Potenciais complicações do uso inadequado de medicamentos contínuos em pacientes com problemas de longa duração / Complicaciones potenciales de uso inadecuado de medicamentos continuos en pacientes con problemas a largo plazo

Tamara Nicoletti da Mata, Lizandra Alvares Félix Barros, Maria de Lourdes Oshiro

Abstract


Com o envelhecimento, algumas pessoas podem necessitar de cuidados em variados graus de dependência, e por isso, alguns idosos são internados em instituições não hospitalares de longa permanência. O objetivo do presente estudo foi analisar o uso de medicamentos em idosos internados em uma instituição não hospitalar, de longa permanência, com atenção ao perfil de uso e demais fatores associados à terapia medicamentosa. Realizou-se um estudo quantitativo, descritivo e de corte transversal, a partir da avaliação de prontuários de pacientes idosos, que residem na instituição de longa permanência. Foram analisados 70 prontuários. Cada idoso utiliza em média 9,8 medicamentos, sendo que 8,1 fármacos são administrados no mesmo horário por idoso. Considerando a importância da assistência multidisciplinar na terapia medicamentosa e no cuidado à pessoa idosa, os profissionais devem possuir amplo conhecimento sobre os medicamentos, além de zelar para que o processo seja seguro e eficiente.


Keywords


Terapia medicamentosa, equipe multiprofissional, idoso.

References


ALVES, K. A. et al. Perfil de saúde dos idosos de uma instituição de longa permanência relacionados aos déficits cognitivos. Cadernos de Graduação - Ciências Biológicas e da Saúde, Aracaju, v. 1, n.17, p. 81-92, 2013. Disponível em: Acesso em 17 de agosto de 2017.

BORGES, L. J.; BENEDETTI, T. R. B.; MAZO, G. Z. Rastreamento cognitivo e sintomas depressivos em idosos iniciantes em programa de exercício físico. J Bras Psiquiatr, v. 56, n. 4, p. 273-9, 2007. Disponível em: Acesso em 17 de agosto de 2017.

BOTOSSO, R.M.; MIRANDA, E.F.; FONSECA, M.A.S. Reação adversa medicamentosa em idosos. Revista Brasileira De Ciências Do Envelhecimento Humano, Passo Fundo – RS, v. 8, n. 2, p. 285-97, 2011. Disponível em: Acesso em: 13 de Outubro de 2016.

BRASIL. Ministério da Saúde; Secretaria de Atenção à Saúde; Departamento de Atenção Básica. Envelhecimento e saúde da pessoa idosa. Brasília; 2006. (Cadernos de Atenção Básica, n. 19). Disponível em: < http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/abcad19.pdf> Acesso em: 14 de agosto de 2017.

_______. Ministério da Saúde. Protocolo de segurança na prescrição, uso e administração de medicamentos. Protocolo coordenado pelo Ministério da Saúde e ANVISA em parceria com FIOCRUZ e FHEMIG. Brasília, 2013. Disponível em: Acesso em: 17 de agosto de 2017.

_______. Ministério da Saúde. Documento de referência para o Programa Nacional de Segurança do Paciente / Ministério da Saúde; Fundação Oswaldo Cruz; Agência Nacional de Vigilância Sanitária. – Brasília: Ministério da Saúde, 2014. Disponível em: Acesso em: 14 de agosto de 2017.

COSTA, M.C.N.S.; MERCADANTE, E.F. O Idoso residente em ILPI (Instituição de Longa Permanência do Idoso) e o que isso representa para o sujeito idoso. Revista Kairós Gerontologia, São Paulo, v. 16, n. 2, p. 209-22, 2013. Disponível em: Acesso em: 14 de agosto de 2017.

DIAS, R. G. et al. Diferenças nos aspectos cognitivos entre idosos praticantes e não praticantes de exercício físico. J Bras Psiquiatr, v. 63, n. 4, p. 326-31, 2014. Disponível em: Acesso em 17 de agosto de 2017.

DSM-5. Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais: DSM-5 / [American Psychiatric Association ; tradução: Maria Inês Corrêa Nascimento... et al.] ; revisão técnica: Aristides Volpato Cordioli ... [et al.]. – 5. edição. – Dados eletrônicos. – Porto Alegre : Artmed, 2014. Disponível em: Acesso em: 14 de agosto de 2017.

FOCHAT, R. C. Perfil de utilização de medicamentos por idosos frágeis institucionalizados na Zona da Mata Mineira, Brasil. Rev Ciênc Farm Básica Apl, v. 33, n. 3, p. 447-54, 2012. Disponível em: Acesso em: 14 de agosto de 2017.

NOBREGA, O. T.; KARNIKOWSKI, M. G. A terapia medicamentosa no idoso: cuidados na medicação. Ciência e Saúde Coletiva. Brasília- DF, v. 10, n. 2, p. 309-13, 2005. Disponível em: Acesso em: 13 de Outubro de 2016.

OMS. Organização Mundial da Saúde. Relatório Mundial de Envelhecimento e Saúde. Genebra: Organização Mundial de Saúde, 2015. Disponível em: Acesso em: 14 de setembro de 2016.

REGIS, M. O. R.; ALCÂNTARA, D.; GOLDSTEIN, G. C. A. Prevalência da Síndrome da Fragilidade em idosos residentes em Instituição de Longa Permanência na cidade de São Paulo. Revista Kairós Gerontologia, v. 16, n.3, p. 251-62, 2013. Disponível em: . Acesso em 17 de agosto de 2017.

ROSA, G. R.; CAMARGO, E. A. F. Polimedicação em Idosos. Interciência e Sociedade, v. 3, n. 2, p. 72-77, 2014. Disponível em: Acesso em: 06 de Outubro de 2016.

SECOLI, S. R. Polifarmácia: interações e reações adversas no uso de medicamentos por idosos. Rev. bras. enferm., Brasília, v. 63, n. 1, p. 136-140, 2010. Disponível em: . Acesso em 14 de agosto de 2017.

SILVA, B. P.; OLIVEIRA, D. G.; WANDERLEY, D. M. S.; COSTA, G. R.; LIMA, R. S. C. Polifarmácia e o uso de medicamentos potencialmente inapropriados em idosos. Congresso Internacional de Envelhecimento Humano, v. 2, n. 1, 2015. Disponível em: Acesso em: 20 de Outubro de 2016.

SILVA, M. F. et al. Prevalência de constipação intestinal, oferta de fibras alimentares e ingestão hídrica em idosos de uma instituição de longa permanência na cidade de Sete Lagoas, MG. Braspen J, v. 31, n. 3, p. 247-51, 2016. Disponível em: < http://www.braspen.com.br/home/wp-content/uploads/2016/11/12-Prevalencia-de-constipa%C3%A7%C3%A3o.pdf> Acesso em 17 de agosto de 2017.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n11-799

Refbacks

  • There are currently no refbacks.