Os Usos de Tutores Virtuais na Educação / The Uses of Virtual Tutors in Education

Marcos Vinícius de Souza Toledo, Luiz Cláudio Gomes Maia, Bruno de Souza Toledo, Armando Sérgio de Aguiar Filho

Abstract


O artigo teve o objetivo de analisar o uso de chatbots por estudantes de ensino técnico, do Instituto Federal de Minas Gerais – Campus Avançado de Ponte Nova e São João Evangelista em apoio ao conteúdo ministrado. Os chatbots foram utilizados no Telegram como recursos computacionais no auxílio do aprendizado na disciplina de Língua Inglesa. Trata-se de um estudo de caso, com características de pesquisa quantitativa e qualitativa. A coleta de dados foi realizada de forma estruturada e conduzida junto aos alunos dos cursos Técnicos em Administração, Informática e Nutrição e Dietética. Como resultado da pesquisa, foi verificado que os discentes aceitaram a utilização da ferramenta computacional como apoio pedagógico e consideraram que houve avanços no processo de aprendizagem, aumentando a atenção e o interesse pelos conteúdos ensinados e pelas atividades propostas em sala de aula.


Keywords


Educação; chatbots; sala de aula; ensino; aprendizagem.

References


Acevedo, C. R., & Nohara, J. J. (2007). Monografias no Curso de Administração: Guia Completo de Conteúdo e Forma (3. ed.). São Paulo: Atlas.

Alcântara, P. R. de C., & Soffa, M. M. (2008). O Uso do Software Educativo: Reflexões da Prática Docente na Sala Informatizada. In Congresso Nacional de Educação (Educere), Curitiba, 21-24 Junho (pp. 162-175). Anais eletrônicos… Curitiba: PUCPR. Acedido em 10/9/2019, em http://www.pucpr.br/eventos/educere/educere2008/anais/pdf/335_357.pdf.

Bohn, C. S. (2011). A mediação dos jogos eletrônicos como estímulo do processo de ensino-aprendizagem. 154 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia e Gestão do Conhecimento) - Centro Tecnológico, Programa de Pós-Graduação em Engenharia e Gestão do Conhecimento, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

Castellan, J. N. J., & Siegel, S. (2006). Estatística Não Paramétrica para Ciência do Comportamento (2. ed.). Porto Alegre: Artmed.

Dyke, GREGORY. (2013). Enhancing Scientific Reasoning and Discussion with Conversational Agents. IEEE Transactions on Learning Technologies, v. 6, n. 3.

Fisher, R. A. (2004). Statistical methods for research workers. 30. ed. New York: Hafner.

Fowler, D.G. (1991). A Model for Designing Intelligent Tutoring Systems, Journal of

Medical Systems, v. 15, n.1.

Gil, A. C. (2010). Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas.

Graells, P. (2007). Os métodos didáticos na educação à distância. 2. ed. São Paulo: Atlas.

Grzesiuk, D. F. (2008). Ferramentas de informática usadas na educação. Medianeira: UTFPR.

Hair, J. F. (2005). Análise Multivariada de Dados. Porto Alegre: Bookman.

Jonassen, D. (2007). Computadores e Ferramentas Cognitivas. Porto: Porto Editora.

Leonhardt, M. D. (2003). Elektra: um chatterbot para uso em ambiente educacional. RENOTE, v. 1, n. 2. Acedido em 15/9/2019, em http://seer.ufrgs.br/index.php/renote/article/view/14336/8251.

Masche, J., & Le, N. T. (2017). A Review of Technologies for Conversational Systems. In International Conference on Computer Science, Applied Mathematics and Applications (pp. 212-225). Springer, Cham.

Mauldin, MICHAEL L. (2013). CHATTERBOTS, TINYMUDS, AND THE TURING TEST: Entering the Loebner Prize Competition. Proceedings of the 12th National Conference on Artificial Intelligence (Seattle, WA, USA, July 31 - August 4).

Mikic, F. A., Burguillo, J. C., & Llamas, M. (2009). CHARLIE: An AIML-based Chatterbot which Works as an Interface among INES and Humans. pp. 1-6.

Moraes, SÍLVIA M. W., & De souza, LUCIANO SEVERO. (2015). Uma Abordagem Semiautomática para Expansão e Enriquecimento Linguístico de Bases AIML para Chatbots. In: Congresso Internacional de Informática Educativa, 20., Santiago. Anais. Santiago: Universidad de Chile, pp. 600-605.

Moresi, E. A. D. (Org.). (2003). Manual de Metodologia da Pesquisa. Brasília: Universidade Católica de Brasília.

Perrenoud, P. (2009). O nó da avaliação. Pátio Revista Pedagógica, Porto Alegre, Artmed, v. 3, n. 50, ano XIII, pp. 8-11. Acedido em 6/2/2019 em, http://www.unige.ch/fapse/SSE/teachers/perrenoud/php_main/Textes2009.html.

Pozzebon E., Frigo, L.B., & Bittencourt, G. (2014). MathTutor: Uma Ferramenta de Apoio a Aprendizagem. Anais do XXII Congresso da Sociedade Brasileira de Computação XWEI, Florianópolis.

Quatrin, GABRIELA, & Beatriz, WILMA (2015). Ensino de Inglês na Escola pública e suas possíveis dificuldades. Thaumazein, Santa Maria, v.7, n. 14, pp. 12-19.

Reis, E. (2009). Estatística Multivariada Aplicada (4. ed.). Lisboa: Edições Sílabo.

Silva, Saulo (2019). Um Chatbot para Auxiliar Alunos do Ensino Médio no Aprendizado do Inglês. Acedido em 7/9/2019 em, http://www.sauloifmg.com.br.

Urretavizcaya, L. MAITE (2001). Sistemas Inteligentes em el âmbito de la educación.

Revista Iberoamericana de Inteligência Artificial. v.1, n. 12, pp. 5-12.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n1-146

Refbacks

  • There are currently no refbacks.