Arquitetura vernácula e sustentabilidade Arquitetura montessoriana e características vernaculares brasileiras / Vernacular architecture and sustainability Montessorian architecture and brazilian vernacular characteristics

Henrique Reis, Maria Castro

Abstract


O presente trabalho tem como objetivo fazer a análise das possibilidades que a arquitetura vernacular, em suas relações com materiais, espaços e inserção cultural, traz para o aprendizado dentro de uma perspectiva montessoriana. Analisando as premissas educacionais propostas pela médica Maria Montessori para um ambiente de escolas infantis, procura-se estabelecer uma relação entre o valor que é dado para o ambiente preparado para a evolução e aprendizado individual de cada aluno, com a cultura, a sustentabilidade e utilização de materiais ligados à arquitetura vernacular. Neste sentido, a partir de uma pesquisa da literatura referente à interação do indivíduo com o edifício e com a arquitetura vernacular brasileira, procurou-se identificar a relação existente entre as características do aprendizado montessoriano e os materiais e técnicas aplicados em edifícios com arquitetura ou recursos vernaculares. A partir da pesquisa é possível vislumbrar os benefícios que um incentivo de utilização de técnicas e materiais utilizados na arquitetura vernacular podem trazer em termos de potencial para promover o aprendizado, considerando as premissas montessorianas.

 

 


Keywords


Escola. Montessori. Arquitetura Vernácula.

References


ANDRADE, Francisco de Carvalho Dias de et al. Uma poética da técnica: a produção da arquitetura vernacular no Brasil. 2016. Instituto de Filosofia e Ciências Humanas Doutorado Unicamp Disponivel em http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/320977

BAUMAN, Zygmunt Tempos Líquidos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. 2007

FELIPPE, Maíra Longhinotti; KUHNEN, Ariane. O apego ao lugar no contexto dos estudos pessoa-ambiente: práticas de pesquisa. Estudos de Psicologia, Campinas, v. 29, n. 4, p. 609-617, out.-dez. 2012.

GÜNTHER, Hartmut. Reflexões sobre a sustentabilidade da Psicologia Ambiental no Brasil. Série: Textos de Psicologia Ambiental, Laboratório de Psicologia Ambiental, Brasília, n. 9, p. 1-5, 2004

HARVEY, D. A condição pós-moderna: uma pesquisa sobre as origens da mudança cultural. 17. ed. São Paulo: Loyola, 2008.

LANCILLOTTI, Samira Saad Pulchério. PEDAGOGIA MONTESSORIANA: ensaio de individualização do ensino. Revista HISTEDBR On-Line, v. 10, n. 37e, p. 164-173, 2010.

MELO, Rosane. Psicologia ambiental: uma nova abordagem da psicologia. 1991.

MONTESSORI, Maria. Pedagogia científica. Editora Flamboyant. 1965.

PASCHOAL, Jaqueline Delgado; MACHADO, Maria Cristina Gomes. A pedagogia de Maria Montessori para a educação na infância. Quaestio, Sorocaba, SP, v. 21, n. 1, p. 203-220, jan./abr. 2019.

RASMUSSEN, Steen. Arquitetura vivenciada. Editora Martins Fontes. 2002.

RIBEIRO, Monica Cristina. Arqueologia modernista: viagens e reabilitação do primitivo em Mário e Oswald de Andrade. 2005, 144 fls. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) - Departamento de Antropologia Social do Instituto de Filosofia Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas.

SANTANNA, Marcia Arquitetura primitiva, Faculdade de Arquitetura - UFBA 2013 http://www.arqpop.arq.ufba.br/tags/arquitetura-primitiva, n.p

TEIXEIRA, Rubenilson Brazão. Arquitetura vernacular. Em busca de uma definição. Arquitextos, São Paulo, ano 17, n. 201.01, Vitruvius, fev. 2017 .

VELLINGA, M. Keynote speakers ‘Built to meet Needs’: Paul Oliver and the study of vernacular architecture. In: Vernacular Heritage and Earthen Architecture. CRC Press, 2013. p. 31-36.

WEIMER, Gunter. Arquitetura popular brasileira. Editora Wmf Martinsfontes. 2005.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n1-149