A crise dos direitos humanos e a institucionalização da “invenção do outro” / The human rights crisis and the institutionalization of the “invention of the other”

Breno Cesar de Souza Mello

Abstract


O presente trabalho tem por finalidade analisar a importância do caráter emancipatório atribuído aos direitos humanos em contextos sociais plurais e marcado por estratificações sociais responsáveis pela institucionalização da invenção do outro. Para tanto, mediante uma análise bibliográfica qualitativa e multidisciplinar envolvendo, principalmente, as áreas de concentração Direito Constitucional, Sociologia Jurídica e Filosofia do Direito, buscar-se-á analisar o processo de construção da realidade social, de modo a evidenciar que o plano fático ancora-se sob um imaginário de perseguição aos grupos destoantes e que existe um enviesamento dos mecanismos de proteção em favor da classe dominante. Embora haja a importância histórica dessas conquistas, foi observado que uma das formas de superação da atual crise dos direitos humanos se dará através de uma releitura decolonial, para que o seu caráter instrumental de proteção à humanidade seja capaz de atingir todos os grupos sociais e suas distantes classes, sobretudo, seguindo uma visão cosmopolita capaz de romper com os enlaces imperialistas ainda existentes sistema-mundo contemporâneo.

 


Keywords


cosmopolitismo, direitos humanos, direitos dos grupos.

References


ALEXY, Robert. Constitucionalismo discursivo. Tradução de Luís Afonso Heck. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2007.

ALEXY, Robert. Teoria dos Direitos Fundamentais. Tradução Virgílio Afonso da Silva, 2ª edição, 3ª tiragem, 2014.

CANOTILHO, José Joaquim Gomes. (2008) Estudos sobre Direitos fundamentais. Coimbra, ed. Coimbra

CAPPELLETTI, Mauro. Acesso à Justiça. Tradução de Ellen Gracie Northfleet. Porto Alegre: Fabros, 1988.

CASTRO-GÓMEZ, Santiago. Ciências sociais, violência epistêmica e o problema da “invenção do outro”, 2005. Disponível em: < http://biblioteca.clacso.edu.ar/clacso/sur-sur/20100624102434/9_CastroGomez.pdf>. Acesso em: 07 jan. 2019.

COMPARATO, Fábio Konder. Capitalismo e Poder Econômico, 2013. Disponível em: . Acesso em 15 dez.2018.

DIAS, Maria A; MELLO, Breno Cesar de S.; SIQUEIRA, Larissa. A Guerra declarada aos Movimentos Sociais. In: A (não) efetividade das ciências jurídicas no Brasil 3. Editora Atena, 2021. Doi: 10.22533/at.ed.2482105078

DOUZINAS, Costas. Sete teses sobre os Direitos Humanos, part. 2, 2013. Disponível em: < http://uninomade.net/wp-content/files_mf/149419295500Sete%20teses%20sobre%20direitos%20humanos,%20parte%202%20(5-7)%20-%20Costas%20Douzinas.pdf>. Acesso em: 17 dez. 2019.

DOUZINAS, Costas. Sete teses sobre os Direitos Humanos, part. 1, 2016. Disponível em: < https://periodicos.ufpa.br/index.php/hendu/article/view/6016/4840>. Acesso: 15 dez. 2019

FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir. 37 ed. Rio de Janeiro: Vozes, 2009.

GALVÃO, Andréia. Marxismo e Movimentos sociais. Revista Crítica Marxista, 2011. Disponível em: < https://www.ifch.unicamp.br/criticamarxista/arquivos_biblioteca/artigo235artigo5.pdf>. Acesso: 10 set. 2019.

GONDIM, Larissa. Multiculturalismo e os fundamentos constitucionais dos Direitos dos Grupos. Revista Eletrônica do Mestrado em Direito UFAL, V.3 N.2 2012. Disponível em: http://www.seer.ufal.br/index.php/rmdufal/article/view/1099. Acesso: 29. jul.19

MARSILLAC, Narbal. Multiculturalismo e a Construção (Axiológica) dos Direitos Humanos. Revista Verba Juris ano 6, n. 6, jan./dez. 2007.

NOBRE, Marcos. Apontamentos sobre a pesquisa em direito no Brasil. In: Simpósio “O que é pesquisa em direito”, 2002, São Paulo. Cadernos Direito GV. São Paulo: FGV Direito SP, 2009. p. 1 - 19. Disponível em: . Acesso em: 02 jun. 2020.

QUEIROZ, Victor. A dignidade da pessoa humana no pensamento de Kant.

Da fundamentação da metafísica dos costumes à doutrina do direito. Uma reflexão crítica para os dias atuais, 2005. Disponível em: < https://jus.com.br/artigos/7069/a-dignidade-da-pessoa-humana-no-pensamento-de-kant>. Acesso em: 01 dez.2019

QUIJANO, Anibal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. En libro: A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Edgardo Lander (org). Colección Sur Sur, CLACSO, Ciudad Autónoma de Buenos Aires, Argentina, 2005.

RAWLS, John. Uma Teoria da Justiça. Brasília a. 35 n. 138 abr./jun. 1998.

RAWLS, John. Justiça como equidade: uma concepção política, não metafísica”, 1992. Disponível em: .Acesso em: 29 set. 2021.

SANTOS, Boaventura de S. Santos. Por uma concepção multicultural de diretos humanos. Revista Crítica de Ciências Sociais, 48, 1997.

SANTOS, Boaventura de S. Santos. Para além do pensamento abissal: das linhas globais a uma ecologia dos saberes. Revista Crítica de Ciências Sociais, 78, 2007.

SANTOS, Boaventura. Direitos Humanos o desafio. Revista de Direitos Humanos, 2009. Disponível em: . Acesso em: 15 dez. 2019

SANTOS, Boaventura. Pode o Direito ser emancipatório?, 2003. Disponível em: < http://www.boaventuradesousasantos.pt/media/pdfs/podera_o_direito_ser_emancipatorio_RCCS65.PDF>. Acesso em: 15 out. 2018

STANCIOLI, Brunello; CARVALHO, Nara. Da Integridade Física ao Livre Uso do Corpo: Releitura de um Direito da Personalidade. Disponível em: < http://www.ufjf.br/siddharta_legale/files/2014/07/Da-Integridade-F%C3%ADsica-ao-Livre-Uso-do-Corpo.pdf>. Acesso em: 22 set. 2018.

TREVISAN, Leonardo. Os direitos fundamentais sociais na teoria de Robert Alexy. Revista Cadernos do Programa de Pós-Graduação em Direito PPGDir./UFRGS, V.10, n1, 2015. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/ppgdir/article/view/54583. Acesso:29.jul.19.

WALSH, Catherine. Pedagogías decoloniales: prácticas insurgentes de resistir, (re) existir y (re) vivir. Disponível em: . Acesso em: 29 out. 2019

WEYNE, Bruno. A concepção de direitos humanos como direitos morais. Revista de Direitos Humanos e Democracia, vol.6, 2009.

ZAFFARONI, Eugenio Raúl. A palavra dos mortos: conferências de criminologia cautelar. São Paulo: Saraiva, 2003.

ZAFFARONI, Eugenio Raúl. O inimigo no direito penal. Tradução de Sérgio Lamarão. 2. ed. Rio de Janeiro: Revan, 2007.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n12-023