Análise dos compostos voláteis presentes em bebidas isotônicas comercializadas em Belo Horizonte – MG / Analysis of volatile compounds in isotonic beverages marked in Belo Horizonte – MG

Ana Clara Manini Soutelo, Letícia Fraga Ferreira, Jéssica Saliba, Ana Maria de Resende Machado, Fátima de Cássia Oliveira Gomes

Abstract


As bebidas isotônicas são consumidas para repor eletrólitos, mas seu sabor básico desagrada aos consumidores. Logo, a adição de flavorizantes agrega ao produto elementos nutritivos além de realçar o sabor e o aroma, devido aos compostos voláteis que são responsáveis por esta característica. Assim, é importante analisar estes componentes para avaliar a qualidade das bebidas. A cromatografia gasosa é a técnica mais indicada para esta análise, mas por tratar-se de amostras aquosas é necessário realizar um tratamento prévio antes da análise. Empregou-se técnicas que minimizam o uso de solventes e a geração de resíduos. Amostras de marcas e sabores diferentes foram submetidas a Microextração Líquido-Líquido Dispersiva (DLLME) adicionando-se 0,5 mL de acetato de etila, com 0,3 mL de acetona em 5 mL de amostra contendo 0,2 g de cloreto de sódio. Agitou-se a mistura em vortex, centrifugou-a e submeteu-se a fase orgânica à análise por GC-MS. As análises revelaram como principais compostos voláteis: limoneno, butanoato de etila, α-terpineol, β-Linalol, β-terpineol, 1-terpien-4-ol, ácido sórbico e o ácido benzoico. A presença do limoneno fornece um aroma frutal e inibe o crescimento microbiano nas bebidas. O α-terpineol, apresenta ação aromatizante, antioxidante e antimicrobiano. O ácido sórbico é conhecido como inibidor de bolores e leveduras, além de possuir eficiência antimicrobiana, possuindo ação conservante. O butanoato de etila, encontrado em sucos de maracujá, é responsável pelo aroma típico dessa fruta. As técnicas empregadas permitiram avaliar o perfil dos constituintes voláteis responsáveis pelo aroma e sabor destas bebidas, mostrando que uma mesma marca apresentou compostos comuns para diferentes sabores e bebidas de mesmo sabor e de marcas diferentes mostraram também componentes semelhantes.


Keywords


Bebidas isotônicas; DLLME; GC-MS

References


ABIR. Associação Brasileira das Indústrias de Refrigerantes e de Bebidas não Alcoólicas: Produção e consumo de isotônicos no Brasil. [2018]. Disponível em: https://abir.org.br/o-setor/dados/isotonicos/. Acesso em: 11 de fevereiro de 2020.

ANVISA. Resolução de diretoria colegiada – RDC nº 18, de 27 de abril de 2010. Abril de 2010. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Brasília, DF, 28 de abril de 2010.

BRAGA, A.; BELO, I. Biotechnological production of γ-decalactone, a peach like aroma, by Yarrowia lipolytica. World Journal of Microbiology and Biotechnology, 32(169):1-8, 2016.

BILAU, M.; MATTHYS, C.; VINKX, C.; HENAUW, S. Intake assessment for benzoates in different subgroups of the Flemish population. Food and Chemical Toxicology, 46:717-723, 2008.

ENGEL, R. G.; KRIZ, G. S.; LAMPMAN, G. M.; PAVIA, D. L. Introduction to Organic Laboratory Techniques: A Small Scale Approach. 3. ed. Canada: Cengage Learning, 2011.

FANI, M. Os conservantes mais utilizados em alimentos. Aditivos e Ingredientes, 1(123):40-46, 2015.

GONZÁLEZ-FANDOS, E.; DOMINGUEZ, J..L. Effect of potassium sorbate washing on the growth of Listeria monocytogeneson fresh poultry. Food Control, 18:842-846, 2007.

KHALEEL, C., TABANCA, N. & BUCHBAUER, G. (2018). α-Terpineol, a natural monoterpene: A review of its biological properties. Open Chemistry, 16(1):349-361. 2018.

LUO, Z. W.; CHO, J. S.; LEE, S. Y. Microbial production of methyl anthranilate, a grape flavor compound. Proceedings of the National Academy of Sciences, 116(22):10749- 10756, 2019.

MACHADO, R. M. D.; JFOUNI, S. A. V.; VITORINO, S. H. P.; VICENTE, E.; TOLEDO, M. C. F. Presença dos ácidos benzoico e sórbico em vinhos e cidras produzidas no brasil. Ciência e Tecnologia de Alimentos. 27(4):847-850, 2007.

MARTINS, L. M. et al; Microextração Líquido-líquido Dispersiva (DLLME): fundamentos e aplicações. Scientia Chromatographica, Santa Maria, 4(1):35-51, 2012.

MÉNAGER, I.; JOST, M.; AUBERT, C. Changes in physicochemical characteristics and volatile constituents of strawberry (Cv. Cigaline) during maturation, Journal of Agricultural and Food Chemistry, 52:1248-1254, 2004.

NAIRAN, N.; ALMEIDA, J. N.; GALVÃO, M; S.; MADRUGA, M. S.; BRITO, E. S. Compostos voláteis dos frutos de maracujá (Passiflora edulis forma Flavicarpa) e de cajá (Spondias mombin L.) obtidos pela técnica de headspace dinâmico. Ciência e Tecnologia de Alimentos, 24(2):212-216, 2004.

OLBRICHT, K.; GRAFE, C.; WEISS, K.; ULRICH, D. Inheritance of aroma compounds in a model population of Fragaria × ananassa Duch. Plant Breeding, 127(1):87-93, 2008.

OLIVEIRA, L.C.; SANTOS, J.A.B.; NARAIN, N.; FONTES, A.S.; CAMPOS, R.S.S.; SOUZA, T.L. Caracterização e extração de compostos voláteis de resíduos do processamento de maracujá (Passiflora edulis Sims f. flavicarpa degener). Ciência Rural, 42(12):2280-2287, 2012.

ROUESSAC, F.; ROUESSAC, A. Chemical Analysis Modern Instrumentation Methods and Techniques. Wiley. Second Edition. 2007. 600p.

SANTOS, J. Z. dos Caracterização química de óleos essenciais de folhas de tangerineira e híbridos. Tese de Doutorado. Brasília: Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária, Universidade de Brasília. 2013, 149 p.

VENQUIARUTO, L. D.; DALLAGO, R. M. Química das Bebidas. In VIERO, E. C.; BACKES, G. T. Bebidas Isotônicas. EDIFAPES:Erechin-RS. p. 14-17.2018.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n4-019

Refbacks

  • There are currently no refbacks.