Tecnologias em Saúde: Aperfeiçoar o Processo de Trabalho Pautado na Gestão da Clínica e do Cuidado/ Health Technologies: Improve the Work Process Based on Clinical and Care Management

Rosiane Pinheiro Rodrigues, Georgia Helena de Oliveira Sotirakis, Maiza Silva de Sousa, Rosa Natália Muniz Carneiro Mota, Lidiane Assunção de Vasconcelos, Helder Corrêa Luz, Simone Dária Assunção Vasconcelos Galdin, Adelaide do Socorro Dias Baia

Abstract


Objetivo: descrever as formas de aplicação e desenvolvimento das tecnologias relacionais durante o curso de Aperfeiçoamento para Gestores de Unidades Básicas de Saúde, Gestão da Clínica e do Cuidado. Métodos: pesquisa descritiva, do tipo relato de experiência sobre o uso das tecnologias relacionais por gestores do Estado do Amapá durante um curso semipresencial. Resultados: no curso foram apresentadas e utilizadas diversas tecnologias, como o círculo de diálogo, que despertou um olhar mais sensível dos profissionais à assistência prestada aos usuários e para si; o fluxograma descritor que ensinou como organizar a entrada e saída de usuários, solucionando os problemas de fluxo dentro dos serviços; o Sistema KANBAN que serviu para o gerenciamento do estoque de materiais, pois este foi um problema recorrente relatado pelos gestores; e o Projeto Terapêutico Singular (PTS) que foi colocado como uma ferramenta resolutiva na aplicação dos princípios do Sistema Único de Saúde (SUS), necessitando, porém de incentivo para ser implementado pelos profissionais. Conclusão: As tecnologias relacionais são instrumentos eficazes na prática clínica e do cuidado podendo ser utilizadas pela equipe multidisciplinar e ser aplicadas interdisciplinarmente no cotidiano do processo de trabalho para melhorar a assistência em saúde.


Keywords


Tecnologia Relacional, Processo de Trabalho, Vínculo, Gestão da Clínica e do Cuidado.

References


ABREU T, et al. Relational technologies as instruments of care in the Family Health Strategy. Revista Brasileira de Enfermagem, 2017; 70 (5): 981-987.

AQUINO P, et al. Análise do conceito de tecnologia na enfermagem segundo o método evolucionário. Acta Paulista Enfermagem, 2010; 23 (5): 690-696.

BREHMER LCF, VERDI M. Acolhimento na Atenção Básica: reflexões éticas sobre a Atenção a Saúde dos Usuários. Ciência & Saúde Coletiva, 2010; 15(3):3569-3578.

BOYES-WATSON C, KAY P. No coração da esperança: guia de práticas circulares: o uso de círculos de construção da paz para desenvolver a inteligência emocional, promover a cura e construir relacionamentos saudáveis. Porto Alegre: Tribunal de Justiça do Estado do Rio Grande do Sul, Departamento de Artes Gráficas, 2011; 280p.

BRASIL. Ministério da Saúde. O Processo de Trabalho em Saúde. Texto adaptado do Curso de Formação de Facilitadores de Educação Permanente em Saúde, Unidade de Aprendizagem: Trabalho e Relações na Produção do Cuidado em Saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2005.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria no 2.510, de 19 de dezembro de 2005. Institui comissão para elaboração da política de gestão tecnológica no âmbito do Sistema Único de Saúde. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil.

COUTINHO L, et al. Acolhimento na Atenção Primária à Saúde: revisão integrativa. Saúde Debate, 2015; 39(105): 514-524.

FEUERWEKER L. Modelos tecnoassistenciais, gestão e organização do trabalho em saúde: nada é indiferente no processo de luta para a consolidação do SUS. Interface, 2005; 9(18): 489-506.

FRANCO T. O Uso do Fluxograma Descritor e Projetos Terapêuticos para Análise de Serviços de saúde, em apoio ao Planejamento: O caso de Luz – (MG). In: O Trablho em Saúde: Olhando e Experienciando O SUS no Cotidiano, MERHY E, FRANCO T. São Paulo: Hucitec, 2003; 161-198p.

HENNINGTON E. Acolhimento como prática in¬terdisciplinar num programa de extensão universitária. Cadernos de Saúde Pública, 2005; 21: 256-265.

MARTINS C, DAL SASSO G. Tecnologia: definições e reflexões para a prática em saúde e enfermagem. Texto Contexto Enfermagem, 2008; 17(1): 11-12.

MASSARO I, MASSARO A. O uso do KAN BAN na Gestão do Cuidado: Superando Limites. Revista Administração Saúde, 2017; 17(66): 1-8. Acesso em 04 abr 2019.

MERHY E. Em busca de ferramentas analisadoras das Tecnologias em Saúde: a informação e o dia a dia de um serviço, interrogando e gerindo trabalho em saúde. In: Agir em Saúde: um desafio para o público, MERY E, ONOKO R. 2nd ed. São Paulo (SP): Hucitec, 2002; 113-150p.

POLANCZYK C, et al. Avaliação de Tecnologias em Saúde no Brasil e no contexto internacional. In: Avaliação de Tecnologias em Saúde: Evidência clínica, análise econômica e análise de decisão, NITA M, et al. Porto Alegre: Artmed, 2010; 433-449p.

BARROS JO. A construção de projetos terapêuticos no campo da saúde mental: apontamentos acerca das novas tecnologias de cuidado. Dissertação (Mestrado em Ciências) – Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010; 127p.

SILVA DG. 2019. Uma roda na perspectiva dos processos circulares- ferramenta de diálogo na construção da grupalidade. Disponível em: https://saudeemeulugar.com/historias/1678-processos-circulares-ferramenta-de. Acesso em: 4 abr. 2019.

SILVA E, et al. Projeto Terapêutico Singular como Estratégia de Prática da Multiprofissionalidade nas Ações de Saúde. Revista Brasileira de Ciências da Saúde, 2013; 17(2): 197- 202.

TEIXEIRA E, MOTA V. Tecnologias educacionais em foco. São Caetano do Sul: Difusão Editora, 2011.

VIANA A, et al. Saúde, desenvolvimento e inovação tecnológica: nova perspectiva de abordagem e de investigação. Lua Nova, 2011; 83: 41-77.

SANTOS Z. Tecnologia em Saúde – Aspectos teórico-conceituais. In: Tecnologias em saúde: da abordagem teórica a construção e aplicação no cenário do cuidado, Santos Z, et al. Fortaleza, CE: EdUECE, 2016; 12-14p.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n1-211