Análises física e físico-química de duas cultivares de abacaxi do estado do Acre: Gigante-de-Tarauacá e Rio Branco / Physical and physico-chemical analysis of two pineapple cultivars from the state of Acre: Gigante-de-Tarauacá and Rio Branco

Delcio Dias Marques, Rui Sant’Ana de Menezes, Rogerio Antonio Sartori, Carlos Eduardo Garção de Carvalho, Hervé Louis Ghislain Rogez

Abstract


A caracterização física e físico-química foi realizada em abacaxi (Ananas comosus L. Merrill) das cultivares Gigante-de-Tarauacá (GT) e Rio Branco (RBR-1), cultivadas principalmente nos Municípios de Tarauacá e Rio Branco (AC), respectivamente. As amostras foram coletadas aleatoriamente em estágio de pré-maturação, em 3 plantios de cada município, totalizando 18 amostras para cada cultivar. Os frutos foram descascados manualmente, separados os talos das polpas e homogeneizadas em liquidificador para determinar os seguintes parâmetros: massa do fruto, casca e talos, umidade, sólidos solúveis, pH, acidez titulável, vitamina C, proteína, açúcares totais, resíduo mineral fixo e fibras. Os resultados obtidos mostraram que a cultivar Rio Branco apresentou maiores rendimento de polpa (61,20%), teores de sólidos solúveis (13,84 ºBrix), açúcares totais (10,84%), proteínas (0,58%) e  fibra (0,52%), além de apresentar menor índice de acidez titulável (3,46%), na polpa. A cultivar Gigante-de-Tarauacá apresentou maiores teores de umidade (91,34%), acidez titulável (7,78%) e vitamina C (26,82%), além de apresentar o menor pH (3,46), na polpa. Diante dos resultados, pode-se observar que a cultivar Gigante-de-Tarauacá apresentou frutos com sabor mais ácidos enquanto a cultivar Rio Branco, polpa com elevado teor de açúcares e reduzida acidez, tornando-a agradável ao paladar do consumidor.  


Keywords


Ananas comosus. Análise físico-química. Gigante-de-Tarauacá.

References


ANGELUCCI, E. Análises químicas de alimentos: manual técnico. Campinas: ITAL, 1987. 123 p.

ANVISA. AGENCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITRARIA. Aprova e estabelece regulamento técnico para rotulagem nutricional de alimentos e bebidas embaladas. Resolução RDC n. 40, de 21 de março de 2001. Brasília: ANVISA. Legislação Federal.

ANTUNES, A. M.; ONO, E. O.; SAMPAIO, A. C.; RODRIGUES, J. D. Physico-chemical and harvest time alterations in pineapple fruits “Smooth Cayenne” caused by paclobutrazol. Brazilian Archives of Biology and Technology, Curitiba, v. 51, n. 1, p. 19-26, 2008.

AOAC. ASSOCIATION OF OFFICIAL AGRICULTURAL CHEMISTS. Official methods of analysis. Washington, DC, 1992.

BENGOZI, F. J.; SAMPAIO, A. C.; SPOTO, M. H. F.; MISCHAN, M. M.; PALLAMIN, M. L. 2007. Qualidades físicas e químicas do abacaxi comercializado na CEAGESP – São Paulo. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, v. 29, n. 3, p. 540-545, 2007.

CEAGESP. Programa brasileiro para modernização da horticultura: Normas de classificação do abacaxi. São Paulo: Central de Qualidade em Horticultura (CQH. Documentos, 24). 2003.

GIACONELLI, E. J.; PY, C. O. Abacaxi no Brasil. Campinas: Fundação Cargil, 1981. 101p.

IAL. INSTITUTO ADOLFO LUTZ. Normas analíticas do Instituto Adolfo Lutz: métodos químicos e físicos para análise de alimentos. v. 1, 3. ed. São Paulo: IAL, 1985. 533 p.

IBGE. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATISTICA. Produção agrícola municipal - PAM. [2019]. Disponível em: www.sidra.ibge.gov.br. Acesso em: 5 fev. 2019.

LAMARA. LABORATÓRIO NACIONAL DE REFERENCIA ANIMAL. Métodos analíticos oficiais para controle de produtos de origem animal e seus ingredientes: II – métodos físicos e químicos. 1. ed. Brasília: LANARA, 1981.

OLIVEIRA, J. R. Densidade de plantio e cobertura de solo para cultivo de abacaxizeiro no Acre. 2019. 127 f. Tese (Doutorado em Vegetal) – Universidade Federal do Acre, Rio Branco, 2019.

PEREIRA, M. A. B.; SIEBENEICHLER, S. C.; LORENÇONI, R.; ADORIAN, G. C.; SILVA, J. C.; GARCIA, R. B. M.; PEQUENO, D. N. L.; SOUZA, C. M. de; BRITO, R. F. F. de. Qualidade do fruto de abacaxi comercializado pela cooperativa – Miranorte – TO. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, v. 31, n. 4, p. 1048-1053, 2009.

REINHARDT, D. H. R. C.; BARTHOLOMEW, D. P.; SOUZA, F. V. D.; CARVALHO, A. C. P. P.; PADUA, T. R. P.; JUNGHANS, D. T.; MATOS, A. P. Advances in pineapple plant propagation. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, 2018, v. 40, n. 6, p. 1-22.

REINHARDT, D. H. R.; MEDINA, V. M. Crescimento e qualidade do fruto do abacaxi cvs. Pérola e Smooth Cayenne. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v. 27, n. 3, p. 435-447, 1992.

REIS, L. L.; TARSITNO, M. A. A.; HIRAK, S. S.; BARDIVIESSO, D. M. Custo de produção e rentabilidade de abacaxizeiro cv. Pérola em Cassilândia (MS) sob diferentes doses de potássio. Bioscience Journal, Uberlândia, v. 28, n. 5, p. 725-733, 2012.

RITZINGER, R. Avaliação e caracterização de cultivares de abacaxi do Acre. EMBRAPA: Rio Branco -Acre, 1992. 28 p.

THÉ, P. M. P.; CARVALHO, V. D. de; ABREU, C. M. P. de; NUNES, R. P.; PINTO, N. A. V. D. Efeito da temperatura de armazenamento e do estágio de maturação sobre a composição química do abacaxi cv. Smooth Cayenne L. Ciência e Agrotecnologia, Lavras, v. 25, n. 2, p. 356-363, 2001.

THÉ, P. M. P.; NUNES, R. P.; MOREIRA DA SILVA, L. I. M.; ARAÚJO, B. M. Características físicas, físico-químicas, químicas e atividade enzimática de abacaxi cv. Smooth Cayenne recém colhido. Alimentos e Nutrição, Araraquara, v. 21, n. 2, p. 273-281, 2010.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n4-001

Refbacks

  • There are currently no refbacks.