Qualidade de vida de cuidadores de crianças com microcefalia / Quality of life of careers of children with microcephaly

Erika Ribeiro Garcia, Silvania Silva Bezerra, Larissa Islayne Frota dos Reis, Sarah Serra de Azevedo, Eriane Souza Viana, Juliane Wend Vieira Silva, Thalita Beatriz Martins Andrade, Andréa Dias Reis, Ângela Tâmara Souza Barroqueiro, Luciana Pereira Pinto Dias

Abstract


A qualidade de vida (QV) compreende questões intrínsecas e extrínsecas da vida cotidiana tornando-as abrangentes e diferenciadas. Em crianças com microcefalia essas questões impactam na QV dos seus cuidadores e refletem nos aspectos clínicos das mesmas. O objetivo deste estudo foi analisar a qualidade de vida dos cuidadores de crianças com microcefalia. Trata-se de um estudo transversal descritivo, realizado com crianças com diagnóstico médico de microcefalia, de 0 e 2 anos de idade atendidas em um Centro de Referência em Neurodesenvolvimento, Assistência e Reabilitação. O Questionário de Avaliação de Qualidade de Vida Abreviado (WHOQOL-bref) e o Inquérito nutricional de crianças menores de cinco anos de idade–SISVAN, adaptado pelos pesquisadores, foram utilizados nas coletas. Os dados foram tabulados no Excel 2010® e analisados no Stata 14.0. A QV dos cuidadores quanto a satisfação com a saúde (17,27%), percepção da QV (18,08%) e no Domínio Meio Ambiente (52,83%), apresentaram os menores percentuais. Prevaleceram cuidadores do gênero feminino (95,29%), sendo a mãe a principal cuidadora (91,76%) e responsável pelo domicilio (58,82%), equivalência entre solteiros e casados (43,53%), da cor parda/mulata/morena (75,29%), com ensino médio completo (69,41%), não trabalhavam (79,52%) e recebiam Benefício de Prestação Continuada (67,06%). Conclui-se que os cuidadores de crianças com microcefalia apontaram insatisfação com a saúde, com a autopercepção de qualidade de vida e com o meio ambiente.


Keywords


Qualidade de vida; Cuidadores; Crianças; Microcefalia

References


APOLINÁRIO, Johnn Kevinny do Nascimento. Análise da sobrecarga e qualidade de vida de pais de crianças com microcefalia associada ao zika vírus. 2018. 50 f. TCC (Graduação) - Curso de Fisioterapia, Departamento de Fisioterapia do Centro de Ciências da Saúde, Universidade Federal da Paraíba, Paraíba, 2018.

AZEVEDO, Tássia Lopes de; CIA, Fabiana; SPINAZOLA, Cariza de Cássia. Correlação entre o Relacionamento Conjugal, Rotina Familiar, Suporte Social, Necessidades e Qualidade de Vida de Pais e Mães de Crianças com Deficiência. Rev. Bras. Ed. Esp, Bauru, v. 25, n. 2, p.205-218, 2019. Trimestral. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbee/v25n2/1413-6538-rbee-25-02-0205.pdf. Acesso em: 12 nov. 2019.

BRASIL, Ministério da Saúde. Portal da Saúde. Protocolo de atenção à saúde e resposta à ocorrência de microcefalia relacionada à infecção pelo vírus Zika. Brasília. 1 versão,2015a

BRASIL, Ministério da Saúde. Secretária de Vigilância em Saúde. Protocolo de vigilância e resposta à ocorrência de microcefalia e/ou alterações do sistema nervoso central(SNC). Brasília. 2 versão,2016 a.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Orientações para a coleta e análise de dados antropométricos em serviços de saúde: Norma Técnica do Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional – SISVAN. Brasília, 2011a.

CÂMARA, Ana Patrícia Barros. Microcefalia em recém-nascidos: Antes e após epidemia pelo Zika Vírus. 2018. 107 f. Dissertação- Curso de Pós-graduação, Saúde Coletiva, Universidade Federal do Maranhão, São Luís, 2018.

CAVET,G.et al. Detection and sequencing of Zika virus from aminiotic fluid of fetuses with microcephaly in Brazil: a case study. The Lancet Infections Dieseases, v.16,n.6,p.653-660,2016.Disponível em: http;//www.thelancet.com/journals/laninf/article/PIIS1473-3099(16)00095-5/fulltext?version=meter+at+null&module=meter-Links&pgtype=Multimedia&contentId=&mediaId=&referrer=&priority=true&action=click&contentCollection=meter-links-click.Acesso em 01 out 2019.

COLESANTE, M. F. L.; GOMES, I. P.; MORAIS, J. D. de.; COLLET, N. Impacto na vida de mães cuidadoras de crianças com doença crônica. Rev enferm UERJ, v. 23, n. 4, p. 501-6. 2015.

COSTA, Paulo Rogério Lobão de Araújo. Percepção da Qualidade de vida de mães de crianças portadoras de síndrome congênita associada ao Zika vírus. 2018. 49 f. Dissertação (Mestrado) - Programa de Pós- Graduação em Saúde do Adulto, Universidade Federal do Maranhão, São Luís, 2018.

Disponível em: https://revistaenfermagematual.com.br/index.php/revista/article/view/158. Acesso em: 12 nov. 2019.

FAGUNDES, Andhressa Araújo. Vigilância alimentar e nutricional - Sisvan: orientações básicas para a coleta, processamento, análise de dados e informação em serviços de saúde.Brasília: Ministério da Saúde, 2004.

FÉLIX, Vanessa Pereira da Silva Rodrigues; FARIAS, Aponira Maria de. Microcefalia e dinâmica familiar: a percepção do pai frente à deficiência do filho. Cadernos de Saúde Pública, Campina Grande, v. 34, n. 12, p.1-11, 2018. FapUNIFESP (SciELO). http://dx.doi.org/10.1590/0102-311x00220316.

FERNANDES, Caren Cristina Freitas. Qualidade de vida de mães de crianças com microcefalia. 2018. 55 f. Dissertação (Mestrado) - Programa de Pós-graduação em Ciências da Saúde, Universidade Federal de Sergipe, Aracajú, 2018.

FLECK MPA, Louzada S, et al.,. Aplicação da versão em português do instrumento abreviado de avaliação da qualidade de vida “WHOQOL-bref”. Rev Saude Publica. 2000;34(2):178-83. DOI:10.1590/S0034- 89102000000200012.

MENEZES, Míriam Geisa Virgens et al. Dificuldades e estratégias da família no cuidado da criança portadora de microcefalia. Revista Enfermagem Atual In Derme - 88-26, Aracaju, v. 26, n. 88, p.2-7, 2019. Anual.

MOORE,K., et al. Embriologia clínica. 9ª edição. Elsevier Brasil, 2013. Morbidity and Mortality Weekly Report, v. 65,n.6,p.1592016.

NUNES, Magda Lahorgue et al. Microcephaly and Zika virus: a clinical and epidemiological analysis of the current outbreak in Brazil. Jornal de Pediatria, Porto Alegre, v. 92, n. 3, p.230-240, maio 2016. Elsevier BV. http://dx.doi.org/10.1016/j.jped.2016.02.009.

PADILHA, Bruna Waltrin et al. Qualidade de vida e sobrecarga de cuidadores de deficientes físicos. Revista Brasileira de Qualidade de Vida, Ponta Grossa, v. 9, n. 1, p.3-16, 2017. Trimestral. Disponível em: https://periodicos.utfpr.edu.br/rbqv/article/view/5078. Acesso em: 12 nov. 2019.

RODRIGUES, João Edígio Gonçalves et al. Qualidade de vida e sobrecarga de cuidadores familiares de idosos dependentes. Ciencia y Enfermeria, v. 20, n. 3, p. 119-29. 2014.

ROGEIRO, Ana Margarida Miguel. Cuidadores informais de pessoas portadoras de deficiência mental: um estudo qualitativo. 2013. 162 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Psicologia, Ciências Sociais e Humanas, Universidade da Beira Interior, São Luís, 2010.

SÁ, Fabiane Elpidio de et al. Produção de sentidos parentais no cuidado de crianças com microcefalia por vírus Zika. Revista Brasileira de Promoção à Saúde, v. 30, n. 4, p.1-10. 2017.

SANTOS, Larissa Pontes Dórea et al. Avaliação da qualidade de vida das mães de crianças com microcefalia. Revista Brasileira de Saúde Funcional, Cachoeira, v. 5, n. 2, p.11-17, 2018. Mensal. Disponível em: http://www7.bahiana.edu.br/jspui/bitstream/bahiana/3096/1/ARTIGO%20-%20%20ANDRE%20LUIZ%20-%202018.6.pdf. Acesso em: 12 nov. 2019.

SANTOS, Patrícia Domingos dos et al. Funcionalidade e qualidade de vida de crianças com deficiência. Journal Of Human Growth And Development, Florianópolis, v. 28, n. 2, p.154-164, 26 jun. 2018. NEPAS. http://dx.doi.org/10.7322/jhgd.123455.

SANTOS, R.M et al. Crianças e adolescentes com paralisia cerebral na perspectiva de cuidadores familiares. Revista CEFAC, São Paulo, vol. 19, num. 6, nov/dez. 2017.

SCHUWARZERLMÜLLER, A. F. Projeto Interdisciplinar para a Segunda Unidade da 8ª Série Qualidade de Vida. 2015.Disponível em: http://homes.dcc.ufba.br/~frieda/vida/qualidadeOITAVA.html.

SILVA, Natacha Vieira et al. Dificuldades da família frente à criança portadora de microcefalia. 2º Congresso Internacional de Enfermagem - CIE/13° Jornada de Enfermagem da Unit (JEU). Maio. 2019.

SOUZA, Wayner Vieira de et al. Microcefalia no Estado de Pernambuco, Brasil: características epidemiológicas e avaliação da acurácia diagnóstica dos pontos de corte adotados para notificação de caso. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 32, n. 4, p.1-8, 2016. FapUNIFESP (SciELO). http://dx.doi.org/10.1590/0102-311x00017216.

THE WHOQOL GROUP. The World Health Organization quality of life assessment (WHOQOL): position paper from the World Health Organization. Soc Sci Med 1995; 41:1403-10.

VILARTA, Roberto; GUTIERREZ Gustavo Luís; MONTEIRO, Maria Inês. Qualidade de vida: discussões contemporâneas. In: VILARTA R.; GUTIERREZ, G.L.;MONTEIRO,M.I. Qualidade de vida: evolução dos conceitos e práticas no século XXI. Campinas: IPES editorial,2010.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Multicentre Growth Reference Study Group. WHO Child Growth Standards: head circumderence-for-age, arm circumference-forage, triceps skinfold-for-age: methods and development. Geneva: World Health Organization; 2007; 157. Disponível em:https://www.cabdirect.org/cabdirect/abstract/20063123347. Acesso em: 01 Jan. 2019.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n1-363

Refbacks

  • There are currently no refbacks.