Decifrando as capacidades organizacionais do setor público da rede inovagov para a inovação sustentável: evidências para o inca / Disclosuring the organizational capabilities of the inovagov network public sector for sustainable innovation: evidence for inca

Leandro da Silva Goulart Rodrigues, Osvaldo Luiz Gonçalves Quelhas, Fernando Neves Pereira

Abstract


Propósito – A ausência de um ambiente organizacional e de abordagem adequados para o fomento à inovação no INCA determina o objetivo geral de evidenciar o estágio atual de um rol de fatores críticos de sucesso viabilizadores da atividade inovadora, associados a uma proposta de sistematização do processo de inovação, que contemple participação multidisciplinar e desenvolvimento de soluções focadas nos usuários.

Metodologia/abordagem – Realizou-se pesquisa de natureza aplicada, com abordagem qualitativa, objetivo exploratório, revisão de literatura nas áreas de inovação e design thinking, pesquisa documental, questionário aplicado a especialistas e análise dos resultados através de estatística descritiva.

Descobertas – Os resultados demonstram que os especialistas elencaram a estrutura desfavorável à inovação como um dos principais fatores restritivos à inovação organizacional no setor público federal brasileiro. A abordagem proposta tem capacidade de gerar resultados positivos no desenvolvimento de soluções inovadoras, pois se sustenta sobre métodos de entendimento do contexto.

Limitações da pesquisa – Escassez de publicações que evidenciem as mudanças que são necessárias ocorrer, em nível de ambiente e processos organizacionais, para que a abordagem do design thinking seja implementada com sucesso.

Implicações práticas – Na esfera pública, o investimento em inovação surge como solução para diversos desafios contemporâneos, possibilitando melhorias na eficiência dos gastos públicos e na percepção de valor pela população usuária dos serviços.

Originalidade/valor – Dentro das iniciativas de inovação da organização, a recomendação é no sentido de que a proposta da presente pesquisa seja aplicada através do desenvolvimento de workshops promovidos pelo Laboratório de Inovação do INCA nas várias áreas do Instituto e, até mesmo, com stakeholders externos.


Keywords


inovação no setor público; ambiente inovador; design thinking.

References


Agência Nacional de Aviação Civil (2018). Caixa de Ferramentas de Design Thinking. Distrito Federal: ANAC.

Amorim, A. G. G. (2013). Processos criativos sistemáticos como fator-chave para a diferenciação das empresas: abordagem do design thinking. São Paulo, SP: Atlas.

Arbex, D. F., Fialho, F. A., Rados, G. V. (2014). Design thinking how an iterative process for innovation of products and services. International Design Research Journal, 15, 27-38.

Bandeira, M. (2013). Como elaborar um questionário. Rio de Janeiro, RJ: Elsevier.

Bartolomeu, B. P. (2014). Design thinking na indústria de TI: um estudo exploratório. International Journal of Innovation Science, 45.

Bezerra, C. (2016). A máquina de inovação: mentes e organizações na luta por diferenciação. Porto Alegre, RS: Bookman.

Brown, T. (2014). Change by design. The Journal of Strategic Information Systems, 19, 35-41.

Bücker, C. (2015). A relação entre a metodologia criativa design thinking e o desenvolvimento da motivação no processo de aprendizagem de adultos. International Journal of Qualitative Methods, 27-38.

Bueno, V. L. G., Vasconcellos, L., Guedes, L. F. (2015). Designers at work: an introductory study on the practice of design thinking in Brazil. Business Management Review, 3, 397-407.

Bugge, M., Mortensen, P. S., Bloch, C. (2018). Measuring public innovation in nordic countries. São Paulo, SP: Atlas.

Chesbrough, H.; Crowther, A. K. (2015). Beyond high tech: early adopters of open innovation in other industries. International Journal of Qualitative Methods, 36, 229-236.

Cronbach, L. J. (2004). Coefficient alpha and the internal structure of test. Rio de Janeiro, RJ: Elsevier.

Davis, B. M. (2016). Creativity & Innovation in business teaching the application of design thinking to business. Design Management Journal, 4, 6532-6538.

Decreto Presidencial n 8.901, de 10 de novembro de 2016. (2016). Competências do INCA. Brasília, DF. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2016/ decreto/D8901.htm

Demarchi, A. P. (2016). Gestão estratégica de design com a abordagem de design thinking: proposta de um sistema de produção do conhecimento (Tese de Doutorado), Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Brasil.

Dorst, K. (2016). The core of design thinking and its application. The Innovation Journal, 32, 521-532.

Dubois, R.; Lins, J. (2013). Inovação na gestão pública. São Paulo, SP: Elsevier.

Ferreira, V. R. S., Najberg, E., Ferreira, C. B., Barbosa, N. B., Borges, C. (2014). Qualidade de sistema de saúde pública: uma compreensão sistêmica no sul do Brasil. Gestão & Produção, 26, 73-96.

Fraser, H. M. A. (2017). Design para negócios na prática: como gerar inovação e crescimento nas empresas aplicando o business design. Rio de Janeiro, RJ: Atlas.

Gerhard, T. E., Silveira, D. T. (2016). Métodos de Pesquisa. International Journal of Innovation Science, 2, 115-119.

Lacerda, D. P. (2015). Design Science research: método de pesquisa para avanço da ciência e tecnologia. Porto Alegre, RS: Bookman.

Lei nº 12.732/2012. Tempo de tratamento oncológico. Brasília, DF. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12732.htm

Lima, D. H., Vargas, E. R. (2013). O contexto organizacional como aporte à inovação: um viés comparativo de casos em empresas brasileiras. Gestão & Produção, 21, 477-490.

Marconi, M. A., Lakatos, E. M. (2013). Fundamentos de metodologia científica. São Paulo, SP: Atlas.

Martin, R. (2016). Design thinking: achieving insights via the “knowledge funnel”. Strategy & Leadership Journal, 38, 37-41.

NEVES, F. P. (2015). Proposta de modelo de governança pública sustentável: o caso de obras públicas (Tese de Doutorado), Universidade Federal Fluminense, Niterói, Brasil.

Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (2005). Manual de Oslo: Diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação. Paris: OCDE.

Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (2013). Manual Frascatti: Proposta de práticas exemplares para inquéritos sobre investigação e desenvolvimento experimental. Paris: OCDE.

Plattner, H. (2016). An introduction to design thinking process guide. European Management Journal, 5, 26-39.

Porter, M. E. (2015). On competition. Boston, EUA: Harvard Business.

Richardson, R. J. (1999). Pesquisa Social: métodos e técnicas. São Paulo, SP: Atlas.

Santos, G. F. Z., Koerich, G. V., Alperstedt, G. D. (2018). Avaliação sistêmica do eventual lançamento de novos produtos universitários: uma abordagem baseada no Pensamento Sistêmico. Gestão & Produção, 21, 853-864.

Silva, M. J. V. (2017). Design thinking: inovação em negócios. Rio de Janeiro, RJ: MJV.

Sørensen, E., Torfing, J. (2016). Enhancing collaborative innovation in the public sector. Administration & Society Journal, 43, 842-868.

Streiner, D. L. (2003). Being inconsistent about consistency: when coefficient alpha does and doesn´t matter. Journal of Personality Assessment, 80, 217-222.

Takeuchi, H., Nonaka, I. (2015). Gestão do conhecimento. Porto Alegre, RS: Bookman.

Triviños, A. N. S. (1987). Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo, SP: Atlas.

Vianna, M. (2013). Design thinking: inovação em negócios. Rio de Janeiro, RJ: MJV.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n1-253