Processo de sorção e dessorção: Efeito na qualidade fisiológica de sementes tratadas de soja / Sorption and desorption process: Effect on physiological quality of treated soybean seeds

Érick Vinícius Pellizzari, Laura Maria Hoinatz Schmitz, Maiara Secco de Souza, Isabela Schmoller, Jean Carlo Possenti, Cristiane Deuner, Elisa Souza Lemes

Abstract


O conhecimento do comportamento das sementes de soja tratadas quimicamente frente aos processos de sorção e dessorção se faz necessário, uma vez que permite verificar o efeito do ganho e perda de água sobre a reorganização das membranas e consequentemente sobre o desempenho fisiológico das sementes. Portanto, objetivou-se determinar a curva de sorção e dessorção de duas cultivares de soja tratadas com diferentes moléculas químicas e seu efeito sobre os atributos fisiológicos. Os experimentos foram conduzidos com as cultivares de soja 55i57 RSF IPRO (Zeus) e 58i60 RSF IPRO (Lança). O delineamento experimental utilizado foi inteiramente casualizado (DIC) em esquema fatorial 2x4 com quatro repetições. A primeira parte do experimento baseou-se em determinar a curva de embebição e posteriormente a curva de dessecação. Em seguida determinou-se o desempenho fisiológico através dos testes de germinação, classificação de vigor de plântulas, comprimento de parte aérea e raiz, massa da matéria seca e emergência. Constatou-se que as diferentes moléculas químicas avaliadas não foram capazes de modificar a taxa de sorção e dessorção de água das sementes estudadas. Sementes submetidas a um único ciclo de hidratação e desidratação apresentam desempenho fisiológico satisfatório. As moléculas químicas testadas respondem de forma diferente os testes de vigor aplicados bem como de acordo com a cultivar avaliada.


Keywords


Glycine max, germinação, vigor, curva de embebição, curva de dessecação

References


AHRENS, D.C.; DONI-FILHO, L.; VILLELA, F.A. Secagem intermitente de sementes de aveia-branca (Avena sativa L.) empregando altas temperaturas iniciais. Revista Brasileira de Sementes, v.22, n.2, p.97-105, 2000. doi: 10.17801/0101-3122/rbs.v22n2p45-52

BARBEDO, C. J.; MARCOS FILHO, J. Tolerância à dessecação em sementes. Acta Botanica Brasilica, v. 12, n. 2, p. 145-164, 1998. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-33061998000200005.

BRASIL. Regras para análise de sementes. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Brasília: Secretaria de Defesa Agropecuária, 2009.

CALERO, E.; WEST, S. H.; HINSON, K. Water absortion of soybean associated causal factors. Crop Science, v.21, n.6, p. 926-933, 1981.doi:10.2135/cropsci1981.0011183X002100060030x

CARVALHO, N.; NAKAGAWA, J. Sementes: ciência, tecnologia e produção. Jaboticabal: FUNEP, 2012. 590 p.

CAVARIANI, C.; TOLEDO, M.Z.; RODELLA, R.A.; FRANÇA-NETO, J.B.; NAKAGAWA, J. Velocidade de hidratação em função de características do tegumento de sementes de soja de diferentes cultivares e localidades. Revista Brasileira de Sementes, v.31, n.1, p.30-39, 2009. http://dx.doi.org/10.1590/S0101-31222009000100004.

FERREIRA, E.B.; CAVALCANTI, P.P.; NOGUEIRA, D.A. ExpDes. pt: Pacote Experimental Designs (Portuguese). R packageversion 1.1.2, 2013.

JUVINO, A. N. K.; RESENDE, O.; COSTA, L. M.; SALES, J. F. Vigor da cultivar BMX Potência RR de soja durante o beneficiamento e períodos de armazenamento. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v. 18, n. 8, p.844-850, 2014. http://dx.doi.org/10.1590/1807-1929/agriambi.v18n08p844-850.

MACHADO, C.; MÜHL, F.R.; FELDMANN, N.A.; BALBINOT, M.; RHODEN, A.C. Avaliação de qualidade fisiológica e sanitária de sementes de trigo. Revista de Ciências Agroveterinárias e Alimentos, n. 2, 2017. http://revista.faifaculdades.edu.br/index.php/cava/article/view/388/243

MARCOS FILHO, J. Dormência de sementes. In: MARCOS FILHO, J. Fisiologia de sementes de plantas cultivadas. Piracicaba: FEALQ, 2ed. 2015. 659p.

MARTINS, C.C.; UNÊDA-TREVISOLI, S. H.; MÔRO, G. V.; VIEIRA, R. D. Metodologia para seleção de linhagens de soja visando germinação, vigor e emergência a campo. Revista Ciência Agronômica, v. 47, n. 3, p. 455-461, 2016. http://www.ccarevista.ufc.br/seer/index.php/ccarevista/article/view/4151/1411.

MOTERLE, L.M.; SANTOS, R.F DOS; SCAPIM, C.A.; BRACCINI, A. DE L E; BONATO, C.M.; CONRADO, T. Efeito de biorregulador na germinação e no vigor de sementes de soja. Revista Ceres, v. 58, n. 5, 2011. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-737X2011000500017.

NAKAGAWA, J. Testes de vigor baseados no desempenho das plântulas. In: KRZYZANOWSKI, F.C.; VIEIRA, VIEIRA, R.D.; NETO, J.B.F. Vigor de sementes: conceitos e testes. Londrina: ABRATES, 1999. 218p.

OLIVEIRA, L.J.; CRUZ, I. Efeito de diferentes inseticidas e dosagens na germinação de sementes de milho (Zea mays L.). Pesquisa Agropecuária Brasileira, v.21, n.6, p.578-585, 1986.

PEREDA, J.A.O.; RODRIGUEZ, M.I.C.; ÁLVAREZ, L.F.; SANZ, M.L.G.; MINGUILLÓN, G.D.G.F.; CORTECERO, M.D.S. Tecnologia de alimentos. Porto Alegre: Artmed, 2005. 279 p.

PESKE, S.T.; VILLELA, F.A.; MENEGHELLO, G.E. Sementes: fundamentos científicos e tecnológicos. 3.ed., Pelotas: Editora e Gráfica da UFPel, 2012. 573p.

POPINIGIS, F. Fisiologia da semente. Brasília: Ministério da Agricultura- AGLIPAN, 1985. 289p.

R CORE TEAM. R: A language and environment for statistical computing. R Foundation for Statistical Computing, Vienna, Austria, 2016. http://www.R-project.org/

RAVEN, P. H.; EVERT, R.F., EICHHORN, S.E. Biologia vegetal. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2017. 856p.

ROCHA, B.G.R.; AMARO, H.T.R; PORTO, E.M.V.; GONÇALVES, C.C.; DAVID, A.M.S.S.; LOPES, E.B. Sistema de semeadura cruzada na cultura da soja: avanços e perspectivas. Revista de Ciências Agrárias, v. 41, n.2, p. 91-100, 2018. http://dx.doi.org/10.19084/RCA17260.

SANTOS, C.D.; ENGLERT, A.H.; CASSINI, A.S. Evaluation of dispersible protein content during convective drying of soybeans under different drying air temperatures. Latin American Applied Research, v. 45, n.2, p. 75-79, 2015. http://www.laar.plapiqui.edu.ar/OJS/public/site/volumens/indexes/artic_v4502/Vol45_02_75.pdf.

TAIZ, L.; ZEIGER, E.; MOLLER, I. M.; MURPHY, A. Fisiologia e desenvolvimento vegetal. Porto Alegre: Artmed, 6 ed., 2017, 888p.

VANZOLINI, S.; CARVALHO, N.M. Efeito do vigor de sementes de soja sobre o seu desempenho em campo. Revista Brasileira de Sementes, v. 24, n. 1, p. 33-41, 2002. http://dx.doi.org/10.1590/S0101-31222002000100006.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n1-230.

Refbacks

  • There are currently no refbacks.