Desempenho acústico: parâmetros normativos x percepção da população. Estudo de caso/ Acoustic performance: normative parameters x population perception. Case study

Dayane Gonçalves Ferreira, Rovadávia Aline de Jesus Ribas, Geraldo Donizetti de Paula

Abstract


A poluição sonora nos centros urbanos é considerada pela Organização Mundial de Saúde a terceira maior poluição ambiental, junto à poluição do ar e da água. O ruído acima de limites aceitáveis pode interferir em atividades humanas, provocando desconforto e estresse. O conforto dos usuários das edificações relaciona-se à sua percepção, sendo, portanto subjetivo. Porém, as normas técnicas têm buscado parâmetros objetivos para mensurar e determinar índices aceitáveis de ruído, almejando moradias que ofereçam conforto acústico aos usuários, proporcionando bem-estar físico e mental. O desempenho acústico deve atender as exigências correspondentes ao local de implantação da edificação, com valores adequados ao nível de critério de avaliação para ambientes externos estabelecidos na norma NBR 10.151 (ABNT, 2000) e ainda aos valores de referência de níveis de pressão sonora para ambientes internos de edificações indicados na norma NBR 10.152 (ABNT, 2017). Com objetivo de contrastar os critérios normativos e a percepção dos moradores, foi realizado um estudo de caso por meio de uma Avaliação pós-ocupação e medições de nível de pressão sonora no condomínio de habitações sociais Residencial Vitória, localizado na cidade de Governador Valadares, escolhido pela localização do mesmo à margem da BR 381, que liga a cidade à capital do estado de Minas Gerais, com intenso trânsito de veículos, que pode interferir nas condições acústicas do ambiente externo às edificações. Foi solicitado aos moradores que avaliassem quanto à acústica as residências nos períodos diurno e noturno, assim como o nível de incômodo com os ruídos externos e a principal fonte de ruído por eles identificada. O desempenho acústico das edificações foi avaliado por meio de medições in loco, segundo prescrições das normas NBR 10.152 (ABNT, 2017) e NBR 10.151 (ABNT, 2000). Foram realizadas medições de nível de pressão sonora contínuo equivalente ponderada em “A” (LAeq) com duração de três minutos em cada ponto de leitura, assim como o nível máximo de pressão sonora ponderada em A e máxima (LASmax). Nas medições tanto em ambientes internos quanto externo às edificações nos turnos diurno e noturno, na maioria dos pontos não atenderam aos parâmetros das normas de referência, evidenciando o desconforto acústico no conjunto habitacional objeto deste estudo, embora na percepção da população as residências apresentem desempenho ótimo ou bom para uma parcela superior a 70% dos entrevistados. Foi evidenciado durante a pesquisa que a proximidade com a rodovia não representa o maior incômodo sonoro para os moradores do bairro. Conforme visto nas medições e relatado pelos moradores, as maiores fontes de ruído externo às moradias são as residências vizinhas e a rua. Esta pesquisa tem intuito de fomentar a discussão: como avaliar o conforto acústico em edificações residenciais? Os critérios normativos são suficientes para abordar tantos critérios subjetivos relacionados à percepção dos moradores?


Keywords


Desempenho acústico; Níveis de pressão sonora; Conforto acústico.

References


ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). NBR 10.151: Acústica - Avaliação do ruído em áreas habitadas, visando o conforto da comunidade - Procedimento. Rio de Janeiro, 2000.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). NBR 10.152: Níveis de ruído para conforto acústico. Rio de Janeiro, 2017.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). NBR 15.575: Edificações habitacionais: desempenho. Rio de Janeiro, 2013.

BISTAFA, S. R. Acústica Aplicada ao Controle de Ruído. São Paulo Edgard Blücher, 2006. 368 p.

BOLOGNESI, Tatiani de Moraes. Acústica e intervenção no ambiente construído: mapeamento dos riscos e estimativa de redução do ruído a partir de propostas de intervenção em uma indústria metalúrgica. Dissertação – Mestrado em Engenharia de Produção. Universidade Metodista de Piracicaba; Santa Bárbara D’oeste, 2008.

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL. Projeto geométrico e plantas das edificações. 2011.

CÂMARA BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO (CBIC). Desempenho de edificações habitacionais: guia orientativo para atendimento à norma ABNT NBR 15575/2013. Fortaleza: Gadioli Cipolla Comunicação, 2013.

GERGES, S. N. Y. Ruído, Fundamentos e Controle. 2ª ed. Florianópolis: UFSC, 2000.

HIRASHIMA, S. Q. da S.; ASSIS, E. S. de. Percepção sonora e conforto acústico em espaços urbanos do município de Belo Horizonte, MG. Ambiente Construído, Porto Alegre, v. 17, n. 1, p. 7-22, jan./mar. 2017.

MAPS. Google maps. Disponível em: . Acesso em: 11 jan. 2019.

NEPOMUCENO, L. X. Acústica. Edgard Blucher, São Paulo; 1977.

RIBAS, R. A. J. Método para avaliação do desempenho térmico e acústico de edificações aplicado em painéis de fechamento industrializados. Ouro Preto: Tese (Doutorado em Ciências da Engenharia Civil) - Universidade Federal de Ouro Preto, 2013.

VILLA, S. B. A APO como elemento norteador de práticas de projeto de HIS. O caso do projeto [MORA]. In: Congresso Internacional de Habitação no Espaço Lusófono. Anais do Congresso Internacional de Habitação no Espaço Lusófono, Lisboa, p. 1-16, 2010.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n1-116

Refbacks

  • There are currently no refbacks.