Capoeira: instrumento alternativo para fomentar Afrocidadanização na perspective do Serviço Social/ Capoeira: alternative instrument to promote Afrocidadanização from the perspective of Social Work

Luciene Gustavo Silva

Abstract


Este trabalho tem por finalidade fomentar o estudo sobre a Capoeira e a sua relevância para a formação social e cultural da juventude negra. Esse símbolo afro-brasileiro foi reconhecido mundialmente com o seu conjunto temático como Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade Brasileira pelo IPHAN e pela UNESCO. O estudo traz elementos para compreender a capoeira/capital cultural do povo afro-brasileiro e também, acomo um instrumento alternativo, para que o Assistente Social possa encontrar meios de superar os desafios encontrados na sua práxis cotidiana. A proposta é recorrer a esta cultura enquanto uma forma de viabilizar a conscientização da juventude negra e, assim, empoderar e promover à cidadania a esses indivíduos, que foram historicamente estigmatizados na sociedade brasileira. Trata-se de um tema que requer um novo olhar teleológico, que entenda que as relações raciais perpassam as expressões da questão social, para que se possa exercer, não só uma prática inclusiva do Serviço Social, mas uma prática que seja transformadora social e culturalmente. Desse modo, a utilização da capoeira/cultura afro-brasileira, no âmbito da Política Nacional da Cultura Viva (PNCV), Lei nº 13.018/2014, que poderá aspirar e possibilitar a materialização da Afrocidadanização dos jovens negros.


Keywords


Capoeira; Cultura; Afrocidadanização; Serviço Social.

References


BRASIL. Estatuto da Igualdade Racial. Lei 12.288, de 20 de julho de 2010. Institui o estatuto da Igualdade Racial; altera as leis nos 7.716, de 05 de janeiro de 1989, 9.029, de 13 de abril de 1995, 7.347, de 04 de julho de 1985, e 10.778, de 24 de novembro de 2003. Diário Oficial, Brasília, DF, 20 jul. 2010.

_______. Decreto – Lei nº 13.018, de 22 de julho de 2014. Instituiu a Política Nacional de Cultura Viva e dá outras providências. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para assuntos jurídicos. Planalto. Brasília, 22 de julho de 2014; 193º da Independência e 126º da República. Disponível em: (Acessado em 20 de maio de 2019 às 13h24min).

BOAZ, Franz, 1858 – 1942. Antropologia cultural / Franz Boas; tradução, Celso Castro. -6. ed. – Rio de Janeiro; Jorge Zahar Ed., 2010, p. 59. Disponível em: < https://books.google.com.br/books?id=bc7XT4YiouYC&pg=PA59&dq=franz+boas+%22cultura+particular%22&hl=pt-BR&sa=X&ved=0ahUKEwi7gcTC0LTkAhUDJrkGHUBSBE0Q6AEIKTAA#v=onepage&q=franz%20boas%20%22cultura%20particular%22&f=false> (Acessado em 23 de março de 2019 às 14h26min).

CAMPOS, Alessandro de Oliveira. Tradição e apropriação crítica: metamorfoses de uma afroamericalatinidade. – São Paulo: EDUC: FAPESP, 2016, p.41. Disponível em: < https://books.google.com.br/books?id=Y0VXDgAAQBAJ&pg=PT157&dq=capoeira+gospel&hl=pt-BR&sa=X&ved=0ahUKEwjqq8CnvKvkAhVcFLkGHd6PAE4Q6AEIKTAA#v=onepage&q=capoeira%20gospel&f=false> (Acessado em 05 de março de 2019 às 16h43min).

FOLTRAN, Paula Juliana. “CAPOEIRA É PRA HOMEM, MENINO E MULHER”: ANGOLEIRAS ENTRE A COLONIALIDADE E A DESCOLONIZAÇÃO. Sankofa. Revista de História da África e de Estudos da Diáspora Africana Ano X, NºXIX, agosto/ 2017, p. 84.

FREIRE, Cristina Cavalcante; RESENHA: LÉVI-STRAUSS, C. “Raça e História” in Antropologia Estrutural II Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1976, capítulo XVIII, pp. 328 – 366; 2007 p. 210. Disponível em: (Acessado em 17 de março de 2019 às 14h44min).

GUIMARÃES, Reinaldo da Silva. Afrocidadanização: ações afirmativas e trajetórias de vida no Rio de Janeiro: Ed. PUC-Rio; São Paulo: Selo Negro, 2013. 208 p.

IPHAN – Instituto de Pesquisa Histórico e Artístico Nacional. Roda de Capoeira. Disponível em: (Acessado em 04 de abril de 2019 às 08h08min).

______ – Instituto de Pesquisa Histórico e Artístico Nacional. Capoeira se torna patrimônio cultural brasileiro. Publicada em 08 de julho de 2008, às 16h10. Disponível em: < http://portal.iphan.gov.br/noticias/detalhes/2067 > (Acessado em 22 de abril de 2019 às 16h50min).

KEIM, Erneto Jacob; SILVA, Carlos José. CAPOEIRA E EDUCAÇÃO PÓS-COLONIAL: Ancestralidade, Cosmovisão e Pedagogia Freiriana. Jundiaí, Paco Editorial: 2012. 152 p.

LARAIA, Roque de Barros, 1932 – Cultura: um conceito antropológico/Roque de Barros Laraia. – 19. ed. – Rio de Janeiro: Jorge Zahar. Ed., 2006, p. 63.

MUNANGA, Kabengele; GOMES, Nilma Lino. O negro no Brasil de hoje. – 2.ed. – São Paulo: Global, 2016. 224 p.

OLIVEIRA, Josivaldo Pires de; LEAL, Luiz Augusto Pinheiro. Capoeira, identidade e gênero: ensaios sobre a história social da capoeira no Brasil. – Salvador: EDUFBA, 2009. 200 p.: il.

Projeto ético-político e exercício profissional em Serviço Social. Os princípios do Código de Ética articulados à atuação crítica de assistentes sociais / Conselho Regional de Serviço Social (Org.). – Rio de Janeiro: CRESS, 2013. 134 p.

SANTOS, José Luiz dos. Coleção primeiros 110 passos. O QUE É CULTURA. São Paulo. Editora Brasiliense, 6ª edição, 1987, p. 21. Disponível em: (Acessado em 17 de março de 2019 às 15h10min).

VASCONCELOS, Maria Drosila. Pierre Bourdieu: A herança sociológica. Educação & Sociedade, ano XXIII, nº 78, Abril/2002, p. 79.

VIDOR, Elisabeth; REIS, Letícia Vidor de Sousa. CAPOEIRA: uma herança cultural afro-brasileira. – 1 ed. – São Paulo: Selo Negro, 2013. 108 p.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n1-235

Refbacks

  • There are currently no refbacks.