Mapeamento da rede de atenção a pessoa idosa: um panorama das entidades mantidas pela sociedade civil no município de São Luís – MA / Mapping the elderly attention network: an overview of the entities maintained by civil society in the municipality of São Luís – MA

Ana Hélia de Lima Sardinha, Késia Magna Maia Sá, Maria Lúcia Holanda Lopes, Rafael de Abreu Lima, Silvia Cristianne Nava Lopes

Abstract


A sociedade civil organizada permite maior participação das decisões relacionadas à sua realidade social, incluindo os direitos da pessoa idosa. O objetivo desse estudo foi mapear geograficamente as instituições administradas pela sociedade civil que prestam serviços à pessoa idosa em São Luís - MA. Trata-se de uma pesquisa transversal de caráter quantiqualitativa que constatou-se que estas instituições são distribuídas de forma desigual. Quanto aos serviços, inserção, acesso e permanência da pessoa idosa nas mesmas, a articulação das entidades dos órgãos públicos acontece, porém de maneira burocrática, o que prejudica o desenvolvimento dos serviços que oferecem.

 


Keywords


Mapeamento. Rede. Idoso. Assistência.

References


BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1979.

BRASIL, Ministério da Saúde. Portaria nº 4.279, de 30 de dezembro de 2010. Estabelece diretrizes para a organização da Rede de Atenção à Saúde no âmbito do SUS. Disponível em: . Acesso em 10 nov. 2016.

CAMARANO, A. A. Envelhecimento da população brasileira: continuação de uma tendência.2011.Disponívelem: Acesso em: 10 de nov. 2016

CARNEIRO, L.A.F, et. al. Envelhecimento populacional e os desafios para o sistema de saúde brasileiro. Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS). Disponível em: . Acesso em: 20 out. de 2016.

COUTO, B. R. O Direito Social e a Assistência Social na sociedade brasileira: uma equação possível? São Paulo: Cortez, 2004

IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em: www.cidades.ibge.gov.br/. Acesso em 12 de out de 2016.

MENDES, E.V. As redes de atenção à saúde. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde,v.549,2011.Disponívelem: Acesso em 12 abr. 2016.

MINAYO, M.C.S. O desafio doconhecimento: Pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec-Abrasco, 2010.

PINHO, L.A.O, et.al. O perfil das entidades sociais certificadas como Organizações da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIPs) da Região Nordeste do Brasil.Bahia 2006 . Disponível em: < http://www.aedb.br/seget/arquivos/artigos08/458_-OSCIPs.pdf>. Acesso em: 20 out. 2016

ROLIM, L.B, et al. Participação popular e o controle social como diretriz do SUS: uma revisãonarrativa.Fortaleza.2013.Disponívelem:. Acesso em: 15 nov. 2016

SANTOS, L. Redes interfederativas de saúde: um desafio para o SUS nos seus vinte anos. São Paulo. 2008. Disponível em: . Acesso em: 20 out. 2016.

SCHMIDT.V. V. Sociedade Civil Organizada Políticas Públicas e Políticas de saúde no Brasil. Revista internacional interdisciplinary INTERTHESIS. Florianópolis V.3 n.1 Jan/Jun 2006.TEXEIRA, S.M.F. O desafio da gestão das redes de políticas. Lisboa, Portugal. 2002. Disponívelem:. Acesso em: 26 out. 2016

TONON, A.S.et al POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA AO IDOSO. São Paulo. 2009. Disponívelem:. Acesso em: 20 nov. 2016

VELOSO, A.S.T. Envelhecimento, Saúde e Satisfação Efeitos do Envelhecimento Ativo naQualidadedeVida.CoimbraJunhode2015.Disponívelem:. Acesso em: 15 nov. 2016

VERAS, R. P. Terceira Idade. Gestão Contemporânea em Saúde. Relume-Dumará; 2002. Disponível em: Acesso em: 20 nov. 2016




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n4-030

Refbacks

  • There are currently no refbacks.