Validação do banco de dados Brazil gridded meteorological data em algumas estações pluviométricas do Estado do Rio grande do Sul / Validation of the Brazil gridded meteorological data database in some rainfall stations in the State of Rio Grande do Sul

Patrick Morais Veber, Claudia Fernanda Almeida Teixeira-Gandra, Rita de Cássia Fraga Damé, Marcia Aparecida Simonete, Roberta Machado Karsburg, Maria Clotilde Carré Chagas Neta, Pedro Rodrigues Brisolara da Cunha

Abstract


A utilização de séries longas de precipitação e sem falhas é importante em estudos hidrológicos, principalmente quando há a necessidade de obtenção da vazão de projeto, a partir de modelos que transformam chuva em vazão. Apesar da existência de bancos de dados como os da Agência Nacional de Águas e do Instituto Nacional de Meteorologia, muitas estações têm poucos dados e quando os dados existem, possuem falhas. Uma maneira de diminuir a falta de informações é utilizar métodos interpoladores. Assim, objetivou-se verificar se o uso de dados de precipitação do banco Brazil Gridded Meteorological Data de 1980 – 2013 representa um ganho de informação, comparativamente aos dados históricos de quatro estações localizadas no estado do Rio Grande do Sul. As séries utilizadas de precipitação máxima diária anual foram obtidas das estações de Pelotas (3152016), Santa Vitória do Palmar (3253003), Rio Grande (3252006) e Bagé (3154001), bem como o banco de dados de Xavier et al. (2016), cujas variáveis climáticas são obtidas a partir do método de interpolação pelo inverso da distância. Para a análise estatística foram utilizados o Erro Relativo Médio Quadrático, o Viés e o Coeficiente de NashSutcliffe, para verificar as discrepâncias entre as séries interpoladas e os dados pontuais. Além dos índices estatísticos foi utilizado o teste não-paramétrico de Mann-Whitney, para as séries de dados pontuais observados já preenchidos, com o objetivo de avaliar a tendência nas séries. Com os resultados obtidos pode-se concluir que os dados de precipitação gerados por meio do método de interpolação não são indicados para o uso na série de precipitação máxima diária anual, já que os dados desta série possuem ajustes considerados fracos, de acordo com o coeficiente de NashSutcliffe. Para os municípios e períodos analisados não há tendência de mudança climática.


Keywords


Precipitação máxima diária anual, Coeficiente NashSutcliffe, Método interpolador

References


AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS (ANA). Sistema de informações hidrológicas (HidroWeb). Disponível em: < http://hidroweb.ana.gov.br/>. Acesso em 26 abr. 2015.

CARVALHO, J. R. P.; ASSAD, E. D. Análise espacial da precipitação pluviométrica no Estado de São Paulo: comparação de métodos de interpolação. Engenharia Agrícola, v. 25, n. 2, p. 377-384, 2005.

CASAVECCHIA, B. H.; ULIANA, E. M.; SOUZA, A. P.; LISBOA, L.; SOUSA JUNIOR, M. Tendências em séries históricas de precipitação na região amazônica de Mato Grosso. Revista de Ciências Agroambientais, v. 14, n. 2, p. 59-66, 2016.

GHINI, R.; HAMADA, E.; BETTIOL, W. (Org.). Impactos das mudanças climáticas sobre doenças de importantes culturas no Brasil. Jaguariúna: Embrapa Meio Ambiente. 356p. 2011.

MANKE, E. B.; TEIXEIRA-GANDRA, C. F. A.; DAMÉ, R. C. F.; COUTO, R. S.; DISCONZI, P. B. Comparação de dados gerados por interpolação espacial e dados pontuais de precipitação no sul do estado do Rio Grande do Sul. Anais do XLVI Congresso Brasileiro de Engenharia Agrícola, Maceió, 2017.

SILVA, P. M. O.; MELLO, C. R.; SILVA, A. M.; COELHO, G. Modelagem da hidrógrafa de cheia em uma bacia hidrográfica da região Alto Rio Grande. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v.12, p.258-265, 2008.

XAVIER, A. C.; KINGB, C. W.; SCANLONC, B. R. Daily gridded meteorological variables in Brazil (1980–2013). International Journal of Climatology, Wiley Online Library, v. 36, p. 2644-2659, 2016.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n4-010

Refbacks

  • There are currently no refbacks.