Estudo comparativo de duas técnicas laboratoriais para avaliação do sedimento urinário/ Comparative study of two laboratory techniques for urinary sediment evaluation

Claudia Moreira

Abstract


A análise da urina para fins diagnósticos remonta aos tempos antigos. Por muitos séculos, a inspeção visual da urina foi considerada tão importante quanto a palpação do pulso no diagnóstico. O exame de urina é a terceira análise mais solicitada em laboratórios clínicos e pode ser usado para identificar pacientes com doenças renais, infecções do trato urinário ou diabetes mellitus e pode fazer parte do check-up anual de saúde. Deste modo, utilizar uma metodologia com melhor eficácia é de grande valia no âmbito do diagnóstico clínico. Este estudo teve por objetivo descrever as semelhanças e diferenças entre o método da NBR-15268 e SBPC/ML para a sedimentoscopia na realização do exame de urina de rotina. Trata-se de um estudo de revisão de literatura, com procedimento descritivo e comparativo de trabalhos científicos publicados entre 2011 e 2021, nos idiomas português e inglês. O estudo foi realizado nos seguintes bancos de dados: Scielo (Scientific Electronic Library Online), Lilacs (Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde), NIH-NCBI-Pubmed (Centro Nacional de Informação Biotecnológica – Biblioteca Nacional de Medicina) e Google Acadêmico nos quais foram pesquisados os seguintes descritores: urina, métodos de sedimentoscopia, microscopia. Os métodos comparados diferem-se no tempo de centrifugação, na quantidade de sedimento analisado, no tamanho da lâmina e quantidade de campos analisado na microscopia. Dessa forma, futuros estudos são importantes para uma melhor padronização do exame de urina em âmbito nacional, corroborando com valores de referência associados aos significados clínicos dos pacientes.


Keywords


Diagnóstico, Técnicas de Laboratório Clínico, Urina.

References


ABNT. Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR 15268: Laboratório clínico – Requisitos e recomendações para o exame de urina. ABNT. Brasil, 2005 ;1a ed:9.

BASUKI, K. No Title No Title. ISSN 2502-3632 (Online) ISSN 2356-0304 (Paper) Jurnal Online Internasional & Nasional, v. 53, n. 9, p. 1689–1699, 2019.

BATISTA, D. R. M. R. Avaliação microscópica do sedimento urinário no exame de urina de rotina: comparação entre dois métodos. Revista Brasileira De Análises Clínicas, v. 51, n. 1, p. 34-9, 2019.

BECKER, G. J. Advances in Urine Microscopy. American Journal of Kidney Diseases, v. 67, n. (6), p. 954–964, 2016.

CAVALCANTE, Raissa. Exame de urina: para que serve, tipos e resultados. Minhavida. 2020. Disponível em . Acesso em 19 Jun. 2021.

CAVANAUGH, C.; PERAZELLA, M. A. Urine Sediment Examination in the Diagnosis and Management of Kidney Disease: Core Curriculum 2019. American Journal of Kidney Diseases. v. 73, n. 2, p. :258-272, 2019.

CERIOTTI, F.; et al. How to define a significant deviation from the expected internal quality control result. Clinical Chemistry and Laboratory Medicine, v. 53, n. 6, p. 913-918. Disponível em < https://www.degruyter.com/view/ j/cclm.2015.53.issue-6/cclm-2014-1149/cclm-2014-1149.xml> Acesso em 24 jun. 2021.

ESTRIDGE, B. H; REYNOLDS, A. P. Técnicas Básicas de Laboratório Clínico. 5. Ed. Porto Alegre: Artmed, 2011.

FOGAZZI, G. B. Urinary sediment: still an important diagnostic tool. Clinical Chemistry and Laboratory Medicine. v. 53 Suppl 2:s1451, 2015.

FROCHOT, V. et al. Advances in the identification of calcium carbonate urinary crystals. Clinica Chimica Acta, v. 515, p. 1-4, 2021.

GONÇALVES, F. B. et al. Uroanálise e Fluidos Biológicos. UNIP – Universidade Paulista. Editora etb Ltda – 1. ed, 2015.

KAMPMANN, J.; TEGLGÅRD, A. S. The history of urine analysis. Ugeskr Laeger, v. 11, n. 179- 50, p. 69574, 2017.

LAIWEJPITHAYA, S. UriSed 3 and UX-2000 automated urine sediment analyzers vs manual microscopic method: A comparative performance analysis. Journal of Clinical Laboratory Analysis, v. 32, n. 2, p. 222-49, 2018.

MANDA-HANDZLIK, A. et al. UriSed - Preliminary reference intervals and optimal method for urine sediment analysis in newborns and infants. Clinical Biochemistry, v. 49, n. 12, p. 909-14, 2016.

MASSON, L. C. et al. Diagnóstico laboratorial das infecções urinárias: relação entre a urocultura e o EAS. Revista Brasileira de Análises Clínicas, v. 52, n. 1, p. 77-81, 2020.

OYAERT, M; DELANGHE, J. R. Semiquantitative, fully automated urine test strip analysis, Journal of Clinical Laboratory Analysis. v. 33, n. (5), p. e22870, 2019a.

OYAERT, M; DELANGHE, J. R. Progress in Automated Urinalysis. Annals of Laboratory Medicine, v. 39, n. 1, p. 15-22, 2019b.

PERUCI, L.O; et al. Interferências pré-analíticas da Urinálise. Gold-analisa. 2016. Disponível em .Acesso em 23 de jun. 2021.

SATHIANANTHAMOORTHY, S. et al. Reassessment of Routine Midstream Culture in Diagnosis of Urinary Tract Infection. Journal of Clinical Microbiology, v. 27, n. 57-3, p. e01452-18, 2019.

SBPC/ML. Sociedade Brasileira de Patologia Clínica/Medicina Laboratorial (SBPC/ML). Recomendações da Sociedade Brasileira de Patologia Clínica/Medicina Laboratorial (SBPC/ML): realização de exames em urina. Vol. 1, Barueri, SP: Manole; 2017.

WAY, L. I. et al. Comparison of routine urinalysis and urine Gram stain for detection of bacteriuria in dogs. Journal of Veterinary Emergency and Critical Care, v. 23, n. 1, p. 23-8, 2013.

YALCINKAYA, E. et al. Comparative Performance Analysis of Urised 3 and DIRUI FUS-200 Automated Urine Sediment Analyzers and Manual Microscopic Method. Medeniyet Medical Journal, v. 34, n. 3, p. 244-251, 2019.

YÜKSEL, H. et al O. Comparison of fully automated urine sediment analyzers H800-FUS100 and LabUMat-UriSed with manual microscopy. Journal of Clinical Laboratory Analysis, v. 27, n. 4, p. 312-6, 2013.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n12-043

Refbacks

  • There are currently no refbacks.