Concepções sobre educação em saúde de professores e estudantes de enfermagem à luz do pensamento complexo / Conceptions on health education of nursing teachers and students in the light of complex thought

Andréia Bendine Gastaldi, Mara Lúcia Garanhani, Juliana Helena Montezeli, Mauren Teresa G. Mendes Tacla, Maria Helena Dantas De Menezes Guariente, Brigida Gimenez Carvalho, Elizabeth Teixeira

Abstract


A educação em saúde constitui um conjunto de saberes e práticas orientados para a prevenção de doenças e promoção da saúde, contudo, a formação do enfermeiro para a prática da educação em saúde, bem como dos demais profissionais desta área, ainda é carente de um conceito ampliado e aprofundado. Desta maneira, este estudo objetivou analisar as concepções de educação em saúde para professores e estudantes de um currículo integrado de enfermagem à luz do pensamento complexo. Trata-se de um estudo de caso que ocorreu de novembro de 2013 a fevereiro de 2016, com abordagem qualitativa e compreensiva. Desenvolveu-se com alunos e professores de um curso de graduação em enfermagem de uma instituição de ensino superior pública localizada no norte do Estado do Paraná, Brasil e sua operacionalização aconteceu por meios de grupos focais, aplicação de questionários e entrevistas semiestruturadas. Os achados foram submetidos à análise compreensiva e triangulação de dados. Como resultado, emergiram duas categorias empíricas: Concepções conceituais sobre educação em saúde e Concepções sobre as finalidades da educação em saúde. Para discussão, realizaram-se inferências e interpretação dos achados, com sustentação de literaturas correlatas, bem como de obras de Edgar Morin acerca da teoria da complexidade, referencial teórico da presente investigação. Conclui-se que criar estratégias para que os atores investigados possam se despir do reducionismo rumo ao entendimento complexo da educação em saúde mostra-se essencial para aparar as arestas destas concepções confusas e ingênuas, tanto por parte dos alunos quanto dos professores.


Keywords


Enfermagem; Educação em Saúde; Currículo Integrado; Formação Acadêmica.

References


ALVES, V. S. Um modelo de educação em saúde para o Programa Saúde da Família: pela integralidade da atenção e reorientação do modelo assistencial. Interface: Comunicação, Saúde, Educação, Botucatu, v. 9, n. 16, p. 39-52, set./fev. 2005.

ANASTASIOU, L. G. C. Da visão de ciência à organização curricular. In: ANASTASIOU, L. G. C.; ALVES, L. P. (Org.). Processos de ensinagem na universidade. 10. ed. Joinville: Univille, 2012. p. 40-65.

ARAÚJO, D.; MIRANDA, M. C. G.; BRASIL, S. L. Formação de profissionais de saúde na perspectiva da integralidade. Revista Baiana de Saúde Pública, Salvador, v. 31, p. 20-31, jun. 2007. Suplemento 1.

BRASIL. Conselho Nacional de Saúde. Comissão Nacional de Ética em Pesquisa. Resolução CNS 466/12, de 12 de dezembro de 2012. Normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Brasília, 2012. Disponível em: . Acesso em: 23 set. 2016.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Departamento de Apoio à Gestão Participativa. Política Nacional de Educação Popular em Saúde. Brasília: MEC, 2013. (Serie B. Textos Básicos de Saúde).

BRASIL. Ministério da Saúde. DATASUS Tecnologia da Informação a Serviço do SUS. Mortalidade - Brasil: óbitos p/Ocorrência por capítulo CID-10 segundo região. 2014. Disponível em: . Acesso em: 1 out. 2016.

CARVALHO, B. G. Coordenação de unidade da atenção básica no SUS: trabalho, interação e conflitos. 2012. Tese (Doutorado) - Escola de Enfermagem, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.

CARVALHO, S. R.; GASTALDO, D. Promoção à saúde e empoderamento: uma reflexão a partir das perspectivas crítico-social pós-estruturalista. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 13, p. 2029-2040, jan./dez. 2008. Suplemento 2

FERNANDES, C. N. S. Refletindo sobre o aprendizado do papel de educador no processo de formação do enfermeiro. Revista Latino-Americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 12, n. 4, p. 691-693, jul./ago. 2004.

FIGUEIREDO, M. F. S.; RODRIGUES-NETO, J. F.; LEITE, M. T. S. Modelos aplicados às atividades de educação em saúde. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, v. 63, n. 1, p. 117-121, jan./fev. 2010.

GARANHANI, M. L. et al. Integrated nursing curriculum in Brazil: a 13-year experience. Creative Education, Falls Church, VA, v. 4, n. 12, p. 66-74, Jan. 2013. Disponível em: . Acesso em: 30 set. 2016.

L'ABBATE, S. Educação em saúde: uma nova abordagem. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 10, n. 4, p. 481-490, out./dez. 1994.

MACHADO, M. F. A. S. et al. Integralidade, formação de saúde, educação em saúde e as propostas do SUS: uma revisão conceitual. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 12, n. 2, p. 335-342, mar./abr. 2007.

MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 14. ed. São Paulo: HUCITEC, 2014.

MORIN, E. Os sete saberes necessários à educação do futuro. Tradução de Catarina Eleonora F. da Silva e Jeanne Sawaya. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

MORIN, E. A cabeça bem-feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. 21. ed. Tradução de Eloá Jacobina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2014.

MORIN, E. Introdução ao pensamento complexo. 5. ed. Porto Alegre: Sulina, 2015.

PETRAGLIA, I. C. Edgar Morin: a educação e a complexidade do ser e do saber. 7. ed. Rio de Janeiro: Vozes, 2002.

ROSA, R. B. et al. A educação em saúde no currículo de um curso de enfermagem: o aprender para educar. Revista Gaúcha de Enfermagem, Porto Alegre, v. 27, n. 2, p. 185-92, 2006.

SANTOS, J. C. F. O papel do professor na promoção da aprendizagem significativa. 2005. Disponível em: . Acesso em: 20 jun. 2016.

SANTOS, S. S. C.; HAMMERSCHMIDT, K. S. A. A complexidade e a religação de saberes interdisciplinares: contribuição do pensamento de Edgar Morin. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, v. 65, n. 4, p. 561-565, jul./ago. 2012.

VASCONCELOS, E. M. Participação popular e educação nos primórdios da saúde pública brasileira. In: VASCONCELOS, E. M. (Org.). A saúde nas palavras e nos gestos: reflexões da rede educação popular e saúde. São Paulo: HUCITEC, 2001. p. 73-99.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n1-276