Línguas de sinais de comunidades isoladas encontradas no Brasil / Sign languages of isolated communities found in Brazil

Diná Souza da Silva, Ronice Muller de Quadros

Abstract


No presente artigo apresentaremos um mapeamento das línguas de sinais de comunidades isoladas encontradas no Brasil, especificamente nas comunidades distantes dos centros urbanos, contribuindo assim para o conhecimento e reconhecimento das línguas de sinais do país. Sabe-se que, além da língua de sinais, oficializada pela Lei Federal Nº 10.436, de 24 de abril de 2002, o Brasil possui pelo menos duas línguas que já puderam ser minimamente documentadas: a língua de sinais de Urubu-Kaapor (Kakumasu, 1968) e a língua de sinais conhecida como “Cena” (Pereira, 2013), falada na cidade de Jaicós, no povoado de Várzea Queimada, no interior do Piauí, também na região nordeste do país. Todavia o levantamento ora realizado aponta aproximadamente doze línguas de sinais utilizadas pelas comunidades surdas e por comunidades isoladas no Brasil, identificadas nas zonas rurais e em comunidades indígenas. No que tange à metodologia da pesquisa, realizou-se uma pesquisa bibliográfica e documental a partir do Banco de Teses e Dissertações da Capes, bem como outras literaturas disponíveis sobre a temática. Como procedimentos de análise e discussão dos dados, a priori, optou-se pela análise de conteúdo em Bardin (2016), por apresentar um caráter especial e favorável a estudos de materiais tipicamente qualitativos. Espera-se que esse estudo possa trazer maiores contribuições pertinentes às questões relacionadas às línguas de sinais de comunidades isoladas no Brasil, seu uso e registro, associando-se a outros estudos desenvolvidos no âmbito da interpretação, tradução, mapeamento e registro de novas línguas.

 

 


Keywords


Línguas de sinais. Comunidades isoladas. Mapeamento. Documentação. Libras.

References


AZEVEDO, M. J. S. Mapeamento e contribuições linguísticas do professor surdo aos índios surdos da etnia Sateré-Mawé na microrregião de Parintins. Dissertação de Mestrado– Manaus: UEA, 2015. 115fls. il.: 30cm. Disponível em: http://www.pos.uea.edu.br/data/area/dissertacao/download/23-13.pdf.

BARDIN, Laurence. Análise de Conteúdo. Tradução: Luís Augusto Pinheiro. São Paulo: Edições 70, 2016.

BRASIL. Lei 10.436/02 de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10436.htm

_______. Decreto nº 5.626/05, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei no 10.436, de 24 de abril de 2002, e o art. 18 da Lei nº 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Disponível em: http://www.jusbrasil.com.br/legislacao/96150/decreto-5626-05

CARLIEZ, M. L. Collecte des LS des sourds de Soure (Île de Marajó) et de Fortalezinha: un parcours méthodologique (2008-2013). Recherche non publiée, réalisée à Paris 8, en régime de postdoctorat.

_________, M. L. S. S.; FORMIGOSA, E.; CRUZ, E. B. Accessibilité et égalité des chances aux micro-communautés des sourds brésiliens : vers la reconnaissance des langues des signes pratiquées par les sourds de Soure (Île de Marajó) et Fortalezinha-PA et Porto de Galinhas-PE. MOARA, v. 1, p. 113-143, 2016.

_________, M. L. S. S. & FUSELLIER, I. Collecte des langues des signes des sourds de Soure (Île de Marajó): un parcours méthodologique (2008/2013), les enjeux sociaux et politiques de la non reconnaissance des langues des signes émergentes pratiquées par ces sourds MOARA, v. 1, p. 144 - 160, 2016.

CERQUEIRA, I.F. & TEIXEIRA, E.R.T. Iconicidade e realidade: um olhar sobre a produção de sinais dos surdos do município de Cruzeiro do Sul/Ac. In: ANTHESIS: Revista de Letras e Educação da Amazônia Sul-Ocidental, ano 05, nº 08, 2016. Disponível em: file:///D:/Users/Windows7/Downloads/496-1272-1-PB.pdf.

CESAR, A.L.; CAVALCANTI, M.C. Do singular para o multifacetado: o conceito de língua como caleidoscópio. IN: CAVALCANTI, M.C.; BORTONI-RICARDO, S.M. Transculturalidade, linguagem e educação. Campinas-SP: Mercado de Letras, 2007. p.45-66.

COELHO, L. L. A constituição do sujeito surdo na cultura Guarani-Kaiowá: os processos próprios de interação e comunicação na família e na escola [Dissertação de Mestrado]. Dourados: UFGD, 2011. 125 f.

DAMASCENO, L. M.S. Surdos Pataxó: inventário das Línguas de Sinais em território etnoeducacional. Dissertação de Mestrado. Bahia: Universidade Federal da Bahia. 2017.

DECAMP, D. (1971) Introduction: The study of pidgin and creole languages. In: D. HYMES (org.) Pidginization and creolization of languages. Cambridge: Cambridge Universty Press, p. 13-39.

FERREIRA-BRITO, L. 'Similarities and differences in two Brazilian sign languages'. Sign Language Studies, 42, 1984. P. 45-56.

FORMIGOSA, E. Étude de la variation linguistique de la ls au Brésil dans l’enseignement de la Libras, Paris 8. 2015.

FUSELLIER-SOUZA, Ivani. 2006. Emergence and Development of Signed Languages: From a Semiogenetic Point of View. Sign Language Studies, 7(1). Gallaudet University Press. 30–56.

GIROLETTI, M. F. P. Cultura Surda e Educação Escolar Kaingang. Dissertação de Mestrado - Florianópolis: UFSC, 2008.

GOLDIN-MEADOW, S.; Mylander, C. Spontaneous sign systems created by deaf children in two cultures. Nature: international weekly journal of science, Chicago, 15 jan. 1998. Seção Letters to Nature. 391, p. 279-281. Disponível em: Acesso em: 30 mar. 2017.

GROCE, N. E. Everyone here spoke sign language: hereditary deafness Martha’s Vyneard.London: Harvard Univesity Press, 1985.

GUMPERZ, J. J. Introduction to part IV. In: GUMPERZ, J. J.; LEVINSON, S. C. (Ed.). Rethinking linguistic relativity. Cambridge: Cambridge University Press, 1996. p. 359-373.

INSTITUTO de Investigação e Desenvolvimento em Política Linguística – IPOL. Disponível em: http://e-ipol.org/. Acesso em: 08 jun. 2018.

INSTITUTO do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - IPHAN. Disponível em: http://portal.iphan.gov.br/. Acesso em 08 jun. 2018.

KAKUMASU, J. Urubu Sign Language. International Journal of American Linguistics 34: 275-281. 1968.

KISCH, S. “Deaf Discourse”: Social Construction of deafness in a Bedouin community in the Negev. M.A. thesis, Tel-Aviv University. (2000)

KUMADA, K.M.O. “No começo ele não tem língua nenhuma, ele não fala, ele não tem LIBRAS, né?”: representações sobre línguas de sinais caseiras. Dissertação de Mestrado. Departamento de Linguística Aplicada. Instituto de Estudos da Linguagem, Unicamp, 2012.

KUSTERS, A. (2012). Being a deaf white anthropologist in Adamorobe: Some ethical and methodological issues. In Zeshan & de Vos, 27–52.

LIMA, J. M. S. A criança indígena surda na cultura Guarani-Kaiowá: um estudo sobre as formas de comunicação e inclusão na família e na escola [Dissertação de Mestrado]. UFGD, 2013.

MCCLEARY, L.E. Repensando a dimensão do surdo no contexto ouvinte. In: Surdez e Qualidade de Vida: Seminário em Comemoração ao Dia Nacional do Surdo, 1, (22 de setembro) Caxias do Sul, RS: Universidade de Caxias do Sul [Local: Universidade de Caxias do Sul], 2003.

McCLEARY, L.; VOTTI, E. Língua e gesto em línguas sinalizadas. Veredas [online] Atemática, 1 , p. 289-304, Juiz de Fora, 2011.

MAHER, T. M. Ecos de resistência: políticas linguísticas e línguas minoritárias no Brasil. In: NICOLAIDES, C.; Da SILVA, K. A.; TILIO, R.; e ROCHA, C. H. (Orgs.). Política e políticas linguísticas. Campinas, SP: Pontes, 2013.

MARTINOD, E. Les LS pratiquées par des sourds isolés de Marajó. Dissertação de Mestrado defendida na Université Vincennes Saint Denis- Paris 8, 2013.

MEIR, Irit; ARONOFF, Mark & SANDLER, Wendy & PADDEN, Carol. (2010). Sign language and compounding. In: SCALISE, S. & VOGEL, I. (Eds.). Compounding. John Benjamins, p. 301-322.

MORELLO. R. Uma política pública e participativa para as línguas brasileiras: sobre a regulamentação e a implementação do Inventário Nacional da Diversidade Linguística (INDL). Gragoatá, Rio de Janeiro, n. 32, 2012.

NONAKA, A. Sign language the forgotten endangered languages: lessons on the importance of remembering. Language in society, 33 (5), 2004. P. 737-767.

_________, A. Emergence of an indigenous sign language and a speech/sign community in Ban Khor, Thailand. Ph.D. in Linguistic Anthropology, University of California, Los Angeles, 2007.

_________, A. Estimating size, scope, and membership of the speech/sign communities of undocumented indigenous/village sign languages: The Ban Khor case study. In: HARRIS, Roy. Language and Communication. Vol. 29, issue 3, 2009.

_________, A.M. Interrogatives in Ban Khor Sign Language: A Preliminary Description. In D.J. Napoli and G. Mathur (eds.). Deaf around the world: The impact of language. Oxford and New York: Oxford University Press. 2010.

__________, A. Language socialization and language endangerment. In: DURANTI, Alessandro. OCHS, Elinor. 2011.

__________, A. 2012a. Language ecological change in Ban Khor, Thailand: an ethnographic case study of village sign language endangerment. In: Zeshan, U., de Vos, C. (Eds.), Sign Languages in Village Communities: Anthropological and Linguistic Insights. De Gruyter Mouton and Ishara Press, pp. 277–312.

__________, A.M., 2012b. Sociolinguistic sketch of Ban Khor and Ban Khor Sign Language. In: Zeshan, U., de Vos, C. (Eds.), Sign Languages in Village Communities: Anthropological and Linguistic Insights. De Gruyter Mouton and Ishara Press, pp. 373–376.

NYST, V., 2007. A Descriptive Analysis of Adamorobe Sign Language (Ghana). LOT, Utrecht, The Netherlands.

OLIVEIRA, Gilvan Müller de (org.). Declaração Universal dos Direitos Linguísticos: novas perspectivas em política linguística. Campinas (SP): Mercado de Letras, Associação de Leitura do Brasil (ALB); Florianópolis: IPOL, 2003.

PEREIRA, Dulce. Crioulos de base portuguesa. Lisboa: Caminho, 2006.

PEREIRA, E. L. Fazendo cena na cidade dos mudos: surdez, práticas sociais e uso da língua em uma localidade no sertão do Piauí. Tese (Doutorado em Antropologia Social). Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina, 2013. 380p.

QUADROS, R.M. de. Educação de surdos: a aquisição da linguagem. Porto Alegre: Artes Médicas. 1997. RAMSEY, Claire L. Deaf children in public schools: placement, context and Consequences. Gallaudet University Press 1997.

QUADROS, R. M. & LEITE, T. A. Línguas de sinais do Brasil: reflexões sobre o seu estatuto de risco e a importância da documentação. In: QUADROS, R. M.; STUMPF, M. R.; LEITE, T. A. Estudos da Língua Brasileira de Sinais II. Florianópolis. Ed. Insular. 2013.p.15-28.

QUADROS,R.M. de; SILVA, D.S. da. As comunidades surdas brasileiras. In: ZAMBRANO, R.C.; PEDROSA, C.E.F. (orgs.). Comunidades Surdas na América Latina: Língua – Cultura – Educação – Identidade. Florianópolis: Editora Bookess, 2017. P. 135 – 152.

ROSA, F. S.; LEBEDEFF, T. B.; MONTE, M. S. R. Memórias Linguísticas e registros dos verbos do sistema de sinais caseiros de duas crianças surdas de Jacaré dos Homens. In: COELHO, Orquídea; KLEIN, Madalena. Cartografias da surdez: Comunidades, línguas, práticas e pedagogia. Porto: Livpsic, 2013.

SACKS, O. Vendo vozes: uma viagem ao mundo dos surdos. São Paulo: Cia das Letras, 1998.

SANDLER, W.; LILLO-MARTIN, D. C. Sign language and linguistic universals. Cambridge: Cambridge University Press, 2005

SANTANA, A.P.; BERGAMO, A. A cultura e identidades surdas: encruzilhada de lutas sociais e teóricas. Educação e Sociedade, vol. 26, n.91, 2005, pp. 565-582.

SILVA, D. S. A língua de sinais de vilarejos brasileiros: os casos da língua de sinais Caiçara e a língua de sinais Cena. Tese de doutorado. Programa de Pós-Graduação em Linguística. Universidade Federal de Santa Catarina. (Em elaboração)

SILVA, A.A.; SOUSA, R.S. (2018). Avaliação da capacidade expressiva e de compreensão da Libras: um estudo comparativo entre a aquisição de linguagem em comunidades surdas urbanas e desligadas. In: STUMPF, M.R.;R.M. Estudos da Língua de Sinais, vol. 4. Florianópolis: Insular.

SOUZA, R.B.; SEGALA, R.R. A perspectiva social na emergência das Línguas de Sinais: a noção de comunidade de fala e idioleto segundo o modelo teórico laboviano. In: QUADROS, R.M.; STUMPF, M.R. (Org.). Estudos Surdos IV, Petrópolis, RJ: Arara Azul, 2009.

SUMAIO, P.A. Sinalizando com os Terena: um estudo do uso da LIBRAS e de sinais nativos por indígenas surdos. 2014. 123 f. Dissertação (Mestrado em Linguística e Língua Portuguesa) – Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, 2014.

TEMÓTEO, J.G. Diversidade linguístico-cultural da língua de sinais do Ceará: um estudo lexicológico das variações da Libras na comunidade de surdos do Sítio Caiçara. João Pessoa: Universidade Federal da Paraíba, 2008

VILHALVA, S. Índios surdos: mapeamento das línguas de sinais do Mato Grosso do Sul. Petrópolis, RJ: Arara Azul, 2012

WOODWARD, J. C. Jr. Signs of change: historical variation in american sign of deafness. Washington: Gallaudet University Press, 1996.

ZESHAN, U. Raízes, folhas e ramos -a tipologia de línguas de sinais. In: QUADROS, RM; VASCONCELLOS, MLB. Questões Teóricas das Pesquisas em Línguas de Sinais. 9o TheoreTical issues in sign language research conference Florianópolis, Brasil, Dezembro Ed. Arara Azul. 2006, p. 30-39.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv5n10-342

Refbacks

  • There are currently no refbacks.