Hipertensão arterial sistêmica: um panorama de grupos vulneráveis de diferentes regiões do Brasil no período de 2005 a 2018 / Systemic arterial hypertension: a panorama of vulnerable groups from different regions of Brazil in the period 2005 to 2018

Gabriela Arantes Araújo, João Nascimento Mendonça Neto, Karoline Mariane Julião, Lucas Lourenço Almeida, Rafaella Lorrayne Aquino Neto, Rafael Monteiro de Paula, Renata Silva do Prado

Abstract


Este trabalho discute a influência de fatores como sexo, idade e escolaridade na prevalência da Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS) em comunidades consideradas vulneráveis. No que tange a importância deste estudo, destaca-se a urgência em mensurar as discrepâncias dos índices entre as comunidades abordadas e o estado em que estão localizadas, visando identificar quais variáveis apresentam as maiores taxas. Nesse sentido, os grupos os quais pautaram-se a pesquisa foram quilombolas, comunidades rurais, indígenas e ribeirinhos. Em geral, notou-se ligeira predominância em indivíduos do sexo feminino, maiores de 60 anos e não alfabetizados. E quando comparada a prevalência de HAS nesses grupos com os estados em que estão localizados verifica-se valores mais elevados. Conclui-se que estratos sociais mais baixos como os abordados no estudo em questão são fatores que interferem diretamente na saúde dos indivíduos.


Keywords


hipertensão arterial sistêmica, indígena, ribeirinha.

References


BEZERRA, V. M., et al. Pré-hipertensão arterial em comunidades quilombolas do sudoeste da Bahia, Brasil. Caderno de Saúde Pública. v.33, n.10, p. 1-14, 2017.

BEZERRA, V. M., et al. Desconhecimento da hipertensão arterial e seus determinantes em quilombolas do sudoeste da Bahia, Brasil. Revista Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 20, n. 3, p. 797-807, 2015.

BRESAN, D. et al. Epidemiologia da hipertensão arterial em indígenas Kaingang, Terra Indígena Xapecó, Santa Catarina, Brasil, 2013. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro. v.13, n.2, p. 1-14, 2015.

BUSS, P. M.; PELLEGRINI FILHO, A. A Saúde e seus Determinantes Sociais. Physis: Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 17, n. 1, p. 77-93, 2007.

CADASTRO DE COMUNIDADES QUILOMBOLAS AJUDA NOS PREPARATIVOS DA PESQUISA. Agência IBGE notícias, 2019. Disponível em: . Acesso em: 7 de out. de 2019.

CERTIFICAÇÃO QUILOMBOLA. Fundação Cultural Palmares, 2019. Disponível em: . Acesso em: 7 de out. de 2019.

GANONG, W. F. Fisiologia médica 17ª Edição Lang Guanabara Koogan. v.17, 1999.

MARIOSA, D. F., et al. Influência das condições socioambientais na prevalência de hipertensão arterial sistêmica em duas comunidades ribeirinhas da Amazônia, Brasil. Ciências & Saúde Coletiva. v.23, n.5, p. 1425-1436, 2018.

OLIVEIRA, B.F.A. et al. Prevalência de Hipertensão Arterial em comunidades ribeirinhas do Rio Madeira, Amazônia Ocidental Brasileira. 29. ed. Cadernos de Saúde Pública. 2013

PIMENTA, A. M. Epidemiologia da hipertensão arterial em uma comunidade rural do Vale do Jequitinhonha-MG. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) – UFMG. Belo Horizonte, p. 64, 2005.

SANTOS, E. C., et al. Prevalência de hipertensão arterial e fatores de risco em remanescentes de quilombos, Mato Grosso, Brasil. Revista Brasil Hipertensão. v. 22, n. 03, p. 100-105, 2015.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE CARDIOLOGIA. VII Diretriz Brasileira de Hipertensão Arterial. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, v. 107, s. 3, n. 3, p. 1-83, 2016.

PICCINI, R.X; VICTORA, C.G. Hipertensão arterial sistêmica em área urbana no sul do Brasil: prevalência e fatores de risco. Revista Saúde Pública, V.28, N.04, P 261-267, 1994.

VELASQUEZ- MELENDEZ, G., et al. Evaluation of waist circumference to predict general obesity and arterial hypertension in women in Greater Metropolitan Belo Horizonte, Brazil. Cad Saúde Pública, V.18, N.03, P 765-771, 2002.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n1-291