Transtorno de ansiedade no interior da Amazônia: um estudo de base populacional / Anxiety disorder inside Amazon: a population-based study

Gabriel Ribas Nascimento de Melo, Júlio Cezar de Carvalho Nogueira, Ana Emília Gomes Macêdo, Caroline Gomes Macêdo

Abstract


A ansiedade é um sentimento positivo sob uma perspectiva evolucionista, porém, ela pode tornar-se patológica, o que caracteriza um transtorno de ansiedade. Os transtornos de ansiedade estão entre as doenças psiquiátricas de maior prevalência no mundo. Sendo assim, esse estudo teve como principal objetivo traçar o perfil epidemiológico dos pacientes com transtorno de ansiedade assistidos pelo CAPS II no município de Santarém, no período de 2016 e 2017. O perfil foi traçado a partir do banco de dados do próprio CAPS e de 101 prontuários. Buscou-se analisar o sexo, estado civil, idade, número de filhos, grau de escolaridade, ocupação e renda familiar dos pacientes. Além disso, foi investigado se existe algum período do ano em que a procura pelo serviço do CAPS é maior e quantos atendimentos referentes a transtorno de ansiedade foram feitos nesse CAPS II. Os resultados obtidos mostraram que mulheres apresentam mais transtorno de ansiedade do que os homens. Sobre o estado civil, não apresentaram resultados significativos, tanto para solteiro ou casado. Houve uma singela diferença entre as faixas etárias. A maioria dos pacientes possui mais de 2 filhos, não ingressou no ensino superior, concluiu o ensino médio e vive com até meio salário mínimo. A maior parte iniciou o acompanhamento no primeiro semestre do ano, o que foi válido tanto no ano de 2016 quanto no ano de 2017.


Keywords


Transtorno. Ansiedade. CAPS. Santarém.

References


FILHO, E. P. N.; BUENO, J. R.; NARDI, A. E. Psiquiatria e saúde mental: conceitos clínicos e terapêuticos fundamentais. São Paulo: Editora Atheneu, 2000. Páginas 131-132.

PORTO, Celmo Celeno. Semiologia médica. 7. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2016.

CASTILLO, A. R. G.; RECONDO, R.; ASBAHR, F. R.; MANFRO, G. G. Transtornos de ansiedade. In: Revista Brasileira de Psiquiatria, vol.22 s.2 São Paulo Dec. 2000.

BANDELOW, B.; MICHAELIS, S. Epidemiology of anxienty disorders in the 21st century. Dialogue in Clinical Neuroscience, v. 17, n. 3, set. 2015.

OMS (Organização mundial da Saúde). Depression and Other Common Mental Disorders: Global Health Estimates. Genebra, 2017.

MORORÓ, E.M.L.M; COLVERO, L.A; MACHADO, A.L. Os desafios da integralidade em um Centro de Atenção Psicossocial e a produção de projetos terapêuticos. Revista da Escola de Enfermagem da USP, São Paulo, v.45, n.5, p.1171-1176, 2011.

MANGUALDE, Alice Ananias dos Santos et al. Perfil epidemiológico dos pacientes atendidos em um Centro de Atenção Psicossocial. Mental, Barbacena, v. 10, n. 19, p. 235-248, dez. 2012.

IBGE (Instituto Brasileiro em Geografia e Pesquisa). Estimativa da população 2017 de Santarém, Pará. Disponível em: . Acessado em: 10 de dezembro de 2017.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Saúde mental no SUS: Os centros de atenção psicossocial. Brasília: Ministério da saúde, 2004.

SHEAR, M. K. et al. Anxiety disorders in women: setting a research agenda. Anxiety and disorders association of America. 2005.

KINRYS, G.; WYGANT, L. E. Transtornos de ansiedade em mulheres: gênero influencia o tratamento?. Rev. Bras. Psiquiatria, São Paulo , v. 27, supl. 2, p. s43-s50, Oct. 2005.

BANGASSER. D. A et al. Sex Differences in Corticotropin-Releasing Factor Receptor Signaling and Trafficking: Potential Role in Female Vulnerability to Stress-Related Psychopathology. Mol Psychiatry, vol. 15, nº9, p. 877-904. 2010.

RABASQUINHO, C.; PEREIRA, H. Género e saúde mental: Uma abordagem epidemiológica. Aná. Psicológica, Lisboa , v. 25, n. 3, p. 439-454, 2007 .

IBGE (Censo de 2010)

RODRIGUES, M. E. S. et al. Risco de suicídio em jovens com transtornos de ansiedade: estudo de base populacional. Psico - USF. Vol.17 nº 1 Itatiba Jan./Abri. 2012.

MACHADO, M. B. et al. Prevalência de transtornos ansiosos e algumas comorbidades em idosos: um estudo de base populacional. J. bras. psiquiatr. vol.65 no.1, Rio de Janeiro, 2016.

FERNANDES, M. A. et al. TRANSTORNOS DE ANSIEDADE: VIVÊNCIAS DE USUÁRIOS DE UM AMBULATÓRIO ESPECIALIZADO EM SAÚDE MENTAL. Revista de enfermagem UFPE online. Recife, jan. 2017.

MARAGNO, L. et al. Prevalência de transtornos mentais comuns em populações atendidas pelo Programa Saúde da Família (QUALIS) no Município de São Paulo, Brasil. Cadernos de saúde pública. vol.22, n.8, pp.1639-1648. 2006.

LUDEMIR, A. B. FILHO, D. A. M. Condições de vida e estrutura ocupacional associadas a transtornos mentais comuns. Revista de Saúde Pública. vol.36 nº.2, São Paulo Abr. 2002.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n1-384

Refbacks

  • There are currently no refbacks.