Impactos e conflitos socioambientais da mineração de ferro nas comunidades camponesas de bandarro e besouro em Quiterianópolis – CE / Impacts and social environmental conflicts of iron mining in the camponesian communities of bandarro and beetle in Quiterianopolis – CE

Erivan Camelo da Silva, Aldiva Sales Diniz

Abstract


Esta pesquisa buscou analisar os impactos e conflitos socioambientais, bem como elucidou as principais injustiças e/ou os crimes da mineração de ferro de responsabilidade da mineradora Globest Participações Ltda., ocorridos entre o ano de 2011 até 2019 nas comunidades camponesas de Bandarro e Besouro no município de Quiterianópolis – CE.  Durante o mesmo período, destacaremos as formas de resistências a mineração protagonizadas pelas comunidades. A metodologia aplicada abordou o diálogo entre a teoria e empiria no território camponês injustamente impactado, compreendendo que estes dois aspectos foram fundamentais para a consolidação de um pensamento coerente com a realidade. Destacamos a nossa busca por uma teoria crítica ao modelo de mineração ainda vigente, buscando historicamente elucidar de forma concreta a luz da nossa pesquisa o descaso da indústria mineral para com a sociedade brasileira. Visitamos o território, presenciamos, dialogamos e escutamos as histórias de vida das famílias camponesas. Coletamos e analisados dados a partir de vasta pesquisa documental, principalmente processos administrativos e judiciais ocorridos entre os anos de 2011 a 2019, período que justifica o recorte temporal considerando o ano de ingresso formal da mineradora no território. A mineração causou diversos impactos e crimes socioambientais, alguns que poderão ser reparados e outros que são irreversíveis pela sua profundidade no espaço e no tempo. Assim, o processo de mineração é conceituado na fala dos camponeses como portador do desassossego e pobreza e, que sua essência provoca destruição, doença e morte. 


Keywords


Mineração; impacto socioambiental; Crime; Território; Conflito.

References


AB´SABER, A. N. Sertões e sertanejos: Uma geografia humana sofrida. Estudos avançados 13 (36), p. 7 – 59,1999.

ALMEIDA, I. T. A poluição atmosférica por material particulado na mineração a céu aberto. 1999. Dissertação (mestrado em Engenharia Mineral) – Escola Politécnica, Universidade de São Paulo, 1999.

BRASIL, Ministério de Minas e Energia – MME; Departamento Nacional de Produção Mineral - DNPN. Anuário Mineral Estadual – Ceará. Anos base, 2014 e 2015. Brasília, 2016.

BRASIL, Ministério de Minas e Energia – MME; Departamento Nacional de Produção Mineral. Anuário Mineral Estadual – Ceará. Anos base, 2010 a 2013. Brasília, 2014.

BRASIL, Ministério de Minas e Energia; Departamento Nacional de Produção Mineral. Mineração no Semiárido; Brasília - DF, 2009.

BRITO, D. M. C. et al. Conflitos socioambientais no século XXI. PRACS: Revista de Humanidades do Curso de Ciências Sociais da UNIFAP. Macapá, n.4, p.51-8, dez. 2011.

COELHO, Tádzio Peters. Noventa por cento de ferro nas calçadas: mineração e (sub)desenvolvimentos em municípios minerados pela Vale. Tese (doutorado em Ciência Sociais). Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 2016.

DEMO, P. Metodologia científica em Ciências Sociais. 3. ed. São Paulo: Atlas, 1995.

DINIZ, Aldiva Sales. Trilhando caminhos: A resistência dos camponeses no Ceará em busca de sua libertação. Tese (Doutorado em Geografia Humana). São Paulo: USP, 2009.

FERNANDES, Bernado M. Entrando nos Territórios do Território. In. PAULINO, Elias Tomiasi; FABRINI, João Edmilson. (Orgs). Campesinato e Territórios em Disputa. 1a edição. São Paulo, SP: Expressão Popular, 2008a, p. 273 – 301.

FUNCEME. Índice de aridez para o Ceará. Disponível em: < http://www.funceme.br/?page_id=2783 >. Acessado em: 16 de outubro de 2019.

GALEANO, Eduardo. As veias abertas da América Latina. São Paulo. Editora Paz e Terra S/A, 1981.

HAESBAERT, R. Viver no limite: território e multi/transterritorialidade em tempos de insegurança e contenção. Rio de Janeiro: Bertrand do Brasil, 2014.

IBGE - Panorama. Disponível em:. Acessado em: 16 de outubro de 2019.

IPECE. Perfil municipal – 2017. Disponível em:< https://www.ipece.ce.gov.br/wp-content/uploads/sites/45/2018/09/Quiterianopolis_2017.pdf>. Acesso em 02 de setembro de 2019.

MARINE, Ruy Mauro. Dialética da dependência. In: TRASPADINI, R.; STÉDILE, J. P. (Org.) Ruy Mauro Marini: Vida e obra. São Paulo: Expressão Popular, 2005. P 137-180.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. A ideologia alemã. 1a edição. São Paulo: Expressão Popular, 2009.

MARX, Karl. Crítica da economia política: livro I: o processo de produção do capital. 2a ed – São Paulo: Boi Tempo, 2017.

MÉSZÁROS, István. A crise estrutural do capital. São Paulo: Editorial Boitempo, 2011.

POULANTZAS, Nicos. O Estado, o poder, o socialismo. Rio de Janeiro: Graal, 1985.

RAFFESTIN, Claude. Por uma geografia do poder. São Paulo: Editora Ática S.A., 1993.

RAFFESTIN, Claude. Por uma geografia do poder. São Paulo: Editora Ática S.A., 1993.

Wanderley, L. J. M. Do Boom ao Pós Boom das commodities: o comportamento do setor mineral no Brasil. Versos - Textos para Discussão PoEMAS, 1(1), 1-7. 2017.

WANDERLEY, Luiz Jardim de Moraes. Conflitos e movimentos sociais populares em a?rea de minerac?a?o na Amazo?nia Brasileira. Trabalho de Dissertação. Programa de Po?s-Graduac?a?o em Geografia da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: 2008

ZONTA, M.; TROCATE, C. A questão mineral no Brasil. vol. 1. In. Projeto Grande Carajás: trinta anos de desenvolvimento frustrado - Marabá, PA: Editorial iGuana, 2015.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n1-093