A generalização dos resultados da pesquisa qualitativa no campo da Administração: reflexão sobre seus limites e possibilidades / The generalization of the results of qualitative research in the field of Administration: reflection on its limits and possibi

Adail José Sousa, Dalila Alves Corrêa, Fábio Chaves Nobre, Clóvis Luís Padoveze, José Francisco Calil

Abstract


Dentre as questões que suscitam debates no campo da pesquisa qualitativa está a generalização de seus resultados. No centro desse debate está o entendimento que cada pesquisa é única como também o são seus resultados, o que limitaria a sua generalização. Independentemente das técnicas que se podem utilizar na pesquisa qualitativa prevalece à noção sobre a não existência da transferência de seus resultados ou réplica para outros contextos e circunstâncias, mesmo que semelhantes. Esta realidade identifica um aspecto pouco debatido, mas de relevante importância para os pesquisadores. Tal interesse redunda em considerações que colocam em cheque a própria validade da pesquisa qualitativa, pois se os resultados não conferem réplicas serviriam a que? Esse tem sido o questionamento de pesquisadores positivistas que não atribuem valor para pesquisas cujos resultados não se aplicam a generalizações. O presente artigo, desenvolvido na forma de ensaio teórico, tem como objetivo discutir a questão da generalização na pesquisa qualitativa, sem,contudo, pretender o seu esgotamento. Dado o valor que este tipo de pesquisa tem para o campo da Administração, com suas nuances sociais, o artigo direciona a análise para este tema. Sua finalidade é destacar que a generalização de resultados não pode ser tomada como o parâmetro de maior relevância para a pesquisa em Administração, pois, estaria-se, assim valorizando apenas pesquisas de cunho positivista, bem como ignorando a natureza multicultural e multisocial dos fenômenos e objetos de pesquisa deste campo.


Keywords


Pesquisa qualitativa; Generalização; Resultado; Administração

References


AIRES L.Paradigma qualitativo e práticas de investigação educacional. Ed. Universidade Aberta, 2011.

ALASUUTARI, P. A Globalização da Pesquisa Qualitativa. Revista Media & Jornalismo, Portugal: Coimbra, v. 6, n. 6, p. 17-41, 2005.

ALVES-MAZZOTTI, A. J. “Usos e Abusos dos Estudos de Caso”. Cadernos dePesquisa, v. 36. n.129, p. 637-651, set.dez. 2006.

BASKERVILLE, R. et al. Extensible architectures: The strategic value of service-oriented architecture in banking. European Conference on Information Systems. Regensburg, Germany, 2005.

BISPO, M. S.; GODOY, A. S. Etnometodologia: uma proposta para pesquisas em estudos organizacionais. RAU - Revista de Administração da UNIMEP. V.12, n.2, maio/agosto, 2014.

BYRNE, E & SAHAY, S. Generalizations from an interpretive study: The case of a South African community-based health information system. South African Computer Journal, n. 38, p. 8-19, 2007.

CARVALHO, E.; AQUINO, M. A.; A pesquisa qualitativa: origens, desenvolvimento e utilização nas dissertações do PPGCI/UFPB, 2008 a 2012. Inf. & Soc.: Est., João Pessoa, v. 22, p. 79-100, Edição especial, 2012.

CHIZZOTTI, A. Pesquisa em ciências humanas e sociais: evolução e desafios. Revista portuguesa de educação, v. 16, n. 2, Universidade de Minho, Braga, 2003.

____________. Pesquisa em ciências humanas e sociais. São Paulo: Cortez, 2006

CORRÊA, D. A.; LEME, S. M. A pesquisa como via de capacitação técnica, científica e política: análise de uma experiência no estágio supervisionado em administração de empresas. RAU – Revista de Administração da UNIMEP. v.5, n.1, janeiro/abril, 2007.

COLÁS, P. El análisis cualitativo de datos. Madrid: Mc-Graw-Hill, p.225-249, 1998.

DARKE, P. et al. Successfully completing case estudy research: combining rigour, relevance and pragmatism. Information Systems Journal, v. 8, n. 4, p. 273-289, 1998.

DEMO, P. Metodologia científica em ciências sociais. 2 ed. São Paulo: Atlas, 1989.

DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. O planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. Porto Alegre: Artmed, 2006.

____________. Handbookofqualitativeresearch.Califónia: Sage, 1994.

ERICKSON, F. Qualitative Resserch on Teaching. In: M. C., Winttrok. Handbook of Research on teaching. New York: Macmilan, 1986.

FERNANDES, F. Fundamentos empíricos da explicação sociológica. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1959.

FLICK, U. Uma introdução à pesquisa qualitativa. 2 ed. Porto Alegre: Bokman, 2004.

____________. Introdução à pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed/Bookmann, 2009.

GEERTZ, C. The interpretation of culture. Basic Books, New York, 1973.

GODOY, A. S. Introdução à pesquisa qualitativa. Revista de Administração de Empresas. São Paulo. v. 35, n.2, março/abril, 1995a.

____________. Pesquisa qualitativa: tipos fundamentais. Revista de Administração de Empresas. São Paulo. v. 35, n.3, maio/junho, 1995b.

GODOI, C. K. et al. Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais – paradigmas, estratégias e métodos. São Paulo: Saraiva, 2006.

GOEKEN, M.; BÖRNER, R.Generalization in qualitative isresearchapproaches and their application to a case study onSoa development. AustralasianJournalofInformationSystems, v. 17, n. 2, 2012.

GOMES, F. P.; ARAUJO, R. M. Pesquisa quanti-qualitativa em administração: uma visão holística do objeto em estudo. In: VIII SEMEAD - Seminários em Administração, FEA - USP, 2005, São Paulo - São Paulo. VIII SEMEAD, 2005.

GUBA, E. G. The alternative paradigm dialogue. Sage Publications. Newbury Park. London, 1990.

GUBA,E. G;LINCOLN,Y.Competingparadigmsinqualitativeresearch. Handbook of qualitative research. Califónia: Sage, p.105-117, 1994.

GLASER, B. G.; STRAUSS, A. L. The discovery of grounded theory: Strategies for qualitative research. Chicago: Aldine, 1967.

KLEIN, H. H. & MYERS, M. D. A set of principles for conducting and evaluating interpretive field studies in information systems. MIS Quarterly, v. 23, n. 1, p. 67-94, 1999.

LEE, J. H. et al. Critical success factors in SOA implementation: An exploratory study. Information Systems Management, v. 27, n. 2, p. 123-145, 2010.

LINCOLN, Y. S.; GUBA, E. G. Naturalist inquiry. Sage Publications. Newbury Park. London: New Delhi, 1985.

MANTZAVINOS, C. O círculo hermenêutico: Que problema é este?. Tempo Social, Revista de Sociologia da USP, v. 26, n. 2, p. 57-69, nov. 2014.

MARTINS, H. H. T. de. Metodologia qualitativa de pesquisa. Revista Educação e Pesquisa, São Paulo, v.30, n.2, p.289-300, maio/agosto. 2004.

MEDEIROS, M. Pesquisas de abordagem qualitativa. Revista eletrônica de enfermagem. Universidade Federal de Goiás, Goiânia, GO, v.14, n.2, 2012.

MILES,M.;HUBERMAN,A.Qualitativedataanalysis:Asourcebookof new methods. Newbury Park, CA: Sage, 1994.

NEVES, J. L. Pesquisa qualitativa: características, usos e possibilidades. Caderno de pesquisa em administração. FEA/USP. São Paulo. v.1, n.3. 2º sem. 1996.

OLIVEIRA, C. D. O (2003). Papel da inovação no processo da estratégia: Uma pesquisa qualitativa em empresas emergentes de base tecnológica no Brasil. Tese de doutorado em engenharia de produção. Universidade Federal do Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

POUPART, J. et al. A pesquisa qualitativa: enfoques epistemológicos e metodológicos. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.

POPAY, J. et al. Rationale and standars for the systematic review of qualitative literature in health services research. Qualitative Health Research, v. 8, n. 3, p. 341-351, 1998.

RICHARDSON, T.; RICHARDSON, L. Using Computers in Qualitative Research. HandbookofQualitativeResearch, California: Sage, 1994.

RODRIGUES FILHO, J. Anotações de palestras e seminários. Programa de Pos-Graduação em Administração. Curso de mestrado em Administração. Universidade Federal da Paraíba. 2004.

SCHUTZ, A. Concept and theory formation in the social Sciences. The Journal of Philosophy, v. 51, n. 9, p. 257-273, 1954.

SMALING, A. Inductive, Analogical and Communicative Generalization. International Journal of Qualitative Methods, v. 2, n. 1, p. 52-67, 2003.

STAKE, R. The art of case research. Sage Plublications. Newbury Park. London: New Delhi, 1995.

SANTOS, B. S. Um discurso sobre as ciências. 6ª ed. São Paulo: Cortez, 1987.

SOUZA, N. S.; LIMA, M. C. Pesquisa qualitativa e generalização dos resultados: ficção ou realidade? I Colóquio de Epistemologia e sociologia da ciência da administração. Florianópolis, março, 2011.

TSOUKAS, H. Craving for Generality and Samall-N Stud: A wittgensteinian approach towards the epistemology of the particular in organization and management studies. SageHandbookoforganizationalresearchmethods. p. 285-301, 2009.

ZANTEN, A. V. Pesquisa qualitativa em educação: pertinência, validez e generalização. Perspectiva, Florianópolis, v. 22, n. 01, p. 25-45, jan/jun. 2004.

WALSHAM, G. Interpretive case studies in IS research: Nature and method. European Journal of information systems. n. 4, p. 74-81, 1995.

____________. Doing interpretive research. European Journal of information systems. n.15, p. 320-330, 2006.

WOODWARD, J. What is a mechanism? A counterfactual account. Philosophical Science. v. 69, pp. 366-377, 2002.

WILLIAMS, M. Interpretivism and Generalisation. Sociology. v. 34, n. 2, p. 209-224, 2000.

YIN, R. K. Case study research, Design and Methods. Sage Publications, Thousand Oaks.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv3n3-52

Refbacks

  • There are currently no refbacks.