A construção do feminino na literatura de autoria masculina / The construction of the female in the literature of male authorship

Ana Kelma Cunha Gallas, Samara Calassa de Albuquerque, Gabryelly Stephany da Silva Campelo

Abstract


A literatura é um espaço de afirmação das hierarquias de gênero, determinando pedagogicamente quem é quem na disputa de poderes. Autores homens e brancos predominam não apenas no mercado editorial brasileiro, mas mundialmente, e há séculos. A literatura é um espaço de poder, onde os lugares de fala são monopolizados pelos homens brancos, heterossexuais, urbanos e de classe média (DALCASTAGNÈ, 2012), embora as mulheres sejam a maioria do público leitor no Brasil (PNAD, 2009; IBOPE, 2015). Assim, se a prática do saber sempre será um poder relacional, político, ético e interessado (FOUCAULT, 1999), esta revisão sistemática de literatura tem como objetivo entender a representação da mulher disseminada socialmente por meio da literatura, e, especialmente, investigar essa imagem da mulher construída nas obras literárias feitas por autores homens. Essa investigação se utiliza de artigos, selecionados de periódicos indexados e não indexados em bases de dados nacionais. A literatura brasileira de autoria masculina, assim como outros instrumentos culturais, está aprisionada nos sólidos muros do pensamento universal patriarcal, num território marcado pela exclusão das capacidades da mulher e pela naturalização de estereótipos: mulheres concebidas como: dóceis, sensíveis, delicadas, dona de casa, mãe, os bordados, que abundam as bordas e as notas de rodapé. Daí o descompasso entre o que as mulheres vêm conquistando na sociedade brasileira e a sua representação literária. Numa contramão, as obras de autorias femininas, em menor número, vêm a desenhar um devir político, se desviando dos processos de dessubjetivação típicas da visão de mundo patriarcal.


Keywords


Literatura. Autoria Feminina. Representatividade. Hierarquia de Gênero.

References


AZEREDO, Mônica Horta. Vidas desperdiçadas?: uma análise de Estamira, de Marcos Prado, e No quarto de Vanda, de Pedro Costa. Estud. Lit. Bras. Contemp., Brasília, n. 41, p. 149-165, June 2013.

BEAUVOIR, Simone. O Segundo sexo – fatos e mitos; tradução de Sérgio Milliet. 4 ed. São Paulo: Difusão Européia do Livro, 1980.

BOLLMANN, Stefan. Mulheres que lêem são perigosas. Lisboa: Quetzal Editores, 2007.

CHALHOUB, Sidney e PEREIRA, Leonardo A. de Miranda (orgs). A História Contada. Capítulos de História Social da Literatura Brasileira. Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 1998.

CHARTIER, Roger. O mundo como representação. In: _____. À beira da falésia: a história entre incertezas e inquietude. Trad. Patrícia Chittoni Ramos. Porto Alegre: Ed. Universidade/UFRGS, 2002

CANDIDO, Marcia Rangel; FERES JUNIOR, João. Representação e estereótipos de mulheres negras no cinema brasileiro. Rev. Estud. Fem., Florianópolis , v. 27, n. 2, e54549, 2019 . Available from . access on 29 Jan. 2020. Epub July 04, 2019. http://dx.doi.org/10.1590/1806-9584-2019v27n254549.

DALCASTAGNÈ, Regina. A personagem do romance brasileiro contemporâneo: 1990-2004. 2005.

––––––––––––––––––. Imagens da mulher na narrativa brasileira. O Eixo e a Roda: Revista de Literatura Brasileira, v. 15, p. 127-135, 2007.

¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬––––––––––––––––––. Um território contestado: literatura brasileira contemporânea e as novas vozes sociais. In Besse, Maria Graciete; Tonus, José Leonardo; Dalcastagnè, Regina (Coords.) La littérature brésilienne contemporaine Iberic@l. Revue d'études ibériques et ibéro-américaines, 2012 no. 2 p. 13-18.

FOUCAULT, Michel. História da Sexualidade I: A Vontade de Saber. Rio de Janeiro, Edições Graal, 1999.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso: aula inaugural no Collège de France, pronunciada em 2 de dezembro de 1970. Tradução de Laura Fraga de Almeida Sampaio. São Paulo: Edições Loyola, 2012.

GUSMÃO, Lilian Vanessa Nicácio. As polaridades do feminino na contemporaneidade e a depressão pós-parto: uma visão gestálticaThe polarities of the feminine in contemporary and postpartum depression: a gestalt view. IGT rede, Rio de Janeiro , v. 11, n. 21, p. 308-321, 2014 . Disponível em . acessos em 14 fev. 2020.

PEREIRA, Helena Bonito Couto. "O que quer uma mulher": figuras femininas em Eles eram muitos cavalos. Estud. Lit. Bras. Contemp., Brasília , n. 48, p. 191-208, Aug. 2016 . Available from . access on 27 Jan. 2020. http://dx.doi.org/10.1590/2316-40184810.

MOTA-RIBEIRO, Silvana. Retratos de mulher: um estudo das imagens visuais e sociais do feminino. Actas do III Sopcom, VI Lusocom e II Ibérico, v. 3, p. 657-666, 2005

SALVAIA, Priscila. Nas fronteiras entre o público e o privado: algumas notas sobre a representação (e subversão) dos papéis de gêneros no folhetim Helena (1876), de Machado de Assis. Machado Assis Linha, São Paulo , v. 9, n. 17, p. 51-66, Apr. 2016 . Available from . access on 19 Dec. 2019. http://dx.doi.org/10.1590/1983-682120169175.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil para a análise histórica. SOS Corpo, Recife, 1995.

SOUZA, Maria Thereza Oliveira; CAPRARO, André Mendes; JENSEN, Larissa. "Olhos masculinos nascidos para a contemplação do belo": a relação entre esporte e mulher na crônica esportiva brasileira. Rev. Bras. Ciênc. Esporte, Porto Alegre , v. 39, n. 4, p. 355-361, Dec. 2017 . Available from . access on 19 Dec. 2019. http://dx.doi.org/10.1016/j.rbce.2017.09.001.

SEGATTO, José Antonio; LEONEL, Maria Célia. Refiguração do tempo histórico pela ficção. Estud. Lit. Bras. Contemp., Brasília , n. 39, p. 77-94, June 2012 .




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n3-498

Refbacks

  • There are currently no refbacks.