Brasília: ONU; 2015. Disponível em: . Acesso em: 05 fev. 2019.

PAIVA, L.F. Práticas integrativas e complementares exercidas pelos profissionais de saúde no SUS: uma revisão sistemática sem metanálise. Dissertação (Mestrado Profissional Multidisciplinar em Saúde) - Universidade Federal de Santa Catarina, 2016, 177 f.

SÃO LUÍS, Secretaria Municipal de Saúde. Coordenação da Atenção Básica. Distribuição das equipes de saúde da família e das equipes de agentes comunitários de saúde por distrito e unidades de saúdes. São Luís: SMS, 2016.

SÃO LUÍS AGÊNCIA DE NOTÍCIAS [ONLINE]. Prefeitura de São Luís amplia assistência aos pacientes com procedimentos de acupuntura. 19 mai. 2018. Disponível em . Acesso em 24 fev. 2019.

SOUSA, I.; TESSER, C.D. Medicina Tradicional e Complementar no Brasil: inserção no Sistema Único de Saúde e integração com a atenção primária. Cad. Saúde Pública. v.33, n.1, p. 1-15, jan. 2017. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/csp/v33n1/1678-4464-csp-33-01-e00150215.pdf>. Acesso em 24 fev. 2019.

SOUSA, L.A.; BARROS, N.F. Práticas Integrativas e Complementares no Sistema Único de Saúde: avanços e desafios. Rev. Latino-Am. Enfermagem 2018, v.26, n.1, p.3041. Disponível em: . Acesso em 22 fev. 2019.

TELESI JÚNIOR, E. Práticas integrativas e complementares em saúde, uma nova eficácia para o SUS. Rev. Estudos Avançados, v.30, n.86, p.99-112, 2016.

THIAGO, S.C.S.; TESSER, C.D. Percepção de médicos e enfermeiros da Estratégia de Saúde da Família sobre terapias complementares. Rev Saúde Pública. 2011; v.45, n.2, p.249-57. Disponível em . Acesso em 24 fev. 2019.

UNITED NATIONS RESEARCH INSTITUTE FOR SOCIAL DEVELOPMENT [ONLINE]. Health Systems as Social Institutions: progress towards health in all policies. May 2013. Disponível em: . Acesso em: 12 fev. 2019.

VALADARES, C.; BERALDO, N. Portal Ministério da Saúde [ONLINE]. No Maranhão, 96 municípios utilizam práticas integrativas no tratamento de pacientes do SUS. 15 mar. 2018. Disponível em: . Acesso em: 19 fev. 2019.

YAMAGUCHI, M.U.; BERNUCI, M.P.; PAVANELLI, G.C. Produção científica sobre a Política Nacional de Promoção da Saúde. Rev. Ciênc Saúde Coletiva. 2016; v.21, n.6, p.1727-36. Disponível em: . Acesso em: 18 fev. 2019.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n4-032

Refbacks

  • There are currently no refbacks.