The effectiveness of methylphenidate (ritalin) in the treatment of attention-deficit/hyperactivity disorder (ADHD) in children: a systematic review / A eficácia do metilfenidato (ritalina) no tratamento do transtorno de déficit de atenção/hiperatividade (TDAH) em crianças: revisão sistemática

Caroline Queiroz Gonçalves, Daniele Caldas Do Nascimento, Ruzimery Silva Anunciação, Anne Cristine Gomes de Almeida

Abstract


RESUMO

Objetivo: analisar a partir da literatura a eficácia da ritalina no tratamento do transtorno de déficit de atenção/hiperatividade (tdah) em crianças.

Metodologia:trata-se de uma revisão sistemática de caráter exploratório e abordagem descritiva. A coleta de dados será realizada nas seguintes bases de dados: scielo, lilacs, medline e bvs.

Resultado e discussão:o total de artigos científicos consultados para a realização dos objetivos propostos na presente pesquisa, à revisão sistemática foram realizados com 588 artigos, descartados 576 artigos, e utilizados 12 artigos publicados a partir do ano 2015 ao ano de 2021, tratavam do tema desenvolvido no artigo. Correspondendo 1 pesquisa de campo, 5 estudo transversal, 1 pesquisa intervenção, 1 estudo descritivo, 2 relato de caso, 1 estudo quantitativo, 1 pesquisa documental quantitativa.

Conclusão:os resultados indicam que o metilfenidato pode melhorar alguns dos principais sintomas do tdah, reduzir a hiperatividade e impulsividade e ajudar as crianças a se concentrar. O metilfenidato também pode ajudar a melhorar o comportamento geral e a qualidade de vida de crianças com tdah.


Keywords


Metilfenidato, Ritalina, TDAH, Medicamentospsicotrópicos, Criança.

References


ABRAHÃO, Anaisa Leal et al. Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH), inclusão educacional e Treinamento, Desenvolvimento e Educação de Pessoas (TD&E): uma revisão integrativa. Revista Psicologia. Organizacoes e Trabalho, v. 20, n. 2, 2020.

ANDRADE, André Luiz Monézi; JÚNIOR, Alfredo Lohr. Questões atuais acerca do transtorno de déficit de atenção/hiperatividade. Psicologia Argumento, v. 25, n. 48, p. 73-83, 2017.

ANDRADE, Luana et al. Ritalina, uma droga que ameaça a inteligência. Revista de Medicina e Saúde de Brasília, v. 7, n. 1, 2018.

ARAÚJO, Lucimar Ferreira; MATA, Liliane Cunha Campos. A frequência do uso de ritalina entre crianças da pré-escola em Paraopeba-MG. Revista Brasileira de Ciências da Vida, v. 5, n. 1, 2017.

BACCARI, Ivana Oliveira Preto et al. Recovery: revisão sistemática de um conceito. Ciência & Saúde Coletiva, v. 20, p. 125-136, 2015.

BARBOSA, Flavia et al. Uso de metilfenidato em crianças com transtorno de déficit de atenção e hiperatividade em um município do interior do paraná, Brasil. Acta Biomédica Brasiliensia, v. 7, n. 2, p. 29-38, 2016.

BENCZIK, Edyleine Bellini Peroni; CASELLA, Erasmo Barbante. Compreendendo o impacto do TDAH na dinâmica familiar e as possibilidades de intervenção. Revista Psicopedagogia, v. 32, n. 97, p. 93-103, 2015.

BENTO, Luiz Antonio et al. Crianças com transtorno de déficit de atenção e hiperatividade–tdah: comparação do desempenho escolar dos alunos tratados e não tratados com metilfenidato. Revista Uningá, v. 56, n. 2, p. 151-159, 2019.

BERTOLDO, Lao Tse Maria et al. Intervenções para o TDAH infanto-juvenil que incluem pais como parte do tratamento. Psicologia Revista, v. 27, n. 2, p. 427-452, 2018.

BRZOZOWSKI, Fabíola Stolf. A influência do “modelo centrado na doença” no uso de medicamentos para problemas de aprendizagem na escola. Política & Sociedade, v. 19, n. 46, p. 242–268-242–268, 2020.

CALIMAN, Luciana Vieira; MARTIN, Maria Renata Prado. O TDAH na França: a experiência das famílias. Educação em Foco, 2019.

CARVALHO, Ana Paula; DOS SANTOS, Mariana Fernandes Ramos. TDAH: Da banalização ao diagnóstico. Revista Transformar, v. 9, p. 184-202, 2016.

CHAVES, Felipe Alan Mendes; CALIMAN, Luciana Vieira. Entre saúde mental e a escola: A gestão autônoma da medicação. Revista Polis e Psique, v. 7, n. 3, p. 136-160, 2017.

CHEFFER, Maycon Hoffmann et al. Utilização de metilfenidato por usuários do sistema público de saúde em município da região Oeste do Paraná. Revista Cereus, v. 13, n. 2, p. 230-244, 2021.

COHEN, Yael Givon et al. Methylphenidate use among medical students at Ben-Gurion University of the Negev. Journal of neurosciences in rural practice, v. 6, n. 03, p. 320-325, 2015.

COLI, Ana Clara Mauad et al. Uso não prescrito de metilfenidato entre estudantes de uma faculdade de medicina do sul de Minas Gerais. Revista Ciências em Saúde, v. 6, n. 3, p. 121-132, 2016.

CRUZ, Murilo Galvão Amancio et al. O caso Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) e a medicalização da educação: uma análise a partir do relato de pais e professores. Interface-Comunicação, Saúde, Educação, v. 20, p. 703-714, 2016.

DERMEVAL, Diego et al. Mapeamento sistemático e revisão sistemática da literatura em informática na educação. Metodologia de Pesquisa em Informática na Educação: Abordagem Quantitativa de Pesquisa. Porto Alegre: SBC, 2019.

DOMITROVIC, Nathalia; CALIMAN, Luciana Vieira. As controvérsias sócio-históricas das práticas farmacológicas com o metilfenidato. Psicologia & Sociedade, v. 29, 2017.

EFFGEM, Virginia; ROSSETTI, Claudia Broetto. Representação de TDAH em meninos diagnosticados com o transtorno. Psicologia Revista, v. 26, n. 2, p. 255-280, 2017.

ESHER, Angela; COUTINHO, Tiago. Uso racional de medicamentos, farmaceuticalização e usos do metilfenidato. Ciência & Saúde Coletiva, v. 22, p. 2571-2580, 2017.

FERNANDES, Cleonice Terezinha; MARCONDES, Jeisa Fernandes. Tdah: Transtorno, causa, efeito e circunstância. Revista de Ensino, Educação e Ciências Humanas, v. 18, n. 1, p. 48-52, 2017.

FILHO, João et al. Medicação de alto risco: reflexão da ritalina. Revista Eletrônica Acervo Saúde, v. 12, n. 12, p. e5125-e5125, 2020.

KLEIN, Daiane; COLET, Christiane Fátima. Uso de cloridrato de metilfenidato por pacientes pediátricos. Biomotriz, v. 11, n. 1, 2017.

LACET, Cristine; ROSA, Miriam Debieux. Diagnóstico de Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) e sua história no discurso social: desdobramentos subjetivos e éticos. Psicologia Revista, v. 26, n. 2, p. 231-253, 2017.

LEITE, Ricardo et al. Medicamentos usados no tratamento psicoterapêutico de crianças autistas em Teresina–PI. Boletim Informativo Geum, v. 6, n. 3, p. 91, 2015.

LIMA, Tiago Aparecido Maschio et al. Estudo da utilização de metilfenidato em uma unidade básica de saúde. Arquivos de Ciências da Saúde, v. 26, n. 1, p. 51-54, 2019.

LOPES, Aline RB et al. Adesão ao tratamento com de metilfenidato no Posto de Coleta e Farmácia Jacarandás Sinop-MT. Revista Científica, n. 11, 2018.

MANFRO, Arthur Gus et al. Investigando as origens do transtorno de déficit de atenção/hiperatividade (TDAH): os papéis de fatores genéticos e ambientais nas trajetórias do TDAH. Clinical and biomedical research, 2019.

MEDEIROS, Jefferson Marlon; BARBOSA, Andreza Guedes. Uso não prescrito de cloridrato de metilfenidato entre estudantes universitários. Revista de Pesquisa Interdisciplinar, v. 2, n. 2.0, 2019.

MOREIRA, Sandro Cezar; BARRETO, Maria Auxiliadora Motta. Transtorno de déficit de atenção e hiperatividade: conhecendo para intervir. Revista Práxis, v. 1, n. 2, 2017.

OLIVEIRA, Ana Paula; MORAES, João Carlos Pereira. A Ritalina como forma de tratamento em crianças com transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH): um estudo de caso. Revista Magistro, v. 1, n. 17, 2018.

OLIVEIRA, Clarissa Tochetto de; DIAS, Ana Cristina Garcia. Psicoeducação do transtorno do déficit de atenção/hiperatividade: o que, como e para quem informar?.Trends in Psychology, v. 26, n. 1, p. 243-261, 2018.

OLIVEIRA, Quitéria Soares et al. Diagnosticado com TDAH: e agora professor?.Nursing (São Paulo), v. 23, n. 264, p. 4036-4047, 2020.

PALÁCIO, Simeia Gaspar et al. Efeitos do metilfenidato no desempenho motor de crianças com TDAH. Saúde e Pesquisa, v. 9, n. 1, p. 93-99, 2016.

PASCOAL, Paulo Henrique Almeida et al. Os discursos de profissionais da saúde acerca do Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH). Saúde em Redes, v. 3, n. 3, p. 222-229, 2017.

PASTORELLO, Julia et al. Possíveis causas do aumento do uso de metilfenidato nas crianças brasileiras. Anais de Medicina, 2016.

PRETTI, Patrícia de Cerqueira. O aluno com TDAH em seu processo de ensino e aprendizagem no contexto escolar: relato de caso. Revista Científica Rumos da inFormação, v. 1, n. 2, p. 5-14, 2020.

RIBEIRO, Simone Pletz. TCC e as funções executivas em crianças com TDAH. Revista Brasileira de Terapias Cognitivas, v. 12, n. 2, p. 126-134, 2016.

ROCHA, MargaretteMatesco; DEL PRETTE, Zilda Aparecida Pereira. Habilidades sociais educativas para mães de crianças com TDAH e a inclusão escolar. Psicologia Argumento, v. 28, n. 60, 2017.

ROSA, Miriam IzolinaPadoin; ROCHA, Geovane dos Santos. Estudo psicanalítico sobre Transtorno de Déficit de Atenção e/ou Hiperatividade (TDAH) na infância. Cadernos de Psicanálise, v. 42, n. 43, p. 249-264, 2020.

SILVA, Daniele Conceição et al. Uma reflexão sobre o TDAH e o uso de medicalização. Revista Filosofia Capital, v. 12, n. 1, p. 74-83, 2017.

SILVEIRA, Viviane Iunes et al. Uso de psicoestimulantes por acadêmicos de medicina de uma universidade do sul de Minas Gerais. Revista da Universidade Vale do Rio Verde, v. 13, n. 2, p. 186-192, 2015.

TORCATO, Carlos Eduardo. O metilfenidato, a escola e a cultura farmacológica contemporânea. Revista Teias, v. 17, n. 45, p. 83-97, 2016.

TRIGUEIRO, EmiliaSuitberta. A medicalização social e o uso do metilfenidato no aprimoramento cognitivo farmacológico. Research, Society and Development, v. 9, n. 7, p. e379974301-e379974301, 2020.

VAL, Elvira Mercado et al. Utilidad de la cartografia cerebral enel diagnóstico delTrastorno por déficit de atenciónconhiperactividad. International Journal of Developmental and Educational Psychology, v. 2, n. 1, p. 339-344, 2015.

VALENÇA, Alexandre Martins; NARDI, Antônio Egídio. Histórico do diagnóstico do transtorno de déficit de atenção/hiperatividade. Transtorno de déficit de atenção/hiperatividade: Teoria e Clínica, p. 19-22, 2015.

WENTHUR, Cody J. Classics in chemical neuroscience: methylphenidate. ACS chemicalneuroscience, v. 7, n. 8, p. 1030-1040, 2016.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n12-053

Refbacks

  • There are currently no refbacks.