Caracterização hidrogeomorfométrica da microbacia do Rio São Jorge, Rondônia, Brasil/ Hydrogeomorphometric characterization of the São Jorge river microbacia, Rondônia, Brazil

Fabricio Matheus Pimenta Pacheco, Jhony Vendruscolo, Henrique de Freitas Ramos, Antonio Augusto Marques Rodrigues, Wanderson Cleiton Schmidt Cavalheiro, Francisco Adilson dos Santos Hara, Karen Janones da Rocha, Gustavo Neco da Silva

Abstract


As informações da paisagem denotam a aptidão do solo para o uso e ocupação humana. Assim, são essenciais para o planejamento e a gestão dos recursos naturais. Em face ao exposto, o objetivo do trabalho foi realizar a caracterização geométrica, topográfica e hidrográfica da microbacia do rio São Jorge, município de Cabixi/RO. Foram analisados os parâmetros geométricos, topográficos e hidrográficos, com os softwares Google Earth e QGIS 2.10.1, e imagem altimétrica do satélite Alos (Sensor Palsar). A microbacia do rio São Jorge tem área de 51,93 km2, perímetro de 40,97 km, fator de forma de 0,17, coeficiente de compacidade de 1,59, índice de circularidade de 0,39, altitudes de 83 a 579 m, predominância dos relevos suave ondulado (47,94%), ondulado (26,5%) e plano (18,48%), rede hidrográfica de 92,24 km, padrão dendrítico, 5ª ordem de drenagem, 3,20 rios km-2, densidade de drenagem de 1,78 km km-2, 3,20 nascentes km-2, índice de sinuosidade de 27,90%, coeficiente de manutenção de 563 m2 m-1 e tempo de concentração de 2,18 h. As informações das características hidrogeomorfométricas podem ser utilizadas para auxiliar na delimitação de áreas para aptidão agrícola e para conservação dos recursos naturais, assim como na seleção de práticas de manejo conservacionistas do solo e da água, visando a qualidade de vida da geração atual e das futuras gerações.

 


Keywords


Geotecnologia, recursos hídricos, planejamento ambiental, Amazônia Ocidental.

References


ALVARES, C. A.; STAPE, J. L.; SENTELHAS, P. C.; GONÇALVES, J. L. M.; & SPAROVEK, G. Köppen’s climate classification map for Brazil. Meteorologische Zeitschrift, v. 22, n. 6, p. 711-728, 2014.

AMORIM, R. S. S.; SILVA, D. D. da; PRUSKI, F. F. e MATOS, A. T. de. Influência da declividade do solo e da energia cinética de chuvas simuladas no processo de erosão entre sulcos. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v.5, n.1, p. 124-130, 2001.

ASF - Alaska Satellite Facility.2017. Disponível em: . Acesso em: set. 2017.

BELTRAME, A. V. Diagnóstico do meio ambiente físico de bacias hidrográficas: modelo de aplicação. Florianópolis: UFSC, 1994. 112 p.

BRASIL. Lei Nº 12.651, de 25 de maio de 2012.Código Florestal Brasileiro. Disponível em: . Acesso em: out. 2019.

BRASIL. Lei nº 9433. 8 de janeiro de 1997. Institui a Política Nacional de Recursos Hídricos e cria o Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos. Brasília, 1997. Disponível em: Acesso em: abr. 2019.

CAVALHEIRO, W. C. S. e VENDRUSCOLO, J. Importância de estudos em bacias hidrográficas para o manejo sustentável dos recursos hídricos em Rondônia. Revista Geográfica Venezolana, v. especial, p. 256-264, 2019. Disponível em: http://www.saber.ula.ve/handle/123456789/46164. Acesso em: 21 de novembro de 2019.

COGO, N. P.; LEVIEN, R. e SCHWARZ, R. A. Perdas de solo e água por erosão hídrica influenciadas por métodos de preparo, classes de declive e níveis de fertilidade do solo. Revista Brasileira de Ciência do Solo, v. 27, n. 4, p. 743-753, 2003.

FAIRFULL, S. & WITHERIDGE, G. Why do FishNeedto Cross the Road? Fish Passage Requirements for Waterway Crossings. Cronulla: NSW Fisheries, 2003.

FRANCA, R. R. Climatologia das chuvas em Rondônia – período 1981-2011. Revista Geografias, v. 11, n. 1, p. 44-58, 2015.

FRITZSONS, E.; MANTOVANI, L. E. e WREGE, M. S. Relação entre altitude e temperatura: uma contribuição ao zoneamento climático no estado de Santa Catarina, Brasil. Revista Brasileira de Climatologia, v. 18, p. 80-92, 2016.

GONÇALVES, L. S. Relações intensidade-duração-frequência com base em estimativas de precipitação por satélite. Porto Alegre, RS: Universidade Federal de Rio Grande do Sul, 2011. 117f. (Dissertação de mestrado em Recursos Hídricos e Saneamento Ambiental)

HÖFIG, P. e ARAUJO-JUNIOR, C. F. Classes de declividade do terreno e potencial para mecanização no Estado do Paraná. Coffee Science, v. 10, n. 2, p. 195- 203, 2015.

HORTON, R. E. Drainage basin characteristics. Transactions, American Geophysical Union, v. 13, n. 1, p. 350-361, 1932.

HORTON, R. E. Erosinal Development of Streams and Their Drainage Basin: Hydrophysical Approach to Quantitative Morphology. Geologica lSociety of America Bulletin, v. 3, n. 56, p. 275-370, 1945.

INCRA - Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária. Acervo fundiário. Disponível em: . Acesso em: abril de 2019.

JARDIM, T. dal M. Objetivos globais de desenvolvimento sustentável. Brasília: Senado Federal, Consultoria Legislativa, 2012. (Boletim do Legislativo, n. 5). Disponível em: . Acesso em: 14 dez. 2019.

KIRPICH, Z. P. Time of concentration in small agricultural watersheds. Civil Engineering, v. 10, n. 6, p. 362-370, 1940.

LIMA JÚNIOR, J. C.; VIEIRA, W. L.; MACÊDO, K. G.; SOUZA, S. A. e NASCIMENTO, F. A. L. Determinação das características morfométricas da sub-bacia do Riacho Madeira Cortada, Quixelô, CE. Palmas, Tocantins. 2012. VII CONNEPI.

LOLLO, J. A. O uso da técnica de avaliação do terreno no processo de elaboração do mapeamento geotécnico: sistematização e aplicação na quadrícula de Campinas. São Carlos: Universidade de São Paulo, 1995. Tese (Doutorado em Geotecnia).

MACHADO, G. e SOUZA, J. Análise morfométrica da bacia hidrográfica do rio Chôco–Ibaiti–PR. Anais do X Encontro de Geógrafos da América Latina, 2005. p. 8366 – 8382.

MORETO, R. F.; MIRA, S. F.; SOARES, G. S.; SANTOS JÚNIOR, N. R. F.; CAVALHEIRO, W. C. S.; VENDRUSCOLO, J. e ROSA, D. M. Características geométricas, topográficas e hidrográficas da microbacia do rio Enganado, região sul da Amazônia Ocidental. Revista GeográficaVenezolana, v. especial, p. 110-124, 2019.

PANDEY, R. K.; CRÉTAUX, J.; BERGÉ-NGUYEN, M.; TIWARI, V. M.; DROLON, V.; PAPA, F.; CALMANT, S. Water level estimation by remote sensing for the 2008 flooding of the Kosi River. International Journal of Remote Sensing, v. 35, n. 2, p. 424-440, 2014.

PARVIS, M. Drainage pattern significance in airphoto identification of soils and bedrocks. Photogrammetric Engineering, v. 16, p. 387-408, 1950.

QGIS Development Team. QGIS Geographic Information System.Open Source Geospatial Foundation Project. 2015. Disponível em: .

RIBEIRO, L.; KOPROSKI, L. P.; STOLLE, L.; LINGNAU, C.; SOARES, R. V. e BATISTA, A. C. Zoneamento de riscos de incêndios florestais para a Fazenda Experimental do Canguiri, Pinhais (PR). Floresta, v. 38, n. 3, p. 561-572, 2008.

ROMERO, V.; FORMIGA, K. T. M. e MARCUZZO, F. F. N. Estudo hidromorfológico de bacia hidrográfica urbana em Goiânia/GO. Ciência e Natura, v. 39, n. 2, p. 320-340. 2017.

SANTOS, A. M.; TARGA, M. S.; BATISTA, G. T. e DIAS, N. W. Análise morfométrica das sub-bacias hidrográficas Perdizes e Fojo no município de Campos do Jordão, SP, Brasil. Ambi-Água, Taubaté, v. 7, n. 3, p. 195-211, 2012.

SANTOS, R. D.; LEMOS, R. C.; SANTOS, H. G.; KER, J. C.; ANJOS, L. H. C. e SHIMIZU, S. H. Manual de descrição e coleta de solo no campo. revista e ampliada. Viçosa: Sociedade Brasileira de Ciência do Solo, 2013. 100 p.

SEDAM - Secretaria de Estado do Desenvolvimento Ambiental. Boletim Climátológico de Rondônia - 2010. Porto Velho: SEDAM, 2012.

SILVA, Q. D. Mapeamento geomorfológico da Ilha do Maranhão. Presidente Prudente: Universidade Estadual Paulista, 2012. 249f. Tese (Doutorado em Geografia)

SOARES, G. S.; SANTOS JÚNIOR, N. R. F.; MIRA, S. F.; MORETO, R. F.; CAVALHEIRO, W. C. S.; VENDRUSCOLO, J. e ROSA, D. M. Uso de plataforma SIG na caracterização morfométrica da microbacia do rio Santa Teresinha, Amazônia Ocidental, Brasil. Revista Geográfica Venezolana, v. especial, p. 84-95, 2019.

TARGA, M. S.; BATISTA, G. T.; DINIZ, H. D.; DIAS, N. W. e MATOS, F. C. Urbanização e escoamento superficial na bacia hidrográfica do Igarapé Tucunduba, Belém, PA, Brasil. Ambi-Agua, v. 7, n. 2, p. 120-142, 2012.

VILLELA, S. M. e MATTOS, A. Hidrologia aplicada. São Paulo: McGRAWHill, 1975. 245p.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n1-301

Refbacks

  • There are currently no refbacks.